Página inicial > Medievo - Renascença > Stethatos Centúrias Físicas 51-60

Stethatos Centúrias Físicas 51-60

terça-feira 29 de março de 2022

    

Philocalie   des Pères Neptiques, Nicétas Stéthatos, Abbaye de Bellefontaine, 1982, 183 p., ISBN 2.85589.954.0, tradução francesa da 4a. edição grega de Atenas, 1976, sob a responsabilidade   de P. Boris BOBRINSKOY e do Grupo de Tradução da PHILOCALIE, este fascículo 4 foi revisto por R.P.Lucien REGNAULT, OSB, monge   de Solesmes, introdução e tradução de Jacques TOURAILLE.

Tradução desta versão francesa feita por Antonio Carneiro

51. Feliz aos meus olhos, na beleza da mudança   e da elevação, aquele que pela filosofia ativa transpassou a parede do estado   apaixonado, e de lá, sobre as asas da impassibilidade cobertas pela prata (Sal 67, 14) do conhecimento, se elevou no ar espiritual da contemplação   dos seres, depois entrou na treva da teologia e repousou de todas as obras, com Deus  , pela beatitude  . Pois alcançando o estado de anjo   terrestre e de homem   celeste, glorificou à Deus em si-mesmo, e Deus o glorificará (Jo 13, 31-32).

52. Uma imensa paz   satisfaz plenamente aqueles que amam a lei de Deus. Não é escândalo para eles (Sal 119,165). Pois, o que agrada aos homens não é o que agrada à Deus (VIDE Agradar Homem e Deus). O que não lhes parece bom é naturalmente muito bom àquele que conheceu as razões dos seres e dos acontecimentos.

53. É bom morrer   para o mundo e de viver   em cristo  . Não há outro caminho   para nascer lá nas alturas, como lhe pede o senhor. Se não é nascido nas alturas, não se pode entrar no reino dos céus   (Jo 3,3). este nascimento vem naturalmente da submissão aos pais   espirituais. Se não levamos logo de início a semente   da palavra que nos dá o ensinamento dos Padres, se por eles não nos tornarmos filhos de Deus, não poderemos nascer nas alturas. Assim os Doze nasceram dos Doze. Tornaram-se filhos de Deus o Pai  , como o Senhor tinha dito: “ Vós sois os filhos de meu Pai que está nos céus (Mt   5,45).” E Paulo nos disse igualmente: “ Quando tão logo vós tiverdes milhares de mestres, vós não terais vários pais. Sou   eu quem vos engendrou (1Cor 4,15). Sejam meus imitadores (1Cor 11,1).”

54. Não se submeter à um pai espiritual à imitação   do Filho submisso ao Pai até a morte e à cruz (Fl 2,8), é não nascer nas alturas. Aquele que não se tornou filho amado   [1] de um pai bom, que não nasceu nas alturas da palavra e do espírito  , como será o pai de bons filhos, como será ele mesmo bom pai, como engendrará filhos bons de acordo com a bondade de seu pai ? Se não for assim, o fruto será de tal modo à imagem da árvore (Árvore Boa - Mt 7, 16-18; Mt 12,33; Lc   6,43-44)

55. A descrença é um mal, a pior   semente má da avareza   e da inveja  . Mas, se é um mal, quão mais é o que faz nascer ? E quanto mais incitar os filhos dos homens à preferir o amor ao ouro ao amor do Cristo, coloca o Criador da matéria mais baixo que a própria matéria, e persuade a adorar muito mais que Deus aqueles que servem à criação no lugar do Criador (Rm1,25) e mudam em mentira   a verdade de Deus (Rm1,25). Mas se esta doença   é um tal mal que recebeu o nome de segunda idolatria (1Tm 6,10), de qual vício não transbordará a própria alma   que se tornou doente desta forma ?

56. Se amas ser amigo do Cristo, desprezarás então o ouro   e sua cobiça. Pois volta para o pensamento   daquele que ama, e eleva ao dulcíssimo amor de Jesus, amor que acredito não está nas palavras, mas na realização   de seus mandamentos (Jo14,15). Se desejas o ouro, oh infeliz, ganharás enterrando o que tens agora, se entretanto este amor que preferes ao do Cristo é um ganho (Fl 3,8) e não o último, é uma pena  ! Saibas que então serás privado dele, e que por esta infelicidade perderás Deus, que é teu fundamento. Sem ele o caminho da salvação   é impossível para os homens.

