Página inicial > Antiguidade > Judaico-Cristandade > Zoot - Isso - Essa-aí - Outro

TERMOS CHAVES

Zoot - Isso - Essa-aí - Outro

PERSONAGENS

segunda-feira 28 de março de 2022, por Cardoso de Castro

    

"Não é bom que o ser humano   esteja só para ele" (Gn 2,18). A fórmula "o ser humano" (em hebreu heyot haadam) não aparece em nenhuma parte da Bíblia, e me parece significar aqui que reúne todas as facetas possíveis do homem, desde o Adão original até o indivíduo   da condição humana para afirmar   que o "eu" não pode se passar do "tu" [v. Martin Buber  ]. Que o "tu" ou o "ele" ou o "ela" são essenciais ao ser do homem, qualquer que seja [ser-com]. É evidente   em nossa condição mortal  , onde a solidariedade é vital, mas é menos no Éden, onde Adão   — cada um dos Adão — não tem necessidade   de ninguém para sua subsistência, sua felicidade  , sua alegria  , posto que tudo lhe é dado por seu ambiente e por sua multi-sexualidade, No entanto esta frase   é dada por Deus   ele mesmo e visa então o Adão original, sem dúvida para lhe fazer tomar consciência   desta dimensão dele mesmo que, cativada pela abundância   do jardim, negligencie ou ainda não tenha descoberto.


Retomando o início da frase: “Não é bom”. Em hebreu “lo tov”. “Tov” é um adjetivo muito rico. Antes de significar “conforme” quer dizer “bom” assim como “belo”. No Relato dos Seis Dias espécie de introdução ao nosso relato, Deus repete seis vezes “é bom” para marcar sua satisfação de sua obra quando a contempla. Talvez isto signifique “conforme a seu projeto” mas também “bom” ou mesmo “belo”. No relato, aquele do Éden   (palavra que quer dizer “prazer” em hebreu) a conotação estética ver erótica é a mais provável. Deus concebe Adão para a felicidade e a beleza. Sem dúvida um não vai sem o outro. E a solidão  , não física, mas moral do Adão, no início no jardim, onde é muito solicitado pela riqueza da vegetação   que o cerca, não corresponde à abertura de sua “Consciência de Existir” que o caracteriza (Gen 2,7). Esta supõe a linguagem e o altruísmo em um ser livre. Logo é “bom” ser livre. E não é bom nem belo para Adão ser só para ele.

O conhecimento da verdade  , logo, se cultiva no secreto. E instintivamente do lado onde se supõe que se encontram suas raízes, no lugar que relembra, que se saiba ou não, o Jardim do Éden. Freud   se engana confundindo esse conhecimento com a evidência para o qualificar de triste, pois cada um aspira à felicidade, à alegria e ao amor sem fim, eis a verdade. Cegante e desconhecido  . Mais que tudo, o Adão original deve descobri-lo nele. É o paradoxo da verdade como liberdade. Quanto mais dele se desfruta, mais se o vê, menos dele se tem consciência.

E é sem dúvida a explicação do sono profundo que Deus mergulha Adão, tomado pelas delícias “comestíveis” que o cercam. Privado momentaneamente de sua liberdade, reentrado nele mesmo, será confrontado a seu verdadeiro “eu” que não se dá sem um verdadeiro “tu” [ser-com]. A linguagem, esta “ajuda   em face dele” que bastou para fazer existir para ele os animais, não lhe permite um verdadeiro contato com um outro Adão, muito idêntico a ele talvez, mas sem uma espécie de comunhão que lhe faça sentir sua alteridade   e sua complementaridade. O “lado” (costela em muitas traduções) retirado do primeiro para ser oferecido ao segundo, não sem ter sido inflamado de passagem, é uma metáfora do “dom de si” vivido como um prazer e não como um sacrifício, e nada tem a ver com a pretendida “criação da Mulher”. É o Adão, o segundo dos dois  , aqui posto em cena, que constata nas primeiras palavras (e as únicas) que o texto lhe faz pronunciar, o fracasso da tentativa divina. Ela não alcançou a uma comunhão, a um conhecimento mútuo, mas a uma anexação, de um dos Adão pelo Outro. Aquele que fala e se vangloria não diz jamais “tu” mas sempre “eu” designando seu parceiro do mesmo termo menosprezante que sua experiência, Zoot, “Isso”.

