Página inicial > Antiguidade > Fedro 260a-262c — A Retórica

Fedro 260a-262c — A Retórica

quinta-feira 24 de março de 2022

      

SÓCRATES: - Examinemos, pois, essa afirmação.

FEDRO  : - Sim.

SÓCRATES: - Imagina que eu procuro persuadir-te a comprar um cavalo para defender-te dos inimigos, mas nenhum dos dois   saiba o que seja um cavalo; eu, porém, descobri por acaso uma coisa: "Para Fedro, o cavalo é o animal   doméstico que tem as orelhas mais compridas"...

FEDRO: - Isso seria ridículo, querido Sócrates  .

SÓCRATES: - Um momento. Ridículo seria se eu quisesse seriamente persuadir-te a que escrevesses um panegírico do burro, chamando-o de cavalo e dizendo que é muitíssimo útil comprar esse animal para o uso doméstico, bem como para expedições militares; que ele serve para montaria de batalha  , para transportar bagagens e para diversos outros misteres.

FEDRO: - Isso seria ainda ridículo.

SÓCRATES: - Um amigo que se mostra ridículo não é preferível a quem se revela como perigoso e nocivo?

FEDRO: - Não há dúvida.

SÓCRATES: - Quando um orador, desconhecendo o que seja a natureza do bem e do mal, encontra os seus concidadãos na mesma ignorância e os persuade, não a tomar a sombra   de um burro por um cavalo, mas o mal pelo bem; quando, conhecedor dos preconceitos da multidão, ele a impele para o mau caminho - nesses casos, a teu ver, que frutos a retórica poderá recolher daquilo que ela semeou?

FEDRO: - Não pode ser muito bom fruto  .

SÓCRATES: - Mas vejamos, meu caro: não teremos nós sido muito rigorosos em nossas censuras contra a arte retórica? Pode suceder que ela responda: "que estais a tagarelar, homens ridículos? Eu não obrigo ninguém - dirá ela - que ignore a verdade   a que aprenda a falar. Mas aquele que seguir o meu conselho tratará de adquirir primeiro os conhecimentos acerca da verdade para, depois, se dedicar a mim. Mas uma coisa posso afirmar   com orgulho  : sem as minhas lições, a posse da verdade de nada servirá para persuadir".

FEDRO: - E não teria ela razão   dizendo isso?

SÓCRATES: - Reconheço que sim, desde que os argumentos usuais provem que de fato a retórica é uma arte; mas, se não me engano, tenho ouvido algumas pessoas atacá-la e provar que ela não é arte, mas sim um negócio que nada tem que ver com a arte. O lacônio declara: "não existe arte retórica propriamente dita sem o conhecimento da verdade, nem haverá jamais tal coisa".

FEDRO: - Para demonstrá-lo, ó Socrates, será necessário apresentar esses argumentos. Traze-os aqui, e vejamos o que eles dizem!

SÓCRATES: - Vinde, nobres criaturas! Convencei a Fedro, pai   de belos filhos, de que, se não estudar convenientemente a filosofia, não poderá dissertar sobre coisa alguma! Mas tu, Fedro, responde!

FEDRO: - Pergunta.

A oratória

SÓCRATES: - Não te parece que a retórica seja a arte de dirigir as almas por meio de palavras, não só nos tribunais e outras reuniões públicas, mas também entre particulares, tanto nos grandes como nos pequenos assuntos? Não te parece ser tão louvável empregá-la, assim como deve ser empregada, nos negócios importantes como nos de pouca monta? Não é o que tens ouvido dizer sobre este assunto?

FEDRO: - Não é bem isso, por Zeus  ! Acima de tudo, fala-se e escreve-se com arte nos julgamentos e nas assembleias do povo. Quanto ao mais, nunca ouvi qualquer referência.

SÓCRATES: - Acaso não ouviste falar nas regras de retórica que Nestor e Ulisses escreveram perto de Ílion durante suas folgas? Não te falaram, também, das regras de Palamedes?

FEDRO: - Por Zeus que não! Nem das de Nestor e de Ulisses, a não ser que o teu Nestor seja Górgias e Trasímaco e Teodoro um Ulisses.

SÓCRATES: - Talvez. Mas deixemos de lado esses homens. Dize-me tu: como procedem nos tribunais os advogados dos litigantes? Não contradizem um ao outro? Ou não será bem assim?

FEDRO: - É exatamente assim.

SÓCRATES: - Eles contradizem pois um ao outro a respeito do justo e do injusto?

FEDRO: - Sim.

SÓCRATES: - E quem fizer isso com arte não conseguirá que a mesma coisa pareça aos mesmos homens ora justa, ou injusta, como melhor lhe convier?

FEDRO: - Sim.

SÓCRATES: - E nas assembleias do povo ele não conseguirá que que mesma coisa pareça aos cidadãos do Estado  , por vezes boa e outras má?

FEDRO: - É justamente o que sucede.

SÓCRATES: - Não sabemos nós que o Palamedes eleático falava com tanta arte que a mesma coisa parecia aos seus ouvintes semelhante e dessemelhante, unidade   e diversidade, imóvel   e em movimento?

FEDRO: - Sim, sabemos.

SÓCRATES: - Ora, não só em tribunais e nas assembleias do povo há discussões e contradições; em toda sorte de discursos a arte, caso exista, deve ser a mesma, permitindo que tudo se possa comparar e lançar luz sobre as comparações, tornar claro o que o adversário procura   confundir ou obscurecer.

FEDRO: - Como a entendes tu, Sócrates?

SÓCRATES: - Nossa indagação vai esclarecê-lo. Entre quais coisas é mais fácil que haja engano: nas que diferem muito ou pouco entre si?

FEDRO: - Nas que diferem pouco.

SÓCRATES: - E o engano será menos notado se passarmos gradualmente de uma causa   para o seu contrário, do que se o fizermos de um só salto?

FEDRO: - Evidentemente.

SÓCRATES: - Pois bem: quem quer iludir alguém, sem se deixar iludir, deve conhecer com exatidão e detalhadamente a semelhança   e dessemelhança dos objetos.

FEDRO: - Sim.

SÓCRATES: - Um homem   que não conhece as verdadeiras qualidades de cada coisa será capaz de perceber a maior ou menor semelhança entre um objeto desconhecido   e os que já lhe são familiares?

FEDRO: - É impossível.

SÓCRATES: - Torna-se pois evidente   que aqueles cuja opinião   não corresponde à realidade   e que têm dela conceito errôneo, caem em tal erro   porque foram iludidos por certas semelhanças.

FEDRO: - Sim, claro.

SÓCRATES: - E se um homem ignorar as verdadeiras qualidades das coisas não poderá passar pouco a pouco da realidade ao seu contrário, utilizando a sua arte por meio de semelhanças. Ou ser-lhe-á possível defender-se contra isso?

FEDRO: - Nunca.

SÓCRATES: - Logo, meu caro amigo, quem não conhece a verdade, mas só alimenta opiniões, fará naturalmente da arte retórica uma coisa ridícula que não merece o mome de arte.

FEDRO: - Parece que sim.