Página inicial > Modernidade > Stein, Edith (1891-1942) > Edith Stein (CC) – A Cruz e a Noite (A Noite dos Sentidos)

A Ciência da Cruz

Edith Stein (CC) – A Cruz e a Noite (A Noite dos Sentidos)

Diferenças de caráter simbólico: o símbolo e a expressão cósmica

domingo 12 de setembro de 2021, por Cardoso de Castro

    

STEIN, Edith. A Ciência da Cruz. Tr. Beda Kruse. São Paulo: Edições Loyola, 1988.

    

Logo de início, surge a questão de saber se a cruz e a noite possuem o mesmo sentido simbólico. A palavra   símbolo é usada em vários significados. Às vezes é tomada num sentido tão vasto que por ela se designa tudo quanto seja perceptível pelos sentidos e indique algo de espiritual; ou então, tudo quanto for conhecido pela experiência natural e insinuar algo de desconhecido   — e talvez não experimentável pelo conhecimento natural. Neste amplo sentido, podemos empregar a palavra símbolo, quer para designar a cruz, quer para designar a noite. Mas se tomarmos em consideração   a diferença   entre sinal e imagem, notaremos certo contraste.

A imagem, como cópia, representa o figurado em virtude   de certa semelhança   intrínseca. Quem a vê, é levado a nela discernir o modelo que, conforme o caso, será conhecido ou reconhecido. Já entre sinal e coisa significada, não há, necessariamente, semelhança intrínseca; a semelhança entre ambos é arbitrária, e é preciso conhecê-la para compreender o sinal. A cruz, evidentemente, não é imagem no sentido próprio   (quando se diz que ela é um símbolo, apenas se o diz no sentido amplo do vocábulo acima descrito, isto é, algo concreto que lhe indica um sentido que lhe está além do nível sensível). Entre a cruz e o sofrimento   não há semelhança imediatamente perceptível; entretanto, a significativa relação   entre ambos não é arbitrária. A cruz adquiriu significado por sua história; não é mero objeto criado pela natureza, e sim instrumento fabricado e usado pelo homem   para um fim determinado. Como instrumento, a cruz desempenhou na história um papel de incomparável alcance, como o sabem todos os que vivem em ambiente cultural cristão. Por essa razão  , a cruz conduz o espírito  , em virtude de sua forma concreta, à plenitude   do sentido que a ela se liga. É pois um sinal, cujo significado não é artificial, mas real  , condicionado pela história. Sua forma visível   conduz à vasta gama de conotações em que ocupa um lugar determinado. Assim, podemos com razão chamá-la de insígnia.

A noite, por sua vez, é um fenômeno natural; não é objeto em sentido próprio, contrário à luz diurna; ela envolve em seu manto todas as coisas e a nós   mesmos. Não é objeto contraposto a nós  , nem subsiste por si. Nem mesmo é imagem, no sentido de figura visível; é invisível e informe. Contudo, nós a percebemos, ela está muito mais próxima de nós do que todas as outras coisas e figuras, e muito mais ligada à nossa existência do que se possa pensar. Assim como a luz realça as coisas e suas propriedades visíveis, assim a noite as absorve, ameaçando absorver também a nós. O que nela submerge é como se não mais existisse, embora continue a existir; torna-se indeterminado  , invisível e informe como a própria noite: é como se fosse sombra ou fantasma, e por isso mesmo, ameaçador. E nossa própria existência não só se sente ameaçada pelos perigos exteriores que se escondem nas sombras da noite, mas sente-se também intimamente atingida pelo caráter ameaçador da própria noite. Ela nos tolhe o uso dos sentidos, paralisa nossos movimentos, nossas energias; coloca-nos numa espécie de solidão   e faz-nos como sombras e fantasmas; é como experimentar a morte. Isso tudo tem significado não somente para a natureza vital, mas também para a psíquica e espiritual. A noite cósmica tem sobre nós o mesmo efeito da chamada "noite" em sentido figurado. Em outros termos: o que produz em nós semelhantes efeitos aos da noite cósmica é chamado, em sentido figurado, "noite". Antes de indagar a razão pela qual se produzem esses efeitos, convém lembrar que a noite cósmica possui um duplo aspecto — além das noites escuras e amedrontadoras, há noites cujo encanto do luar é um banho de luz amena, suave. Essa noite enluarada não absorve as coisas, mas as faz sobressaírem à luz noturna. A essa luz, os contornos dos objetos perdem as arestas salientes, marcadas e duras; tudo torna-se mais brando e suave; revelam-se traços característicos que nunca aparecem à claridade da luz do dia. Também ouvem-se vozes que o excessivo ruído diurno costuma abafar. Além da noite clara, tem também valor   a noite escura, que amortece a agitação e ruídos diurnos, trazendo calma   e paz  . Tudo isso tem repercussão mental e espiritual na alma   humana. Existe uma noturna e suave claridade do espírito  , em que livre da faina diurna, distendido e recolhido ao mesmo tempo  , ele se concentra no profundo sentido do seu ser e da sua existência, do mundo e do sobrenatural. Há também um repouso  , repassado de profunda gratidão, na paz e calma noturnas. Tudo isso deve ser lembrado por quem deseja compreender o simbolismo da noite, usado por São João da Cruz, ele que foi muito sensível aos vários matizes da noite cósmica. Passava noites inteiras junto à janela, contemplando ao redor, chegando a pernoitar ao relento. Para caracterizar a noite, encontra várias palavras que por nenhum outro poeta foram superadas. A alma compara o Amado  , como se segue: (Cântico espiritual, verso 15 — BAC, p. 738)

la noche sosegada
en par de los levantes de la aurora  ,
la música   callada,
la soledade sonora,
la cena que recrea y enamora.