Página inicial > Medievo - Renascença > Stethatos Capitulos Gnosticos

Stethatos Capitulos Gnosticos

terça-feira 29 de março de 2022

68. A continência, o jejum e os combates espirituais detêm as solicitações e os impulsos da carne; a leitura das santas Escrituras arrefece o ardor da alma (psyche) e os temores do coração (kardia); a oração (euche) inesgotável humilha-os, e a compunção (katanyxis), como um óleo, alegra-os.

69. A oração (euche) pura e imaterial, mais do qualquer outra coisa, torna o homem familiar a Deus e une a Ele quem ora sem distração no Espírito, e cuja alma (psyche) é lavada pelas lágrimas, suavizada pela alegria da compunção (katanyxis) e iluminada pela luz do Espírito.

70. A quantidade é excelente na salmodia, quando acompanha a perseverança e a atenção (epimeleia). Mas é a qualidade que vivifica a alma (psyche) e traz fruto. A qualidade da salmodia e da oração (euche) é orar com o Espírito, no intelecto (nous). Ora no intelecto (nous) aquele que, orando e salmodiando, considera o sentido encerrado na santa Escritura. Esses pensamentos divinos constituem, em seu coração (kardia), tantos degraus espirituais: a alma (psyche) fica extasiada no ar luminoso, toda iluminada e também purificada; eleva-se inteira até o céu e vê a beleza dos bens preparados para os santos. Consumida pelo desejo, ela exprime com os olhos o fruto da luz, derramando uma torrente de lágrimas, sob a moção ( energia ) iluminadora do Espírito. O sabor desses bens é tão doce, que acontece, em tais momentos, esquecer-se da alimentação do corpo (soma). Tal é o fruto da oração (euche), aquele que procede da qualidade da salmodia, na alma (psyche) que ora.

71. Onde vedes o fruto do Espírito, encontra-se também a qualidade da oração (euche). E onde há qualidade, também a quantidade da salmodia é excelente. Se não vedes fruto, é que a qualidade é árida; e se é árida, a quantidade não serve para nada. Por mais que ela exercite o corpo (soma), para a maioria não traz nenhum proveito.

72. Tomai cuidado com a astúcia, quando orais ou cantais os salmos   ao Senhor. Os demônios (diabolos) surpreendem o sentido da alma (psyche) e fazem-na, à traição, dizer uma coisa por outra; transformam em blasfêmias os versículos dos salmos   e nos fazem proferir impiedades. Ou começamos o salmo   e eles nos fazem passar para o fim, apagando de nosso espírito a parte do meio. Ou nos fazem ficar rodando no mesmo versículo, sem nos deixar encontrar a continuação do salmo  . Ou então, ainda que tenhamos chegado bem no meio, tiram-nos bruscamente a lembrança de todos os versículos que se seguem, de maneira que esquecemos o versículo que tínhamos nos lábios e não conseguimos encontrá-lo nem retomá-lo. Agem assim para nos afrouxar e nos entediar, e também para desperdiçar os frutos da oração (euche), fazendo-nos perceber como é longa. Mas resisti corajosamente, e aplicai-vos mais do que antes a vosso salmo  , para colher nos versículos os frutos da oração (euche), através da contemplação (theoria), e para vos enriquecerdes com a iluminação do Espírito Santo, reservada às almas que oram.

73. Acontece alguma coisa parecida enquanto salmodiais com inteligência? Não permitais que a negligência vos afrouxe. Não deis preferência à comodidade do corpo (soma) às custas da alma (psyche), abandonando-vos a pensar no comprimento da hora ( canônica ). Mas, no mesmo lugar em que vosso espírito se deixou cativar, parai; e, se estais no fim do salmo  , retomai galhardamente do começo. Retomai o caminho do salmo  , desde o princípio; vosso espírito deve ter muitas vezes tropeçado na distração, durante a mesma hora. Se vos comportais assim, os demônios (diabolos) não suportarão a paciência de vossa perseverança, nem o vigor de vossa resolução; eles vão retirar-se, cobertos de vergonha.

74. A oração (euche) inexaurível é — acreditai-o sem nenhuma dúvida — a que não permanece improdutiva na alma (psyche), nem de dia, nem de noite. Nem os braços estendidos, nem a atitude do corpo (soma), nem os sons da língua a mostram a quem olha. Os que compreendem sabem que ela está no exercício mental da obra do intelecto (nous) e da lembrança de Deus, numa disposição de perseverante compunção (katanyxis).

75. É possível aplicar-se continuamente à oração (euche), mantendo os pensamentos reunidos sob o comando do intelecto (nous), em grande paz e modéstia, ocupando-se em esquadrinhar as profundezas de Deus e procurando ali saborear a onda, suave entre todas, da contemplação (theoria). Aquele cujas faculdades todas da alma (psyche) são consagradas pelo conhecimento, esse realizou a oração (euche) constante.

77. Não há lugar nem tempo fixo para celebrar o mistério da oração (euche). Se estabeleceis horas, momentos, lugares para a oração (euche), o tempo que resta ficará perdido com as ocupações da vaidade. A definição da oração (euche) é: a inabalável fixação do espírito em Deus; sua obra é dirigir a alma (psyche) ( inteligência discursiva ) para as coisas divinas; seu fim é que a inteligência adira a Deus e forme com Ele um só espírito, conforme a definição do Apóstolo  . ( P.G. t. 120, cc. 933s ).


Ver online : Philokalia