Página inicial > Medievo - Renascença > Mestre Eckhart (1260-1327) > Ancelet-Hustache (S1:57-58) – Eckhart - Sermão 3

Sermons I

Ancelet-Hustache (S1:57-58) – Eckhart - Sermão 3

Mestre Eckhart - Sermão III - Resumo

terça-feira 11 de outubro de 2022, por Cardoso de Castro

      

Excerto   de « Sermons I » (p. 57-58). Trad. e notas de Jeanne Ancelet-Hustache  .

      

No sermão 3, trata-se novamente do conhecimento e da vontade que unem a alma   a Deus  .

Como Josef Quint aponta, Eckhart   geralmente usa um dos termos intimamente relacionados verstantnisse (bekantnisse), vernünfticheit (vernunft  ) quando quer colocá-los em oposição à vontade. No início do sermão 3, pelo contrário, ele atribui um papel diferente para bekantnisse (conhecimento) e vernünfticheit (intelecto). O conhecimento abre caminho  , avança, traz o intelecto ao puro ser, isto é, ao Deus sem véu, a Divindade  . O conhecimento (bekantnisse) é uma princesa, dirá o pregador um pouco mais adiante, parecendo identificá-lo bem com o intelecto, pois atribui aqui apenas ao conhecimento (bekantnisse) os papéis que antes dividia entre o conhecimento (fazer o avanço) e o intelecto (encontrar Deus sem véu). E como se lamentasse ter dado pouco espaço ao testamento, Eckhart acrescenta: “...ele (o conhecimento) então diz ao seu companheiro o testamento o que ele já teve o testamento antes, porque o que eu quero, eu procuro. .."

Apesar de alguma hesitação em termos, o pensamento de Eckhart permanece legível: é o conhecimento que apreende a unidade   de Deus, não a vontade.

Os mestres ensinam que o anjo   é o mais próximo de Deus (anjo significa aquele que carrega uma mensagem), por isso ele é enviado à alma para trazê-la de volta à "primeira imagem", a imagem original, Deus, onde todas as coisas são uma.

Algumas linhas depois, Eckhart insiste nessa união  : a alma se estabelece na primeira pureza  , na impressão   da essência pura, onde ela prova Deus antes que assuma a verdade ou a cognoscibilidade..., isto é, sem seus atributos: Sabedoria  , Justiça, Bondade e outros, mas onde está "diû gotheit", a Divindade.

Um parágrafo do sermão estabelece uma espécie de controvérsia entre "os mestres" que pensam que o conhecimento adquirido aqui embaixo permanecerá na eternidade  , e São Paulo   que o nega; mas, pensa Eckhart, mesmo que esse conhecimento permaneça, será como um (toerinne) sem sentido, comparado à pura verdade que será dada lá em cima, pois tudo o que vemos aqui sujeito   a mudanças será lá imutável   e próximo, presente   e fora do tempo.

Uma sentença de Nunc scio vere... provocou a ira   dos censores de Colônia (Segunda Acusação  ). Eles traduziram uma frase que ocorre duas vezes em nosso sermão da seguinte forma: Omne quod est, hoc est deus (tudo o que é é Deus), o que a faz soar distintamente panteísta, enquanto o original — swaz em gote ist, daz ist got — (tudo o que está em Deus é Deus) oferece apenas uma banalidade de escolástica. E, diz Josef Quint, a tradição manuscrita é unânime quanto às duas citações. Aqui temos mais evidências de como foram realizados os ataques ao Mestre Eckhart.


Ver online : MESTRE ECKHART – SERMÕES