Página inicial > Antiguidade > Judaico-Cristandade > Gnosticismo > Pla (HTDV) – Sentido oculto do Pecado

El hombre templo de Dios vivo

Pla (HTDV) – Sentido oculto do Pecado

EVANGELHO DE TOMÉ

domingo 14 de agosto de 2022, por Cardoso de Castro

    

Evangelho de Tomé - Logion 44

    

Deve-se começar por entender o sentido oculto   do pecado  . Por ser Deus   a justiça e a lei, é assim mesmo a medida do justo e do injusto. Por isso, o que se intenta desde a concepção puramente religiosa que explica o evangelho, não é especialmente evitar de uma maneira direta que se cometa o pecado enquanto transgressão das medidas sagradas, embora isto seja importante, senão procurar que em cada homem   se revele sua medida própria. Cada homem emprega uma medida com a qual mede aos demais, ao mundo, a seu próprio ser, e é medido por ela; quando esta medida é não adequada à medida sagrada, o homem é um pecador, um transgressor da justiça; a medida real é sempre a medida sagrada, a verdadeira, a da justiça.

  • O vocábulo grego mais usado para a significação religiosa do pecado é hamartia que não coincide com as faltas contra o direito humano (adikia  )

A proclamação do evangelho consiste em essência   no propósito de retificar os caminhos do Senhor, para que enquanto Cristo   interior oculto, nasça o Senhor do Alto em cada homem e revele a cada um a medida verdadeira e exata de si mesmo  .

Esta é a medida sagrada que se opõe à injustiça, ao pecado e que uma vez descoberta põe em marcha a transformação   do homem assim regenerado, em um justo retorno (strepho) para Deus. Por isso diz Jesus: João veio a vós caminhando em justiça (Mt 21,32).

Com uma separação   do conceito tradicional do pecado que via como pecadores aos gentios não conhecedores dos mandamentos de Deus e não praticantes das normas rituais e cerimônias em uso, Jesus estende a noção   de pecador (hamartolos) a todo aquele que não nasceu do Alto.

  • Qualquer que é nascido de Deus não comete pecado; porque a sua semente   permanece nele; e não pode pecar, porque é nascido de Deus. (1Jo 3:9)

E por isso em certa ocasião pode dizer sem que apareça contraditor algum:

  • E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra   contra ela. (Jo 8:7)

Neste sentido profundo, superior do pecado, que vê em todo homem que não recebeu o segundo batismo que vem em Espírito, uma ausência de justiça, coincide Jesus com a Escritura. Paulo o recorda em sua exortação aos romanos.

  • Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. (Rom 3:10)

Os injustos, os pecadores não herdarão o Reino de Deus  .

  • Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? (1Co 6:9)

E como esse mal é o que pretende atacar o evangelho, Jesus se reúne com pecadores e explica a todos:

  • E Jesus, tendo ouvido isto, disse-lhes: Os sãos não necessitam de médico  , mas, sim, os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores ao arrependimento (metanoia  ). (Mar 2:17)

Em verdade, a chamada interior do Cristo ressoa para todos mas há enfermos irremissíveis que não ouvem o sopro do espírito   por ele impulsionado. Aqueles que concordam em ouvi-lo melhor são aqueles pecadores bem-aventurados, porque vislumbraram sob a trama espessa de sua ignorância de Deus, o tênue resplendor da fé e do conhecimento que revelará em sua consciência   a medida própria do si mesmo, do homem pneumático que cada um é realmente.

  • Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão saciados; (Mt 5:6)

Isso é o que diz Jesus quando o explica no evangelho a esse improvisado auditório de judeus   que em realidade somos, todos os homens, que recebe ainda uma conclusão do apóstolo.

  • Por isso vos disse que morrereis em vossos pecados, porque se não crerdes que eu sou  , morrereis em vossos pecados. (Jo 8:24)
  • e tudo o que não é de fé é pecado. (Rom 14:23)

Como todo complemento do pecado, o evangelho conhece o perdão, o qual em sua vertente profunda é liberdade na mesma proporção em que é escravidão o pecado. Na leitura programática da Boa Nova feita por Jesus em Nazaré como começo de sua predicação, anuncia abertamente a liberdade dos oprimidos, quer dizer, a liberação   da lei do pecado e da morte, de todos aqueles que estão afastados da vida em Cristo Jesus.

  • O Espírito do Senhor está sobre mim  , porquanto me ungiu para anunciar boas novas aos pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos, e restauração   da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, (Lc   4:18)
  • Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte. (Rom 8:1-2)

Ver online : Evangelho de Tomé