Pois é uma experiência a sua maneira que crê ter alcançado Adão em contrapondo a intervenção de Deus em seu favor. Mas este se revela aqui verdadeiramente o Deus da liberdade. Não somente respeita aquela da criatura a sua semelhança  , mas longe de dela se desinteressar lhe oferece uma segunda chance. E mesmo uma terceira esperando sem dúvida fazer mudar   de opinião   o novo casal animal   que Adão efetivamente se tornou em se nomeando fraudulentamente assim.

Nas únicas palavras que o texto lhe faz pronunciar antes de sua auto-degradação, Adão ainda Um e múltiplo se proclama com efeito iysh, e o outro isha, duas palavras com consonâncias semelhantes mas sem raiz comum, a primeira designando um indivíduo qualquer e a segunda o fogo   que Deus pôs no famoso “lado” (“costela”) de um dos dois Adão para o aportar ao outro, e os inflamar todos os dois em uma espécie de êxtase de fusão, provisório mas evocador. O Adão que se nomeia iysh se autodegrada, e anexa o outro em o nomeando isha como se “isha” derivasse de “iysh”. Pode-se pensar   ao contrário que este iysh deriva aqui de isha, anterior   no texto. Isto tem ar de um jogo   de palavras mas faz bem o papel da linguagem no “Isso”, este evento misterioso na origem   da condição humana que é em realidade   o episódio da Costela de Adão, sempre interpretado como a “criação da mulher  ”.

Não é a mulher (em sentido literal) que "comendo da maçã" que precipitou a perdição da humanidade. É o Adão Um e múltiplo que de alguma maneira "masculinizou-se" em se separando de sua componente "feminina", e em anexando-a sob forma ou não de um substituto. Operação inimaginável, se passando em outras dimensões que as nossas, e da qual não conhecemos senão o resultado. Mas que é marcada no texto do Gênesis 2, depois dos três Zoot pela substituição de dois nomes ish e isha pelo seu nome de origem (Adão) que ele partilhava com sua parceira.

Todavia esse nome retorna no versículo Gen 2,25 mas com uma conotação muito diferente. A frase é "eventual" e não circunstancial como nas traduções de nossas bíblias, quer dizer que ela anuncia um fato novo na narração e não um simples desenvolvimento como se pode crer erradamente em sua formulação tradicional no imperfeito. Deve-se lê-la: "E eles foram eles dois, a fazer malícias, o Adão e sua mulher, sem experimentar incômodo". "Eles foram" e não "eles estavam" de nossas bíblias.

O casal "Adão e sua mulher" não faz lembrar o Adão senão pelo Adão citado, depois da separação   do elemento   "mulher" (Outro, Outro Adão) que o constituía. E não é em lhe ajuntando que se refaz sua unidade  . Em adicionando os dois, chega-se ao mesmo desastre   que em lhes subtraindo um do outro, quer dizer que eles não encontram o que perderam. 1 + 1 = 2 e 1 - 1 = 0. Só 1 x 1 = 1.

Pode-se dizer que esta fórmula híbrida e não viável marca   uma transição, uma situação   provisória permitindo um sursis no qual o nome de Adão resta evocado para lhe deixar uma chance de mudar de opinião, de voltar atrás. Quer dizer de permanecer no Éden, enquanto ele mesmo se expulsou em se autodegradando em "ish" e "isha". A cena do "sono profundo" vai recomeçar em um cenário mais amável, e sobretudo mais representável, mesmo se a pintura lhe dê um aspecto realista ao qual não se deve deixar tomar. [Paul Nothomb  . Ça ou l’histoire de la pomme racontée aux adultes]