57. Se tu amas o ouro, não amas o Cristo. Mas, se não amas o Cristo, se amas o ouro, vê à quem o tirano quer te fazer parecer. Àquele que foi o discípulo   mais infiel, que foi amigo mais hostil, que ultrajou o mestre comum, perdeu miseravelmente a fé e o amor por ele, e caiu na grota do desespero  . Teme seu exemplo, fuja do ouro e de seu amor por ele, crê-me, a fim de poder ganhar o Cristo, amando-te à ti mesmo. Mas, se se vai de outra maneira, sabes à qual lugar está predestinado àquele que caiu.

58. Mesmo se vês que podes ajudar as almas, nunca te apresses, pelo ouro ou pela concorrência com os homens, e às suas demanda, de ocupar o primeiro lugar sem o apelo de lá do alto. Pois não terás diante ti essas três coisas, e uma delas chegará. Ou, através de todas as espécies de agressões e de infelicidades, terás sobre ti a indignação e a cólera   de Deus: não somente os homens te combaterão, mas, quase toda a criação, e a vida não te será senão uma longa queixa. Ou então, aqueles que terão sido mais fortes que ti te destronarão, e a vergonha   será grande. Ou ainda levado à vida presente  , morrerás antes de seu tempo.

59. Ninguém pode desprezar a glória   e a desonra, nem superar a dor   e o prazer, se não lhe foi dado [o poder] de ver as coisas. Quando se viu, com efeito, reduzido à nada na morte que lhe sucede e a destrói, o fim de toda glória, de todo prazer, de todas delícias, de toda riqueza   ( vide: Evangelho de Tomé - Logion 29 ) e de todo conforto, conhece-se então a evidente   vanidade de todas as coisas humanas, e volta-se seus sentidos em direção   a finalidade das coisas divinas. Atém-se a o que é e o que nada pode corromper. E se leva consigo, supera-se a dor   e o prazer. A dor, combatendo o amor da alma ao prazer, à glória e ao dinheiro  . O prazer, rejeitando a sensação   ( aisthesis ) do mundo. Assim na honra   e na desonra permanece o mesmo. Na dor como no conforto do corpo, em tudo dá-se graças à Deus e não se rompe o pensamento.

60. O homem que se dedica à virtude deve também descobrir ao sonhar os movimentos e as disposições da alma e velar à seu estado. Pois, os movimentos do corpo e as imaginações da “inteligência” correspondem à disposição   do homem interior   e às suas preocupações. Se mantém-se a alma no amor da matéria e do prazer, procura-se com a imaginação   a posse das coisas, o conforto do dinheiro, as formas da mulher, os abraços/beijos apaixonados, macula-se a túnica (S.Judas   23) e macula-se a carne   (S.Judas 8). Se se mantém a alma ávida e avara, vê-se o ouro em toda parte, se exige-o, abusa-se dos juros, se recolhe-o nos tesouros, mas, falta compaixão   e se é condenado. Se mantém-se a alma colérica e invejosa, é perseguido pelos felinos e pelas serpentes   (vide: Naas ) venenosas, e se torna presa dos sustos e do medo. Se tem-se a alma inflada pela vanglória  , vê-se aclamado envolvido pelo povo, imagina-se os tronos do poder e da autoridade  . Considera-se que tem-se o que ainda não tem, ou pelo menos que ter-se-á, e se está sempre em alerta. Se tem-se a alma orgulhosa e cheia de vaidade, vê-se levado nos mais belos veículos. Pode-se até ter asas e voar   no ar. E todos tremem diante da altura deste poder. Assim o homem justo que ama a Deus, que se aplica à obra da virtude nos combates da piedade, que guarda sua alma pura de toda a matéria, vê em seu sono o cumprimento das coisas futuras, e as revelações de visões terríveis. E quando se desperta, se surpreende a sempre rezar na “compunção” e no estado sossegado da alma e do corpo, as lágrimas sobre as faces, e nos lábios as palavras que disse à Deus.



Ver online : Philokalia


[1(São Mateus 3,17): E do Céu veio uma voz, que dizia: «Este é o meu Filho amado, que muito Me agrada».
(São Mateus 17,5): Pedro ainda estava a falar, quando uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sombra, e da nuvem saiu uma voz que dizia: «Este é o meu Filho amado, que muito Me agrada. Escutai o que Ele diz».
(Veja também Agradar Homem e Deus)