Página inicial > Imaginal > noesis

noesis

segunda-feira 28 de março de 2022

    

VIDE: NOUS; LOGOS  ; NOEMA  ; DIANOIA


Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento   — Coenen & Brown

O verbo noeo de Homero   em diante originalmente significava «perceber com entendimento», e incluía as impressões dos sentidos e da mente  . Na filosofia de Parmênides  , o pensamento e o ser   ficam sendo quase idênticos. Um tema que tem significância para o pensamento grego é «homoion homoio   noeitai», «o semelhante é conhecido pelo seu igual». A divindade   é conhecida a si mesma.

No AT (LXX) noeo interpreta, juntamente com syniemi e ginosko, as várias formas do hebreu bin, «observar  », «notar», «entender», ou o hebreu sakal, «entender». O órgão típico do entendimento no AT é o coração  .

No NT noeo significa «perceber», «reconhecer» num sentido religioso, com especial referência a Deus  , aos Seus atos e à Sua vontade. A justaposição de noeo e kardia mostra que noeo é uma atividade   do coração, um reconhecimento espiritual (Jo 12,40). O invisível   é percebido, mas não numa visão mística: pelo contrário, a expressão   visível é excogitada, num tipo de reflexão   que leva da criação para o Criador. O invisível é encarado como algo que se reconhece. A expressão «quem lê, entenda» (Mt   24,15), conclama o leitor a entender corretamente o texto, empregando noeo no sentido de entendimento do plano divino de salvação  .


Philokalia   Versão Inglesa Não é conceito abstrato ou imagem visual, mas o ato ou função do intelecto (nous) pelo qual este apreende as realidades espirituais de maneira direta.

Nicetas Stethatos  
Assim como no corpo existem cinco   sentidos - visão, audição  , paladar, olfato e tato   - também na alma   existem cinco sentidos: intelecto (nous), razão (dianoia), percepção noética (phantasia  ), conhecimento intuitivo (gnosis) e percepção cognitiva (aisthesis  ). Estes estão unidos em três atividades psíquicas: intelecção, raciocínio e percepção noética. Por meio da intelecção apreendemos as intenções espirituais, por meio do raciocínio interpretamo-las, e através da percepção noética apreendemos imagens de insight   divino e conhecimento espiritual (gnosis). Da Prática das Virtudes (Philokalia-en)

Elias Ekdikos  
Como Máximo o Confessor faz uma clara distinção entre «pensamento» ao nível discursivo e racional, e «intelecção», compreendida como apreensão não-discursiva da verdade espiritual (Antologia - Parte III - Philokalia-en):

1. O homem   de conhecimento espiritual (gnosis) deve reconhecer quando o intelecto está no reino da intelecção, quando está no do pensamento (dianoia) e quando está no percepção-sensorial (aisthesis). Em em cada caso deve reconhecer se lá está na hora certa ou errada.

2. Quando o intelecto não está no reino da intelecção, está geralmente no do pensamento. E quando está no reino do pensamento, não está no da intelecção. Mas quando está no reino da percepção-sensorial, está associado de todos os modos   com as coisas visíveis e materiais.

3. Por meio da intelecção o intelecto (nous) alcança as realidades espirituais; através do pensamento a razão apreende o que é racional. A percepção-sensorial está envolvida com realidades práticas e materiais por meio da fantasia (phantasia).

4. Quando o intelecto está concentrado em si, não contempla nem objetos da percepção-sensorial nem aqueles da faculdade racional; ao contrário, contempla intelectos puros e raios   da luz divina fluindo com paz   e alegria  .

5.A intelecção de um objeto é uma coisa, a apreensão racional deste objeto é outra, e o objeto percebido é uma terceira. A primeira constitui a essência  , a segunda é um atributo da essência e a terceira compreende a matéria subjetiva distintiva.

21. O homem de conhecimento espiritual (gnosis) é aquele que desce do reino da intelecção para aquele da percepção-sensorial de maneira sublime e que ascende sua alma ao céu com humildade   (tapeinophrosyne).


Perenialistas Andre Allard - Allard l’Olivier  : L’ILLUMINATION DU COEUR A intelecção é a operação pela qual, intelecto agente   - enquanto agente (em ato), o intelecto detecta e abstrai a inteligibilidade contida em potência na imagem, de sorte tal que, fecundado pela determinações inteligíveis assim abstraídas, o mesmo intelecto, mas desta vez intelecto possível - enquanto possível (em potência) se atualiza produzindo um conceito verbal que exprime esta inteligibilidade. Estes dois   aspectos do intelecto não são contraditórios, poisnão é sob a mesma relação que o intelecto é, de um lado, agente, e de outro, possível: em ato, opera a extração das determinações inteligíveis, o que quer dizer que faz que o objeto, então reduzido ao estado   de imagem (impressão - espécie impressa) esteja em seguida presente   na inteligência por sua espécie inteligível (não é a espécie inteligível do objeto que está na inteligência, mas o objeto ele mesmo por sua espécie inteligível); em potência, ele recebe a espécie inteligível desprendida pelo inteleto agente e, fecundada por ela, passa ao ato em produzindo um conceito mental que exprime (espécie expressa) a inteligibilidade que recebeu. E é necessário que produza um conceito mental — outro, desta vez, que o objeto; pois, na ausência desta atividade  , a inteligência não seria senão uma placa onde os inteligíveis viriam se imprimir: ela seria desprovida desta vida ativa de que é animada a vida judicativa e discursiva que tem precisamente por raiz a apreensão dos conceitos, a qual é completa na medida onde inclui a ação produtiva que acaba de ser questão. Assim, o intelecto possível m ato - passa ao ato; e na medida onde se torna ativo, toma o nome de intelecto adquirido (intellectus adeptus).
Filosofia Platonismo  : VOCABULÁRIO DE PLATÃO; [http://hyperlexikon.hyperlogos.info/modules/lexico/entry.php?entryID=225">TRADIÇÃO FILOSÓFICA GREGA

Martin Heidegger  : [http://hyperlexikon.hyperlogos.info/modules/wordbook/search.php?option=1&term=noesis">NOESIS