Página inicial > Filosofia da Ciência e da Técnica > Hume (IEH:53-61) – causa e efeito

Investigações sobre o entendimento humano e sobre os princípios da moral

Hume (IEH:53-61) – causa e efeito

Seção 4 - Dúvidas céticas sobre as operações do entendimento

segunda-feira 15 de novembro de 2021

HUME  , David  . Investigações sobre o entendimento humano e sobre os princípios da moral. São Paulo  : Editora UNESP, 2004, Seção 4, Parte I

português

1 Todos os objetos? da razão ou investigação humanas podem ser naturalmente divididos em dois? tipos?, a saber?, relações de ideias? e questões de fato?. Do primeiro? tipo são as ciências da geometria?, álgebra e aritmética, e, em suma?, toda afirmação que é intuitiva? ou demonstrativamente certa. Que o quadrado da hipotenusa é igual? ao quadrado dos dois lados é uma proposição que expressa uma relação entre? essas grandezas. Que três veges cinco é igual à metade de trinta expressa uma relação entre esses números. Proposições desse tipo podem ser descobertas pela simples? operação do pensamento?, independentemente do que possa existir? em qualquer parte? do universo?. Mesmo que jamais houvesse existido um círculo ou triângulo na natureza?, as verdades demonstradas por Muclides conservariam para sempre sua certeza? e evidencia.

2 Questões de fato, que são o segundo tipo de objetos da razão humana, não são apuradas da mesma maneira, e tampouco nossa evidência de sua verdade?, por grande que seja, é da mesma natureza que a precedente. O contrário de toda questão de fato permanece sendo? possível, porque não pode jamais implicar contradição, e a mente? o concebe com a mesma facilidade e clareza, como algo perfeitamente ajustável à realidade?. Que o sol? não nascerá amanhã não é uma proposição menos inteligível nem implica mais contradição que a afirmação de que ele nascerá; e seria vão, portanto, tentar demonstrar? sua falsidade?. Se ela fosse demonstrativamente falsa, implicaria uma contradição e jamais poderia ser distintamente concebida pela mente.

Assim, pode ser um assunto digno de interesse? investigar? qual é a natureza dessa evidência que nos dá garantias quanto a qualquer existência real? de coisas? e qualquer questão de fato, para além do testemunho? presente? de nossos sentidos? ou dos registros de nossa memória. Observe?-se que tanto os antigos como os modernos? pouco cultivaram essa parte da filosofia?, e isso torna mais desculpáveis nossos erros e hesitações ao empreendermos uma investigação tão importante, percorrendo trilhas tão difíceis sem nenhum guia ou orientação. Esses erros podem até mesmo? revelar?-se úteis, estimulando a curiosidade? e abalando aquela fé e segurança irrefletidas que são a ruína de todo raciocínio e de toda investigação imparcial. A descoberta? de defeitos na filosofia ordinária, se os houver, não atuar?á, presumo, como um desencorajamento, mas antes como um estímulo, como é usual, para buscarmos algo mais pleno e satisfatório do que o que se tem até agora? proposto ao público.

Todos os raciocínios referentes a questões de fato parecem fundar-se na relação de causa e efeito?. É somente por meio dessa relação que podemos ir além da evidência de nossa memória e nossos sentidos. Se perguntássemos a um homem? por que ele acredita em alguma afirmação factual acerca de algo que está ausente? — por exemplo?, que seu amigo? acha-se no interior?, ou na França —, ele nos apresentaria alguma razão, e essa razão seria algum outro fato, como uma carta recebida desse amigo ou o conhecimento? de seus anteriores compromissos? e resoluções. Um homem que encontre um relógio ou qualquer outra máquina em uma ilha deserta concluir?á que homens estiveram anteriormente nessa ilha. Todos os nossos raciocínios relativos? a fatos são da mesma natureza. E aqui se supõe invariavelmente que há uma conexão entre o fato presente e o fato que dele se infere. Se nada? houvesse que os ligasse, a inferência seria completamente incerta. Por que a audição de uma voz articulada e de um discurso? com sentido na escuridão nos assegura da presença de alguma pessoa?? Porque esses são os efeitos da constituição e do feitio do ser humano, e estão intimamente conectados a ele. Se dissecarmos todos ós outros raciocínios dessa natureza, descobriremos que eles se fundam na relação de causa e efeito, e que essa relação se apresenta como próxima ou remota, direta ou colateral. Calor e luz? são efeitos colaterais do fogo?, c um dos efeitos pode ser legitimamente inferido do outro.

