PhiloSophia

PHILO = Apreço + SOPHIA = Compreensão

Version imprimable de cet article Version imprimable

Accueil > Oriente > Tradição do Buda > Wei Wu Wei > Wei Wu Wei : diálogo entre persona e ego relativo

FINGERS POINTING TOWARDS THE MOON

Wei Wu Wei : diálogo entre persona e ego relativo

22. The Ego – I

lundi 13 janvier 2020

Extract from FINGERS POINTING TOWARDS THE MOON, 2003, p. 67-71.

tradução

persona (literalmente "máscara" : o "eu"? artificial) : você diz que eu não existo, que não tenho realidade ; você me compara a uma nuvem de fumaça, vapor, uma nuvem passageira, até uma miragem. Mas aqui estou eu.

ego relativo : Olha, há uma nuvem passageira !

persona : Então o que eu sou? ?

ego relativo : você é o resultado de todos os meus contatos com o ’não-eu’. Sua substância é a memória, também chamada de "energia do hábito", sua vitalidade é a tensão psíquica e você vive de afirmações e negações.

persona : Minha substância não é real ?

ego relativo : a memória não é real ; é como um reflexo ou eco daquilo que foi percebido e não é mais percebido - embora não tenha deixado de ser ; é uma imagem distorcida de uma percepção.

persona : Mesmo se eu não sou real, como você pode sustentar que eu não existo ?

ego relativo : porque você não é uma coisa em si. Você existe apenas no sentido coloquial de que tudo o que reconhecemos pode ser dito, portanto, como tendo uma aparência de existência. Você é uma avaliação, não uma realidade.

persona : No entanto, você e seus amigos passam muito tempo conversando sobre mim como se eu existisse. Você diz que o ego do tal e qual é cutuca como as cerdas de um porco-espinho, que tal outro tem um ego como um furúnculo no nariz, que um terceiro é ’um egoísta insuportável’. Você acabou de dizer que orgulho e humildade são meramente funções do ego, que quando eu sou poderoso, eles se manifestam como orgulho, e que quando sou fraco, eles se manifestam como humildade. Como eles podem ser uma função de algo que não existe ?

ego relativo : eles não existem como coisas em si mesmos, assim como você, e exatamente pela mesma razão ; assim como são apenas estimativas de uma função dependendo de você, você também é apenas uma manifestação funcional.

persona : Então eles são uma função de uma função ? O que é uma função ?

ego relativo : é definido como "uma quantidade dependente do valor de outra quantidade". Nenhuma função existe como uma coisa em si mesma.

persona : De que sou uma função ?

ego relativo : de mim.

persona : E o que, imploro, é vocês ?

ego relativo : Como Bodhidharma afirmou há muito tempo ao Imperador da China em resposta à mesma pergunta - eu não sei.

persona : Isso é uma qualificação para acusar outras pessoas de não existirem ?

ego relativo : Sou uma função de maya?. Quando a Realidade se refrata através do prisma do Tempo, e aparece na Mente? como manifestação em três dimensões - que é maya -, eu apareço como o núcleo desse assim chamado indivíduo.

persona : Por que o assim chamado ?

ego relativo : porque a palavra "indivíduo" significa aquilo que não é dividido, e a manifestação em questão é exatamente o oposto disso. Ele é um ’divíduo’, mas tem a aparência superficial da singularidade.

persona : Múltiplo ou solteiro, você é real pelo menos ?

ego relativo : Bons céus, não : sou relativo.

persona : Isso é um conforto.

ego relativo : pensando em si mesmo como sempre !

persona : Esse é o meu trabalho. Como você sabe que não é real ?

ego relativo : O Senhor Buda Bouddha
Buddha
Buda
boudhisme
buddhism
budismo
, no Sutra do Diamante, muitas vezes usou uma frase que era admiravelmente inclusiva. Aquilo que não deve ser concebido como realmente existente, ele denominou ’uma entidade do ego, uma personalidade, um ente ou uma individualidade separada’. Estamos todos nisso.

persona : Bem, qual é a diferença entre nós ?

ego relativo : cumpro uma função útil ; sem mim, esse suposto indivíduo se desintegraria, não poderia permanecer em manifestação.

persona : E eu ?

ego relativo : você é apenas um incômodo, um subproduto, uma doença, um mau cheiro. Eu só tenho que cortar as tensões psíquicas que são sua força vital, ou privá-lo das afirmações e negações nas quais você se alimenta, e você se dissolve como uma nuvem de fumaça, vapor ou nuvem no céu.

persona : Você tenta ! Eu sou forte ; eu sei como lutar e me proteger.

ego relativo : Bobagem, você é um palhaço, um ilusionista. Quando alguém cresce e vê através do mecanismo oculto de seus truques, e observa você realizando-os, você murcha e se encolhe como um balão que está estourado. Sua força é a de um valentão, mas você é apenas um estúpido. Você não tem nada substancial em nenhum lugar para mantê-lo unido. Você é apenas ar quente.

persona : Você pensa que é alguém apenas porque tem a Realidade atrás de si, anexada ao seu nome por um hífen.

ego relativo : Potencialmente eu sou a Realidade, mas enquanto estiver sobrecarregado com você, estou amarrado à percepção em três dimensões e só posso saber isso intelectualmente. Quando eu me livrar de você, estarei livre para dar uma virada - paravritti, que é chamado em sânscrito, a ’virada da mente’ - e viver de acordo com a necessidade cósmica, livre de conflitos, livre de todas as misérias que surgirem. através de suas travessuras. Serei capaz de rejeitar a relatividade.

persona : Não posso entrar nisso ?

ego relativo : nesse estado, não resta um senso de ’eu’, não há mais diferenciação entre um e outro. Como então você poderia participar ?

persona : Isso é tudo bobagem ; Vou ver se consigo encontrar um meio de me divertir. Eu existo bem do meu jeito.

ego relativo : Incorrigível ! Que maluco ! Você não conseguia entender, mas "existir" significa "dualisticamente" ; toda ideia de existência é dualística. É por isso que é irreal, porque nada existe na realidade - como Hui Neng nos disse. Mas "ser" está sempre em unicidade. E nada dualista (relativo) é.

