PhiloSophia

PHILO = Apreço + SOPHIA = Compreensão

Version imprimable de cet article Version imprimable

Accueil > Oriente > Tradição do Buda > David Loy : o "eu" que me conto...

THE WORLD IS MADE OF STORIES

David Loy : o "eu" que me conto...

Prefácio

mercredi 4 avril 2018

Excerto traduzido do Prefácio de David Loy, THE WORLD IS MADE OF STORIES.

nossa tradução

Aquele que medita conhece os avisos : "Não? se apegue a conceitos? !" Devemos deixá-los ir porque distorcem nossas percepções. No entanto, os conceitos em si são fragmentos, significativos como partes de estórias. O problema? não são as próprias estórias, mas como nos relacionamos com elas. Não vemos nossas estórias como estórias porque vemos através delas : o mundo? que experimentamos como realidade? é construído? com elas.

O fato? de o mundo ser? feito de estórias é consistente com o que o budismo? diz sobre a situação? humana e como ele pode ser resolvido. A estória fundamental que contamos e recontamos é o eu?, supostamente separado e substancial?, mas composto? pelas estórias que “eu” me identifico e tento viver. Estórias diferentes têm consequências diferentes. O karma não é algo que o eu tem, mas o que o senso? de eu se torna quando desempenhamos nossos papéis nas estórias percebidas como reais. À medida? que esses papéis se tornam habituais, as tendências mentais se congelam e nós nos ligamos sem amarras.

Se o eu é feito de estórias, o que isso implica em sua morte? ? Se o mundo é feito de estórias, o que isso implica em seu vazio?, o que o budismo chama de shunyata ? Nossas estórias obscurecem um? desejo? de poder que subjaz e motiva o que fazemos, ou o próprio? poder é uma estória de tela para outra coisa? ? Se a ilusão? está presa às armadilhas da atenção?, e a iluminação? libera a consciência?, o caminho espiritual envolve encontrar a estória correta, livrar-se das estórias ou aprender a contar estórias de uma nova maneira ?

Original

Those who meditate are familiar with the warnings : “Don’t cling to concepts !” We should let them go because they distort our perceptions. Yet concepts in themselves are fragments, meaningful as parts of stories. The problem is not stories themselves but how we relate to them. We do not see our stories as stories because we see through them : the world we experience as reality is constructed with them.

That the world is made of stories is consistent with what Buddhism says about the human? predicament and how it can be resolved. The foundational story we tell and retell is the self, supposedly separate and substantial yet composed of the stories “I” identify with and attempt to live. Different stories have different consequences. Karma is not something the self has but what the sense of self becomes, when we play our roles within stories perceived as real?. As those roles become habitual, mental? tendencies congeal and we bind ourselves without a rope.

If the self is made of stories, what does that imply about its death ? If the world is made of stories, what does that imply about its emptiness, what Buddhism calls shunyata ? Do our stories obscure a craving for power that underlies and motivates what we do, or is power itself a screen-story for something else ? If delusion is awareness stuck in attention-traps, and enlightenment liberates awareness, does the spiritual path involve finding the correct story, or getting rid of stories, or learning to story in a new way ?


Voir en ligne : THE WORLD IS MADE OF STORIES