5 Assim, se quisermos nos convencer? quanto á natureza dessa evidência que nos assegura quanto a questões de fato, devemos investigar como chegamos ao conhecimento de causas? e efeitos.

6 Arrisco-me a afirmar, a título de uma proposta geral? que não admite exceções, que o conhecimento dessa relação não é, em nenhum caso, alcançado por meio de raciocínios a priori?, mas provém inteiramente da experiência, ao descobrirmos que certos objetos particulares acham-se constantemente conjugados uns aos outros. Apresente-se um objeto a um homem dotado das mais poderosas capacidades naturais de raciocínio e percepção — se esse? objeto for algo de inteiramente novo para ele, mesmo o exame mais minucioso de suas qualidades? sensíveis não lhe permitirá descobrir quaisquer de suas causas ou efeitos. Adão  , ainda que supuséssemos que suas faculdades? racionais fossem inteiramente perfeitas desde o início, não poderia ter? inferido da fluidez e transparência da água que ela o sufocaria, nem da luminosidade e calor do fogo que este poderia consumi-lo. Nenhum objeto jamais revela, pelas qualidades que aparecem aos sentidos, nem as causas que o produziram, nem os efeitos que dele provirão; e tampouco nossa razão é capaz de extrair, sem auxílio da experiência, qualquer conclusão referente? à existência efetiva de coisas ou questões de fato.

Essa proposição de que causas e efeitos são descobertos não pela razão, mas pela experiência será facilmente aceita com relação a objetos de que temos a lembrança de nos terem sido outrora? completamente desconhecidos, dado? que estamos com certeza conscientes de nossa total inabilidade, na ocasião, de prever o que deles resultaria. Apresente a um homem não versado em filosofia natural duas peças lisas de mármore: ele jamais descobrirá que elas irão aderir uma à outra de tal maneira que uma grande força é requerida para separá-las ao longo de uma linha perpendicular às superfícies em contato, embora seja mínima a resistência que oferecem a uma pressão lateral. Também se admite prontamente, no caso de fenômenos que mostram pouca analogia? com o curso ordinário da natureza, que eles só podem ser conhecidos por meio da experiência, e ninguém imaginaria que a explosão da pólvora ou a atração do magneto pudessem jamais ter sido descobertas por argumentos a priori. De maneira semelhante, quando se

supõe que um efeito depende de um complicado? mecanismo? ou estrutura? secreta de partes, não temos dificuldade em atribuir à experiência todo o conhecimento que temos dele. Quem se apresentará como capaz de fornecer a razão última pela qual pão e leite são alimentos apropriados para um ser humano, mas não para um leão ou tigre?

8 Mas essa mesma verdade pode não parecer, à primeira vista?, dotada da mesma evidência no caso de acontecimentos que nos são familiares desde que viemos ao mundo?, que apresentam uma íntima analogia com o curso geral da natureza, e que supomos dependerem das qualidades simples de objetos sem nenhuma estrutura secreta de partes. No caso desses efeitos, tendemos a pensar? que poderiamos descobri-los pela mera aplicação de nossa razão, sem recurso? à experiência. Imaginamos que, se tivéssemos sido trazidos de súbito a este mundo, poderiamos ter inferido desde o início que uma bola de bilhar iria comunicar movimento? a uma outra por meio do impulso?, e que não precisaríamos ter aguardado o resultado para nos pronunciarmos com certeza acerca dele. Tal é a influência do hábito: quando ele é mais forte, não apenas encobre nossa ignorância, mas chega a ocultar a si próprio, e parece não estar? presente simplesmente porque existe no mais alto grau?.

