Página inicial > Modernidade > Heidegger, Martin (1889-1976) > Wilberg (HPIT) – Yoga, Heidegger and Indology

Heidegger, Phenomenology and Indian Thought

Wilberg (HPIT) – Yoga, Heidegger and Indology

Heidegger, Yoga and Indian Thought

sexta-feira 16 de setembro de 2022, por Cardoso de Castro

    

WILBERG  , Peter. Heidegger  , Phenomenology and Indian Thought. New Gnosis   Publications

    

O termo “yoga  ” sugere algo enraizado em uma tradição   oriental, na verdade especificamente indiana. O termo ’novo yoga’ não faz mais do que sugerir um yoga que recebe alguma forma de adição contemporânea e, assim, simplesmente se soma às inúmeras escolas de yoga, passadas e presentes, que atualmente competem por seguidores no mercado da espiritualidade da ’Nova Era’. Em contraste, o artigo definido no termo “The New Yoga” pretende refletir   uma maneira inteiramente nova de pensar tanto o yoga como tal quanto a longa tradição da religiosidade indiana da qual é extraída.

Esta é a maneira de pensar que Heidegger   denominou de “pensamento meditativo” ou o “outro pensamento”. No contexto da tradição iogue, o pensamento meditativo é tanto o pensamento entendido como meditação  , quanto a prática da meditação iogue pensada de outra maneira.

Era convicção   de Heidegger que em uma época em que o ’pensamento calculista’ no qual o comércio global, a ciência e a tecnologia   se baseiam colocava em risco a própria sobrevivência do pensamento, qualquer ’novo alvorecer’ do pensamento meditativo deve surgir   “do mesmo lugar”. no mundo onde se originou o mundo tecnológico moderno”. (entrevista de Martin Heidegger a Spiegel).

“Isto não pode acontecer pela adoção do zen-budismo   ou de outras experiências orientais do mundo. A ajuda   da tradição europeia e uma nova apropriação desta tradição são necessárias para uma mudança   de pensamento. O pensamento só será transformado por um pensamento que tenha a mesma origem e destino.”

Esta “origem e destino” é o Ocidente greco-europeu – esta “terra   da noite de onde pode surgir o alvorecer de uma nova manhã, de um outro destino mundial”. No entanto, como J.L. Mehta aponta:

“O pensamento do impensado deste imperecível começo ocidental, no entanto, é também a libertação do pensamento de seu molde   paroquial e seu encontro com o impensado dos outros poucos, realmente grandes começos da história humana.”

Não menos importante destes primórdios, é claro, é o grande começo da história indiana e suas tradições religiosas. No entanto, é minha convicção que, assim como a metafísica   ocidental e a escolástica cristã se mostraram inadequadas para compreender a essência   histórica impensada do pensamento filosófico grego, também, com exceção de alguns notáveis ​​estudiosos ocidentais do Xivaísmo   de Caxemira e um único pensador indiano do século XX — o próprio J.L. Mehta — nem a ’Indologia’ nem os estudiosos e a ’filosofia’ indianos até agora se mostraram adequados à tarefa de pensar a essência impensada da história indiana e do pensamento religioso. Que este é o caso é evidente   pela maneira superficial como as origens históricas da civilização e religião indianas são contestadas por estudiosos, arqueólogos e linguistas. «Invasão ariana ou não?» torna-se a única questão, discutida através de interpretações concorrentes de «fatos» históricos, linguísticos e arqueológicos, e, portanto, não requer nenhuma meditação sobre o significado interno de «ariano» em seu sentido básico de «nobre» . . .

Aqui Heidegger tem algo bem diferente a dizer – algo até então totalmente impensado. Em vez de discussões intermináveis ​​e muitas vezes emocionalmente histéricas sobre as origens históricas e a natureza destes supostos “arianos” e sua “invasão” de uma cultura ou civilização nativa pré-ariana, Heidegger inverte completamente esta questão historicista – meditando cuidadosamente a própria essência de ’o nobre’ como «aquilo que permanece em sua origem e natureza».

Ao invés, encontra-se um caminho   para que a questão do que significa ser ’nobre’ ou ’ariano’ seja pensada de uma nova maneira — não como uma questão histórica, arqueológica ou racial, mas como uma questão essencialmente religiosa — a questão do que significa permanecer em sua origem e na verdade de sua natureza essencial. E como é precisamente esta questão que pode ser vista como o cerne da religiosidade indiana, a questão da origem e da natureza da religiosidade indiana e sua relação com o ’arianismo’ deixa de ser meramente histórica ou ’indológica’ e se torna uma questão auto-reflexivamente religiosa em seu próprio direito. Como tal, é uma questão que pode ser pensamento meditativo e meditação pensativa — e de forma a também nos ajudar a repensar meditativamente, como tal, a essência religiosa tanto de ’meditação’ (uma palavra ocidental) quanto de ’yoga’ (uma palavra oriental).


Ver online : PETER WILBERG