Página inicial > Imaginal > Wasserstrom – Alegoria para Scholem, Eliade e Corbin

Religion after Religion

Wasserstrom – Alegoria para Scholem, Eliade e Corbin

terça-feira 23 de agosto de 2022, por Cardoso de Castro

    

Excertos da tradução em português de Dimas David   Santos Silva, do livro de Steven Wasserstrom  , «Religion after Religion»

    

Eliezer Schweid e Susan Hendelman mostraram que, para Gershom Scholem  , a distinção goetheana entre símbolo e alegoria   ‘tem o status de um princípio metodológico’. Não fica claro se Scholem ou Benjamin teve primeiro a ideia. De acordo com David   Biale, Benjamin tomou primeiro a ideia de Goethe  . Jeffrey Mehlman observa que:

... a disjunção introduzida através da alegoria na estrutura   do símbolo é talvez a intuição   central da tese de Benjamin sobre a Origem   da Tragédia alemã. Onde O’ homem   é carregado em direção   ao símbolo, a alegoria emerge das profundezas do ser para interceptar a intenção   e para triunfar sobre a mesma.

Parece que Benjamin renegou a alegoria, rejeitando a simbologia romântica de Scholem. No final, eles divergiram, ainda que concordassem quanto à importância geral do problema.

Como já observei, Jung   disse algo similar, que o símbolo só pode ser traduzido em outro símbolo. Eliade   notou simplesmente que o símbolo ‘não pode ser sempre traduzido em conceitos’. Paul Ricoeur   desenvolveu este ponto em seu Simbolismo do Mal, um livro explicitamente calcado em Eliade.

Símbolo e alegoria, portanto, não estão no mesmo caminho  : o símbolo origina a hermenêutica; as alegorias já são hermenêutica. Isto é assim porque o símbolo apresenta seu significado transparentemente, de um modo inteiramente diferente da simples tradução. ... Ele apresenta seu significado na transparência opaca de um enigma   e não pela tradução. Daí eu coloco, de um lado, a doação do significado em trans-aparência dos símbolos, com a interpretação   por tradução das alegorias.

Embora Scholem e Eliade tenham sido unânimes em relação ao contraste alegoria/símbolo, foi Henry Corbin   quem devotou suas amplas energias filosóficas a articular sua necessidade  . Em sua defesa definitiva do mundus imaginalis  , ele fez isto tão poderosamente quanto o faria com qualquer parte de seu corpo:

A atitude atual é opor o real ao imaginário, bem como ao não real, o utópico, ou seja, confundir símbolo com alegoria, confundir a exegese do senso espiritual com uma interpretação alegórica. No entanto, qualquer interpretação alegórica não faz mal nenhum; a alegoria é uma cápsula, ou melhor, um disfarce de alguma coisa que já é de conhecimento de outra maneira, embora a aparência de uma Imagem que tem a qualidade   de um símbolo é um fenômeno original Urphänomen, incondicional e irreduzível, com aparência de algo que não consegue se manifestar de outra maneira no mundo em que estamos.

Ele reiterou este credo simbológico, definido por sua ardente oposição à alegoria, por toda a sua obra, tanto que se pode dizer que criou uma filosofia esotérica das formas simbólicas sem paralelo neste século. Dada a negligência de comparações em que parece ter caído, talvez valha a pena   citar algumas de suas reflexões que encerram uma certa importância:

O símbolo não é um signo   artificialmente construído; ele floresce na alma   espontaneamente para anunciar algo que não pode ser expresso de outra maneira; é a expressão   única da coisa simbolizada como de uma realidade que assim se torna transparente para a alma, mas que em si transcende toda expressão. Alegoria é uma figuração mais ou menos artificial de generalidades ou de abstrações que são perfeitamente reconhecidas ou expressas de outra maneira. O exegeta deve tomar cuidado   para não fechar para si mesmo   a estrada para o símbolo, que leva para fora deste mundo.

Para o leitor francamente exotérico, o que parece ser o verdadeiro senso é a leitura literal. O que alguém lhe propõe como o senso espiritual parece a ele o senso metafórico, como uma alegoria que ele confunde com o símbolo. Para o esotérico e o oposto: o assim chamado senso literal é apenas uma metáfora (majâz). O verdadeiro senso (haqiqat) é o evento que esta metáfora encerra.

A diferença   entre ‘símbolo’ e o que hoje é geralmente denominado ‘alegoria’ é simples de dimensionar. Uma alegoria permanece no mesmo nível da evidência e da percepção, enquanto um símbolo garante a correspondência entre dois   universos que pertencem a diferentes níveis ontológicos: é o meio, e o único, de penetrar no invisível  , no mundo do mistério, na dimensão esotérica.

Alegoria é racional, permanece com seu significado em planos idênticos de consciência  , enquanto o símbolo anuncia um plano de consciência distinto da evidência racional; é a chave de um mistério, o único meio de dizer alguma coisa que não pode ser apreendida de outra maneira; um símbolo nunca é explicado completamente, mas deve ser decifrado continuamente, assim como uma partitura musical nunca é decifrada totalmente, mas pede sempre nova execução.

Corbin, dos três historiadores da religião (Scholem, Eliade e Corbin), desenvolveu a teoria esotérica de simbolismo mais completa e mais sofisticada.


Ver online : Steven Wasserstrom