Original

persona (literally ‘mask’ : the artificial ‘me’) : You say that I don’I exist, that I have no reality ; you liken me to a puff of smoke, vapour, a passing cloud, even a mirage. But here I am.

relative ego? : Look, there is a passing cloud !

persona : Then what am I ?

relative ego : You are the resultant of all my contacts with the ‘not-me’. Your substance is memory, also called ‘habit-energy’, your vitality is psychic tension, and you live on affirmations and negations.

persona : Is my substance not real ?

relative ego : Memory is not real ; it is like a reflection or echo of that which has been perceived and is no longer perceived — though it has not ceased to be ; it is a distorted image of a perception.

persona : Even if I am not real, how can you maintain that I do not exist ?

relative ego : Because you are not a thing-in-itself. You only exist in the colloquial sense that everything we recognise may be said therefore to have an appearance of existence?. You are an evaluation, not a reality.

persona : Yet you and your friends spend a lot of time talking about me as though I existed. You say that the ego of so-and-so sticks out like the bristles on a hedgehog, that such another has an ego like a boil on his nose, that a third is ‘an insufferable egoist’. You have just been saying that pride and humility are merely functions of the ego, that when I am powerful they manifest as pride, and that when I am weak they manifest as humility. How can they be a function of something that does not exist ?

relative ego : They do not exist as things-in-themselves just as you do not, and for precisely the same reason ; just as they are merely estimations of a function depending on you, so you also are just a functional manifestation. persona : So they are a function of a function ? What is a function ?

relative ego : It is defined as ‘a quantity that is dependent for its value on another quantity’. No function exists as a thing-in-itself.

persona : Of what am I a function ?

relative ego : Of me.

persona : And what, pray, are you ?

relative ego : As Bodhidharma stated long ago to the Emperor of China in reply to the same question — I do not know. persona : Is that a qualification for accusing others of not existing ?

relative ego : I am a function of maya. When Reality refracts Itself through the prism of Time, and appears in Mind as manifestation in three dimensions — which is maya — I appear as the nucleus of this so-called individual.

persona : Why so-called ?

relative ego : Because the word ‘individual’ means that which is undivided, and the manifestation in question is just the opposite of that. He is a ‘dividual’, but he has the superficial appearance of singularity.

persona : Multiple or single, are you real at least ?

relative ego : Good Heavens, no : I am relative. persona : That is a comfort.

relative ego : Thinking of yourself as usual !

persona : That is my job. How do you know that you are not real ?

relative ego : The Lord Buddha, in the Diamond Sutra, many times used a phrase which was admirably inclusive. That which must not be conceived as really existing he termed ‘an ego-entity, a personality, a being or a separated individuality’. We are all in that.

persona : Well, what is the difference between us ?

relative ego : I fulfill a useful function ; without me this so-called individual would disintegrate, could not remain in manifestation.

persona : And me ?

relative ego : You are just a nuisance, a by-product, a malady, a bad smell. I have only to cut off the psychic tensions which are your life-force, or deprive you of the affirmations and negations on which you feed, and you dissolve like a puff of smoke, vapour, or a cloud in the sky.

persona : You try ! I am strong ; I know how to fight and protect myself.

relative ego : Nonsense, you are a clown, an illusionist. When one grows up and sees through the tawdry mechanism of your tricks, and watches you performing them, you wilt and crumple up like a balloon that is burst. Your strength is that of a bully, but you are only a poor fish. You have nothing substantial anywhere in you to hold you together. You are just hot air.

persona : You think you are somebody just because you have Reality behind you, attached to your name by a hyphen.

relative ego : Potentially I am Reality, but as long as I am encumbered with you I am tied down to perception in three dimensions and can only know that intellectually. When I am rid of you I shall be free to turn round — paravritti it is called in Sanscrit, the ‘turning over of the mind’ — and live in accordance with cosmic necessity, free from conflict, free from all the miseries that come upon me through your antics. I shall be able to cast off relativity.

persona : Can’t I come in on that ?

relative ego : In that state there remains no sense of a ‘me’, there is no longer differentiation between one and other. How then could you participate therein ?

persona : That’s all ballyhoo ; I’m off to see if I can’I find a means of having a good time. I ‘exist’ all right in my own way.

relative ego : Incorrigible ! What a loutl You could not understand it, but to ‘exist’ connotes ‘dualistically’ ; all idea of existence is dualistic. That is why it is unreal, why nothing exists in reality — as Hui Neng told us. But ‘being’ is always in unicity. And nothing dualist (relative) is.


Voir en ligne : FINGERS POINTING TOWARDS THE MOON