Página inicial > Modernidade > LusoSofia > Ferreira da Silva (TM:76-78) — imaginação

TRANSCENDÊNCIA DO MUNDO

Ferreira da Silva (TM:76-78) — imaginação

Liberdade e Imaginação

sexta-feira 7 de janeiro de 2022, por Cardoso de Castro

      

FERREIRA DA SILVA  , Vicente. Transcendência   do Mundo. São Paulo: É Realizações, 2010, p. 176-178

      

Em todos os campos das formações culturais, assistimos a essa transfiguração do simplesmente dado a uma livre transformação   do material encontrado. Não só, entretanto, nas produções objetivas da cultura deparamos com esse trabalho   da fantasia  , mas, no mesmo grau, vislumbramos esse poder na vida psicossomática. O nosso corpo, enquanto aparato expressivo fisionômico, o que é senão o teatro   de uma contínua atividade   imaginativa?

As mãos e o rosto oferecem a esse respeito oportunidades para desenvolvimentos dramáticos e expressivos, os mais surpreendentes. A fantasia das mãos e do rosto, a fantasia coreográfica do nosso corpo, constitui a livre disponibilidade para comunicações sociais e culturais inacessíveis a outros tipos de linguagem. Podemos dizer em princípio que nada se furta à profunda operação formativa da imaginação, constituindo essa o poder soberano da existência. O que denominamos liberdade, a noção   e a realidade   de autodeterminação da consciência  , está essencialmente ligada à facultas imaginandi. É, no fundo, a imaginação que desdobra diante de nós as diversas alternativas de uma dada situação  , o território opcional onde pode aprofundar-se a nossa escolha  . O domínio   de jogo   das nossas possibilidades de ação nasce da prospecção operada pela consciência e pela fantasia das diversas fases e aspectos de uma dada conjuntura. Ninguém pode ser livre enquanto simples coisa solidária e consecutiva em relação   ao conjunto   do dado. Ser livre significa um ir-além-de-si-mesmo, um dépassement do conjunto do já realizado e do já dado. Ora, esse dépassement nasce da estrutura   projetivo-imaginativa da consciência ou, como afirma Herman Glockener, da “idealidade” ou da referência aos possíveis do nosso “Eu”. [1] O próprio   conhecimento [176] das coisas que nos rodeiam, a própria percepção ou representação dos objetos circundantes nos remete a uma contínua abertura de virtualidades de conhecimentos e ação, na prospecção imaginativa das ações possíveis que se estampam e delineiam no perfil do percebido. Nesse sentido as próprias coisas já são “imagens” enquanto nos devolvem continuamente, como imagens refletidas e na forma de meios e utensílios, às potencialidades dormentes de uma ação; e quem diz ação na escala humana refere-se ao cumprimento de finalidades ou teleologias bosquejadas pelo Eu cultural. A potência criadora da imaginação que transforma o nosso corpo num aparato semântico, transforma uma acepção universal   e total, o universo   das coisas ou pré-coisas, num universo apropriado e possuído   pelo Espírito  . A imaginação é nesse sentido um processo de transcendência   e ação. “Todo o nosso desenvolvimento”, afirma Nietzsche  , “é percebido por uma imagem ideal, produto de nossa imaginação; a evolução verdadeira é-nos desconhecida. Nós somos constrangidos a traçar essa imagem”. [2] Na concatenação profunda do pensamento   de Nietzsche, a potência da imaginação criadora representa um papel filosófico primordial. A vontade de poder, realidade última das coisas, “fato último ao qual nós podemos aceder”, é para ele uma vontade de plasmação artística, é um aperfeiçoamento   total das coisas pela vis poetica, pela subjetividade artístico-metafísica.

Essa força não é para ele um apanágio humano, não está centrado no homem  , como podemos depreender desses enunciados do filósofo: “A subjetividade do universo não é uma subjetividade antropomórfica, mas cósmica, nós somos os personagens que passam no sonho   de um deus   e que se tornam o que ele sonha”. Essa subjetividade não poderia ser, segundo Nietzsche, vinculada ao eu humano, desde que o próprio sujeito, o Ego, a alma  , não são para ele senão ficções, criações, representações fluidas no vir a ser   histórico. Para Nietzsche o [177] próprio Eu (Ich, Selbst) é posto pelo pensamento ou imaginação macroscópica que interpreta e projeta o mundo.


[1Cf. “Zum Freiheits Problem, Meditationen.” ln: Zeitschrifffur Philosophische Forschung, Band XIV, Heft 4, oktober-dezember 1960, p. 553-570. (N. A.)

[2Nietzsche, La Volonté de Puissance: I. Texto de F. Wurzbach. Trad. de G. Bianquis. Paris, Gallimard, 1942. (N. A.)