9 Para convencer-nos, entretanto, dc que todas as leis? da natureza e todas as operações dos corpos?, sem exceção, são conhecidas apenas por meio da experiência, bastarão talvez as seguintes reflexões. Se um objeto nos losse apresentado e fôssemos solicitados a nos pronunciar?, sem consulta à observação passada, sobre o efeito que dele resultará, de que maneira, eu? pergunto, deveria a mente proceder nessa operação? Ela deve inventar ou imaginar algum resultado para atribuir ao objeto [51] como seu efeito, e é óbvio que essa invenção terá de ser inteiramente arbitrária. O mais atento exame e escrutínio não permite à mente encontrar o efeito na suposta causa, pois o efeito é totalmente diferente da causa e não pode, consequentemente, revelar-se nela. O movimento da segunda bola de bilhar é um acontecimento? completamente distinto do movimento da primeira, e não há nada em um deles que possa fornecer a menor pista acerca do outro. Uma pedra? ou uma peça de metal, erguidas no ar? e deixadas sem apoio, caem imediatamente; mas, considerando-se o assunto a priori, haveria porventura algo nessa situação que pudéssemos identificar como produzindo a ideia? de um movimento para baixo e não para cima, ou outro movimento qualquer dessa pedra ou peça de metal?

E como em todas as operações naturais a primeira imaginação ou invenção de um efeito particular? é arbitrária quando não se consulta a experiência, devemos avaliar do mesmo modo? o suposto? elo ou conexão entre causa e efeito que os liga entre si e torna impossível que algum outro efeito possa resultar da operação daquela causa. Quando vejo, por exemplo, uma bola de bilhar movendo-se em linha reta em direção a outra, mesmo supondo-se que o movimento da segunda bola seja acidentalmente sugerido à minha imaginação como resultado de seu contato ou irtapulso, não me seria porventura possível conceber? uma centena de outros diferentes resultados que se seguem igualmente bem daquela causa? Não poderíam ambas as bolas permanecer em absoluto? repouso?? Não podería a primeira bola recuar em linha reta ou saltar para longe? da segunda em qualquer curso ou direção? Todas essas suposições são consistentes e concebíveis. Por que, então, deveriamos dar preferência a uma suposição que não é mais consistente ou concebível que as demais? Todos os nossos raciocínios a priori serão para sempre incapazes de nos mostrar qualquer fundamento? para essa preferência.

Em uma palavra?, portanto: todo efeito é um acontecimento distinto de sua causa. Ele não podería, por isso mesmo, ser descoberto na causa, e sua primeira invenção ou concepção a priori deve ser inteiramente arbitrária. E mesmo após ter sido sugerido, sua conjunção com a causa deve parecer igualmente arbitrária, pois há sempre muitos outros efeitos que, para a razão, surgem como tão perfeitamente consistentes e naturais quanto o primeiro. Em vão, portanto, pretenderiamos determinar qualquer ocorrência individual?, ou inferir qualquer causa ou efeito, sem a assistência da observação e experiência.

Podemos, a partir disso, identificar a razão pela qual nenhum filósofo razoável e comedido jamais pretendeu indicar a causa última de qualquer operação natural, ou exibir precisamente a ação do poder que produz qualquer um dos efeitos particulares no universo. Reconhece-se que a suprema conquista da razão humana é reduzir os princípios produtivos dos fenômenos naturais a uma maior simplicidade, c subordinar os múltiplos efeitos particulares a algumas poucas causas gerais, por meio de raciocínios baseados na analogia, experiência e observação. Quanto ás causas dessas causas gerais, entretanto, será em vão que procuraremos descobri-las; e nenhuma explicação particular delas será jamais capaz de nos satisfazer. Esses móveis princípios fundamentais estão totalmente vedados á curiosidade e á investigação humanas. Elasticidade, gravidade, coesão dc partes, comunicação de movimento por impulso — essas são provavelmente as últimas causas e princípios que nos será dado descobrir na natureza, e devemos nos dar por satisfeitos se, por meio de um cuidadoso raciocínio e investigação, pudermos reportar os fenômenos particulares a esses princípios gerais, ou aproximá-los deles. A mais perfeita? filosofia da espécie natural apenas detém por algum tempo? nossa ignorância, assim como a mais perfeita filosofia da espécie moral? ou metafísica serve talvez apenas para descortinar porções inaís vastas dessa mesma ignorância. Assim, o resultado de toda filosofia é a constatação da cegueira? e debilidade humanas, com a qual deparamos por toda parte? apesar de? nossos esforços para evitá-la ou dela nos esquivarmos.

