PhiloSophia

PHILO = Apreço + SOPHIA = Compreensão

Version imprimable de cet article Version imprimable

Accueil > Oriente > Renz : presença e ausência

BLISSTEARS

Renz : presença e ausência

It’s not about awakening, it’s about falling asleep again

lundi 16 décembre 2019

minha tradução

P : Então, por que adormecemos ? Apenas adormeci e nem estava cansado ...

K : O interesse? simplesmente desaparece. A percepção? não? tem interesse e então vai para a ausência?, só isso. Isso-que-tudo-sente sente a si mesmo como presença? ou ausência e sono é apenas uma ausência. Isso que é o sensor absoluto?, que não é uma sensação?, não podes ter? nenhum atributo? dele. O experimentador Absoluto não pode nem ser? chamado? de experimentador. Não precisas saber? o que é. O sono é exatamente o oposto ao estado? de vigília. A presença está em estado de vigília e, na ausência, não há nada?. Nada e tudo. Então, não adormeces, é só que a tua percepção vai para o outro? lado, onde não há percebedor. Não há estória, nem memória?. Então chamas isto de sono, pois não há ninguém que faça uma estória disto. Então, quando o sensor detecta novamente, ele cria uma estória fora de tua percepção. Eu? percebi, e meu ponto? de referência?, e tudo isso. Há uma ausência de tudo isso. Mas nunca és o que és.

És o experimentador Absoluto e te realizas permanentemente e te realizas como presença ou ausência. Não faz diferença? para Isso-que-és, se estás presente ou ausente. É totalmente indiferente?. Estás te realizando na chamada presença de estar? acordado e nisso que chamas de ausência da presença. O que fazer com isso ? Quando não esperas mais nada na presença, vais para a ausência. Então, por natureza?, voltas à presença. Quando tens um? eu exausto e o corpo? está exausto, então vais para a ausência porque a ferramenta está consumada no momento?, e depois adormeces. É como uma câmera sem energia?. Então vais para o outro ... nem vais lá, há uma face e há outra face. Na verdade?, aqui e agora? há presença e ausência. Não há presença sem ausência e não há ausência sem presença. Não é como se mudasses alguma coisa?. É só que tua atenção? vai para a ausência, que já está aqui. Não é algo que muda.

A forma? e o sem forma estão permanentemente aí. A forma é a presença e o sem forma é a ausência. Isso que é a falta? de forma está aqui agora. Não precisas esperar por isso. Sem a ausência não poderia haver presença. Como pode haver alguma presença ? Em quê ? A presença só pode estar na ausência e a ausência só pode estar na presença e ambos não são em natureza diferentes. Então, o que fazer com isto ? E não há saída ! Teu corpo está descansando, mas nunca descansas, não precisas descansar. És a inquietude?, e o repouso e o não repouso são apenas duas faces do que és ... morte? e vida?.

Original

Q : So, why do we fall asleep ? I just fell asleep and I was not even tired...

K : The interest just disappears. The perception has no interest and then it goes to the absence, that’s all. That what is sensing everything senses himself as the presence or the absence and sleep is just an absence. That what is the absolute sensor, what is not a sensation, you cannot have any attribute on? it. The Absolute experiencer cannot even be called as an experiencer. You don’t have to know what it is. Sleep is just opposite to waking state. Presence is waking state and in absence there’s nothing. Nothing and everything. So, you don’t fall asleep it’s just that your perception goes to the other side where there’s no perceiver. There’s no story, no memory. Then you call it sleep as there’s no one there who makes a story out of it. Then when the sensor senses again, it makes a story out of its perception. I perceived and my reference point and all of that. There’s an absence of all of that. But you’re never not what you are.

You are the Absolute experiencer and you permanently realize yourself and you realize yourself as the presence or the absence. It doesn’t make any difference for what you are if you’re present or absent. It’s totally indifferent. You’re Reality realizing yourself in the so-called presence of being awake and that what you call the absence of the presence. What to do with it ? When you don’t expect anything more in the presence, you go to the absence. Then by nature you go back to the presence. When you have an exhausted self and the body is exhausted, then you go to the absence because the tool is burnt out for the moment and then you fall asleep. It’s like a camera without energy. Then you go to the other... You don’t even go there, there’s one face and then there’s another face. Actually right now here and now there’s presence and absence. There’s no presence without absence and there’s no absence without presence. It’s not as if you shift anything. It’s just that your attention goes to the absence, which is already here. It’s not something that changes.

The form and the formless are permanently there. The form is the presence and the formless is the absence. That what is the formlessness is here now. You don’t have to wait for it. Without the absence there could not be any presence. How can there be any presence ? In what ? The presence can only be in the absence and the absence can only be in the presence and both are in nature not different. So, what to do with it ? And no way out ! Your body is resting but you never rest, you don’t need to rest. You’re the restlessness and the rest and the no-rest are just two faces of what you are... death and life.


Voir en ligne : BLISSTEARS