Página inicial > Imaginal > hagiasmos

hagiasmos

segunda-feira 28 de março de 2022

    

VIDE: AMIZADE  ; SANO; SAGRADO  , THEOSIS  , PAI   NOSSO


EVANGELHO DE JESUS  : SANTIFICADO SEJA VOSSO NOME; Rom 6:19-22; 1Co 1:30; 1Tess 4:3-7; 2Tess 2:13; 1Tim 2:15; Heb 12:14; 1Pe 1:2
Segundo Pierre Chantraine, para o entendimento desta noção   é preciso tomar um grupo de palavras: azomai, hagios  , agnos, etc. Começando pelo verbo azomai, temos aí uma arcaica noção, ainda presente   nas Tragédias Gregas, de «experienciar um temor respeitoso». Hagios, por sua vez, não é atestado nem em Homero  , nem em Hesíodo  , nem nas Tragédias. Com o sentido de «santo», «consagrado», a palavra exprime a interdição religiosa que se respeita, geralmente referida a lugares e coisas. Por sua vez, agnos é um adjetivo concorrente de hagios, que figura em Homero com o sentido de «santo». Dicionário Teológico do Novo Testamento  , Coenen, Beyreuther, Bietenhard hagios = santo, sagrado; hagiazo   = tornar santo, consagrar, santificar; hagiasmos = santidade, consagração, santificação; hagiotes = santidade; hagiosyne = santidade; hagiasma = santuário; hagiasterion = santuário. No âmbito do NT Deus   raramente é descrito como «Santo» e só uma vez Cristo é chamado «Santo» no mesmo sentido que Deus. A santidade é determinada doravante de conformidade com o Espírito Santo  , a dádiva   na nova era.

A esfera   apropriada do que é santo no NT não é o ritual mas a profecia  . O sagrado já não pertence a coisas, lugar - lugares ou rito - ritos, mas às manifestações da vida que o Espírito produz (Nascer do Alto).


PERENIALISTAS Roberto Pla  : Evangelho de Tomé - Logion 48 “Consagrados” significa separados para Deus, santificados.

Frithjof Schuon  : Schuon Pérolas Peregrino - PÉROLAS DE UM PEREGRINO  
A santidade é um sonho   do ego e a vigília (nepsis  ) da atman   - alma   imortal, do ego nutrido de impressões - impressões sensoriais e cheio de desejos (thymikon), e da alma (psyche) livre, cristalizada em Deus. A mim   mesmo - superfície móvel de nosso ser deve dormir e, por conseguinte, desapego   - retirar-se   das imagens e dos instintos, enquanto que o fundo do ser - fundo de nosso ser deve velar na Eu Sou   - consciência   do Divino e iluminar assim, como uma centelha - chama imóvel  , o silêncio (hesychia) do santo sonho.
A santidade é essencialmente a contemplatividade (theoria  ); é a intuição   da natureza espiritual das coisas; intuição profunda que determina a toda alma, logo a todo o Dasein   - ser do homem  .


CABALA   Adin Steinsaltz (Adin Even Yisrael): Steinsaltz Santidade - SANTIDADE
VEDANTA   Henri le Saux  : Henri le Saux Eremita - EREMITAS DE SACCIDANANDA Esse termo de santidade é em si mesmo   obscuro  , diversamente colorido, segundo as épocas e as religiões. Às vezes designa — e é esse, sem dúvida, o seu sentido arcaico — o aspecto proibido do sagrado, sua carga de «numinoso» [1], sua ambiguidade  ; outras vezes — em sentido conexo — o aspecto de desapego - separação   do quotidiano, do profano. Esse afastamento  , se é pensado explicitamente e até o fim, e não apenas sentido, guia   o espírito para a transcendência  , o Absoluto  . O Santo é o único e o incomunicável. E porque esse Um é «não predicável», é também o inefável.

Em seguida a santidade se identificou com o Bem — esse agathon   - tò agathón de Platão, situado «para além da essência  », noûs   - sol inteligível que amadurece os seres e os ilumina. Esse Bem, identificado pelos neoplatônicos ao Um do Parmênides   - «Parmênides» (ele próprio depuração dialética do Ser - ser sem fissura, sem não-ser, sem «outro», de Parmênides), será chamado «difusivo de si mesmo»: bondade incoercível que, por emanação   e como que inconscientemente [2] transborda — por degradações ontológicas hierarquizadas — em hypostasis   - hipóstases, em universos, em almas distintas...


SUFISMO Michel Chodkiewicz  : SELO DOS SANTOS

Traduzimos santo conforme o uso da palavra árabe wali, plural wali - awliya, da raiz WLY. De um ponto estritamente etimológico, os verdadeiros equivalentes dos termos santo ou santidade deveriam ser formados pela raiz árabe QDS, que expressa a ideia de pureza, inviolabilidade e assim corresponde ao grego hagios e ao latim sanctus (e hebreu qadosh); ou ainda à raiz HRM, que exprime uma noção distinta em princípio (aquela de «sacralização», que traduz o sagrado - hieros grego e o sacer latino) mas que na prática não distingue tanto de santidade. O sentido primeiro da raiz WLY é aquele de proximidade, de contiguidade; de onde derivam duas famílias de significação: «amizade - ser amigo», por um lado, «governar, dirigir, assumir» por outro. O wali é portanto o «amigo», aquele que está próximo mas também «aquele que assiste», aquele que rege.


GURDJIEFF  : RBN 25 - ASHIATA SHIEMASH Já te disse mais de uma vez, que pelo Comando Todo Mui Gracioso   de Nossa G Deus - INFINITUDE PAI COMUM ONIAMANTE, Mensageiro do Alto - Nossos Cósmicos Altíssimos Indivíduos Muito Mais Santificados por vezes atualizam dentro da presença comum - presença de alguns entes tricerebrais - entes tricerebrais terrestres, uma concepção definitiva de um Indivíduo sagrado a fim de ele, tendo se tornado um ente   terrestre com tal presença, possa aí in loco orientar-se e dar ao processo da existência-esseral ordinária deles uma tal direção nova correspondente, graças a qual, as consequências já cristalizadas das propriedades do Kundabuffer - órgão Kundabuffer, assim como as predisposições de tais novas cristalizações, possam talvez ser removidas das presença comum - presenças deles.

[1Cf. R. Otto, Le Sacré. O numinoso é, em si, fascinante e repulsivo, mortificante e vivificador.

[2Ou por criação, contingente segundo a essência, necessária segundo a existência em Avicena, em quem o Corão inclina para a criação a pseudo Teologia de Aristóteles: Cf. L. Gardet, La pensée religieuse d’Avicenne.