Página inicial > Imaginal > Paraíso

Paraíso

segunda-feira 28 de março de 2022

    

VIDE: PARDES; Árvores do Paraíso   - ÁRVORES DO PARAÍSO; Jardim   do Éden - JARDIM DO ÉDEN; Eva Serpente   Maçã - EVA SERPENTE MAÇÃ; PARADEISOS

O jardim é uma memória do Jardim do Éden, do Paraíso. A Bíblia   acorda ao jardim uma significação simbólica importante. Este lugar privilegiado é um domínio   divino, uma «parte-Deus  », o signo   do poder regenerador e fecundante do Senhor.

Ezequiel menciona o jardim de Deus no Éden. Restaurado por Deus, a terra   devastada se torna paraíso. Deus é capaz de dessecar uma terra de idolatria e muito especialmente quando os cultos agrários pagãos afastam Israel   da fidelidade a seu Deus.

Isaías condena os cultos ímpios nos jardins, que são na realidade bosques sagrados onde se encontram ídolos. A cólera   de Deus era inevitável. Antes que a cólera divina não venha se abater sobre ela, a terra é um paraíso.

É em um jardim que Jesus   reúne seus discípulos, lugar mesmo passará por sua agonia. É em um jardim que se encontra o lugar de sua sepultura e que se produzirá a manifestação   do túmulo vazio  . Maria Madalena toma Jesus por um jardineiro.

Convém notar a importância do imaginário paradisíaco nas representação ao além bem-aventurado  . O Paraíso se tornou, para a tradição   judaica   e cristã, o lugar da glorificação dos homens julgados dignos de participar na Glória   Divina.

O «Paraíso» designava, na tradição cristã antiga, um jardim dotado de uma fonte que precedia a basílica. Encontra-se no centro   do claustro monástico. O «Paraíso» está na origem da palavra «parvis» que designa agora o lugar diante de uma catedral ou uma igreja   monumental. Este lugar há muito tempo guardou um certo caráter sagrado  .


PERENIALISTAS Frithjof Schuon  : PARAÍSO
PHILOKALIA   Gregório do Sinai: 137 sentenças diversas

O paraíso é duplo, sensível   e inteligível. Há o paraíso em Éden, e o paraíso da graça  . O lugar do Éden é muito elevado, o terceiro antes do céu, como aqueles que o descreveram disseram. É semeado por Deus de todas as espécies de plantas perfumadas. Não é nem totalmente incorruptível  , nem totalmente corruptível. Foi criado como um meio entre o corruptível e o incorruptível. Está sempre coberto de frutos, e não cessa de portar flores que se abrem, frutos verdes e frutos maduros. As árvores mortas e os frutos maduros são lançados à terra. Se tornam um solo perfumado, e não sentem a corrupção como as plantas de nosso mundo. Pois a superabundância e a santificação   da graça transbordam sempre neste lugar. O rio oceano que o atravessa e recebe a ordem   de regá-lo continuamente, saindo dele e se dividindo em quatro correntes, aporta e dá aos Indianos e aos Etiópios, em fluindo, o solo e as folhas caídas. O Pison e o Guihon reunidos recobrem sem seus campos, até que se separem de novo, regando um a Líbia e o outro o Egito  .


HASSIDISMO Reb Zalman Schachter: Excertos de «Fragmentos de um futuro pergaminho» Quando a alma   está pronta para entrar no Gan Eden («Paraíso», literalmente o «Jardim do Éden») ela precisa primeiro ser imersa no Rio de Luz, o qual escorre da fervente perspiração das Hostes Celestiais ao cantar a glória de Deus. A imersão é para esvaziar a alma das imagens da terra que restaram para que ela possa, sem mais ilusões, ver o paraíso como realmente é.

A alma primeiro entra no Gan Eden inferior  , que é um paraíso de bem-aventurança emocional. Enquanto está na terra, a maioria das pessoas não é capaz de sentir mais de uma emoção dominante de cada vez, mas a satisfação das almas no Gan Eden inferior é comparada a uma majestosa sucessão de emoções benignas que a alma sente em relação a Deus e as outras almas.

Na visão   chassídica (bem como na de Swedenborg) o paraíso é organizado em sociedades. Os que se interessam pela Torá   e os serviços divinos são reunidos para que possam servir o Seu Santo Nome segundo sua própria especialidade e individualidade. Cada sociedade celestial tem seu próprio rabino e é conduzida a um maior desenvolvimento. Portanto, o Gan Eden inferior é o paraíso do fervor das emoções.

Antes que a alma seja elevada do Gan Eden inferior ao superior, precisa novamente imergir no Rio de Luz para que esqueça e renuncie ao fervor das emoções pelas delícias de conhecer Deus através do entendimento. O servir a Deus com insight  , através do estudo da Torá e o amor à mente   é sua própria recompensa  . As sociedades do Gan Eden superior são organizadas em yeshivot (escolas) que atingem uma compreensão da Mente   Divina tal como está representada na Torá. A cada meia-noite, o Sagrado  , Abençoado Seja, aparece em pessoa   e entra no Gan Eden para deliciar e compartilhar de Sua Abençoada Sabedoria   com as pessoas justas que alcançaram o Gan Eden superior.

Nada de novo é ganho no paraíso. O balanço das mitzvot («mandamentos», «bênçãos», «bom karma  ») e da Torá na hora da morte é o que permanece com a pessoa após a morte. No paraíso a pessoa ganha somente um entendimento mais profundo e mais rico de sua vida na terra.