PhiloSophia

PHILO = Apreço + SOPHIA = Compreensão

Version imprimable de cet article Version imprimable

Accueil > Ocidente > Arthur Schopenhauer (1788-1860) > Schopenhaeur : o homem é tão subjetivo...

The Collected Essays

Schopenhaeur : o homem é tão subjetivo...

COUNSELS AND MAXIMS

dimanche 5 janvier 2020

SCHOPENHAUER Schopenhauer ARTHUR SCHOPENHAUER (1788-1860) , Arthur. The Collected Essays of ARTHUR SCHOPENHAUER. p. 172.

Excertos de SCHOPENHAUER Schopenhauer ARTHUR SCHOPENHAUER (1788-1860) , Arthur. The Collected Works of ARTHUR SCHOPENHAUER? (1788-1860). Hastings : Delphi, 2017 (epub)

nossa tradução

A maioria dos homens é completamente subjetiva que nada realmente lhes interessa, a não ser eles mesmos. Eles sempre pensam em seu próprio caso assim que qualquer comentário é feito, e toda a sua atenção é assimilada e absorvida pela mera referência casual a qualquer coisa que os afete pessoalmente, desde que não remota : com o resultado de que não lhes resta poder para formar uma visão objetiva das coisas, caso a conversa se revele ; nem podem admitir validade em argumentos que denigram seu interesse ou sua vaidade. Portanto, sua atenção é facilmente distraída. Eles são tão facilmente ofendidos, insultados ou aborrecidos que, ao discutir qualquer assunto impessoal com eles, não há cuidado demais para evitar que suas observações mantenham a menor referência possível aos indivíduos muito dignos e sensíveis que têm diante de si ; por qualquer coisa que se possa dizer, talvez se magoe seus sentimentos?. As pessoas realmente não se preocupam com nada que não as afete pessoalmente. Observações verdadeiras e impressionantes, coisas boas, sutis e espirituosas são perdidas sobre eles : não podem entendê-las ou senti-las. Mas qualquer coisa que perturbe sua vaidade mesquinha da maneira mais remota e indireta, ou reflita prejudicialmente sobre seu eu extremamente precioso - para isso, eles são mais ternamente sensíveis. Nesse aspecto, eles são como o cachorrinho cujos dedos você está tão propenso a pisar inadvertidamente - você o conhece pelo latido estridente que late : ou, novamente, se assemelham a um homem? doente coberto de feridas e furúnculos, com quem devem se tomar os maiores cuidados para evitar desnecessário trato. E em algumas pessoas esse sentimento chega a tal ponto que, se eles estão conversando com alguém e este exibe, ou não esconde suficientemente, a inteligência e discernimento deles, eles o consideram um insulto absoluto? ; embora, por enquanto, ocultem sua má vontade, e o autor insuspeito dela depois tenha que reflitir em vão sobre sua conduta, e analise seu cérebro para descobrir o que ele poderia ter feito para excitar a malícia e ódio deles.

Mas é igualmente fácil lisonjear e conquistá-los ; e é por isso que o julgamento deles é geralmente corrupto, e por que as opiniões deles são influenciadas, não pelo que é realmente verdadeiro e certo, mas pelo favor do partido ou da classe a que pertencem. E a razão última disso tudo é que, nessas pessoas, a força de vontade predomina muito sobre o conhecimento? ; e, portanto, seu intelecto escasso é totalmente entregue ao serviço da vontade e nunca pode se libertar desse serviço por um momento.

A astrologia fornece uma prova magnífica dessa tendência subjetiva miserável nos homens, o que os leva a ver tudo apenas como tendo influência sobre si mesmos e a pensar em nada que não seja imediatamente transformado em um assunto pessoal. O objetivo? da astrologia é aproximar os movimentos dos corpos celestes com o miserável Ego e estabelecer uma conexão entre um cometa no céu e disputas e brigas na terra.

Inglês

Most men are so thoroughly subjective that nothing really interests them but themselves. They always think of their own case as soon as ever any remark is made, and their whole attention is engrossed and absorbed by the merest chance reference to anything which affects them personally, be it never so remote : with the result that they have no power left for forming an objective view of things, should the conversation take that turn ; neither can they admit any validity in arguments which tell against their interest or their vanity. Hence their attention is easily distracted. They are so readily offended, insulted or annoyed, that in discussing any impersonal matter? with them, no care is too great to avoid letting your remarks bear the slightest possible reference to the very worthy and sensitive individuals whom you have before you ; for anything you may say will perhaps hurt their feelings. People really care about nothing that does not affect them personally. True and striking observations, fine, subtle and witty things are lost upon them : they cannot understand or feel them. But anything that disturbs their petty vanity in the most remote and indirect way, or reflects prejudicially upon their exceedingly precious selves — to that, they are most tenderly sensitive. In this respect they are like the little dog whose toes you are so apt to tread upon inadvertently — you know it by the shrill bark it sets up : or, again, they resemble a sick man covered with sores and boils, with whom the greatest care must be taken to avoid unnecessary handling. And in some people this feeling reaches such a pass that, if they are talking with anyone, and he exhibits, or does not sufficiently conceal, his intelligence and discernment, they look upon it as a downright insult ; although for the moment they hide their ill will, and the unsuspecting author of it afterwards ruminates in vain upon their conduct, and racks his brain to discover what he could possibly have done to excite their malice and hatred.

But it is just as easy to flatter and win them over ; and this is why their judgment is usually corrupt, and why their opinions are swayed, not by what is really true and right, but by the favor of the party or class to which they belong. And the ultimate reason of it all is, that in such people force of will greatly predominates over knowledge ; and hence their meagre intellect is wholly given up to the service of the will, and can never free itself from that service for a moment.

Astrology furnishes a magnificent proof of this miserable subjective tendency in men, which leads them to see everything only as bearing upon themselves, and to think of nothing that is not straightway made into a personal matter. The aim of astrology is to bring the motions of the celestial bodies into relation with the wretched Ego and to establish a connection between a comet in the sky and squabbles and rascalities on earth.


Voir en ligne : The Collected Essays of ARTHUR SCHOPENHAUER