13 Mesmo a geometria, quando chamada a auxiliar a filosofia natural, é incapaz de corrigir esse defeito ou de nos levar ao conhecimento das causas últimas, apesar de toda precisão de raciocínio pela qual é tão justamente celebrada. Cada ramo da matemática aplicada procede a partir da suposição de que certas leis são estabelecidas pela natureza em suas operações, e o raciocínio abstrato? é empregado ou para auxiliar a experiência na descoberta dessas leis, ou para determinar sua influência em casos particulares, nos quais essa influência depende, em algum grau preciso, da distância e da quantidade?. Assim, é uma lei do movimento, descoberta pela experiência, que o momento? ou força de qualquer corpo em movimento é a razão composta, ou proporção, de seu conteúdo sólido e sua velocidade; e, consequentemente, que uma pequena força pode remover o maior obstáculo ou erguer o maior peso? se, por meio de algum dispositivo ou maquinário, pudermos aumentar a velocidade dessa força de modo a fazê-la sobrepujar o antagonista. A geometria nos ajuda a aplicar essa lei, forneceu do-nos as dimensões corretas de todas as partes e grandezas que podem entrar em qualquer espécie de máquina; mas a descoberta da própria lei continua devendo-se simplesmente â experiência [60], e todos os raciocínios abstratos do mundo nunca poderíam nos levar a um passo adiante na direção de sua descoberta. Quando raciocinamos a priori e consideramos um objeto ou causa apenas tal como aparece à mente, independente? de toda observação, ele jamais poderá sugerir-nos a ideia de algum objeto distinto, como seu efeito, e muito menos exibir-nos a conexão inseparável e inviolável entre eles. Seria muito sagaz o homem capaz de descobrir pelo simples raciocínio que o cristal é o efeito do calor e o gelo o efeito do frio, sem estar previamente familiarizado com as operações dessas qualidades.

original

ALL the objects of human reason? or enquiry may naturally be divided into two kinds, to wit, Relations? of Ideas, and Matters of Fact. Of the first kind are the sciences? of Geometry, Algebra, and Arithmetic; and in short, every affirmation, which is either intuitively or demonstratively certain. That the square of the hypothenuse is equal to the square of the two sides, is a proposition?, which expresses a relation between these figures. That three times five is equal to the half of thirty, expresses a relation between these numbers?. Propositions of this kind are discoverable by the mere operation of thought, without dependence on what is any where existent in the universe. Though there never were a circle? or triangle? in nature, the truths, demonstrated by EUCLID, would for ever retain their certainty and evidence.

Matters of fact, which are the second objects of human reason, are not ascertained in the same manner; nor is our evidence of their truth, however great, of a like nature with the foregoing. The contrary of every matter? of fact is still possible; because it can never imply a contradiction, and is conceived by the mind with the same facility and distinctness, as if ever so conformable to reality. That the sun will not rise to-morrow is no less intelligible? a proposition, and implies no more contradiction, than the affirmation, that it will rise. We should in vain, therefore, attempt to demonstrate its falsehood. Were it demonstratively false, it would imply a contradiction, and could never be distinctly conceived by the mind.15

It may, therefore, be a subject? worthy of curiosity, to enquire what is the nature of that evidence, which assures us of any real existence and matter of fact, beyond the present testimony of our senses, or the records of our memory?. This part of philosophy, it is observable, has been little cultivated, either by the ancients or moderns; and therefore our doubts and errors, in the prosecution of so important an enquiry, may be the more excusable; while we march through such difficult paths, without any guide or direction. They may even prove useful, by exciting curiosity, and destroying that implicit faith? and security, which is the bane of all reasoning? and free enquiry. The discovery of defects in the common? philosophy, if any such there be, will not, I presume, be a discouragement, but rather an incitement, as is usual, to attempt something more full and satisfactory, than has yet been proposed to the public?.

All reasonings concerning matter of fact seem to be founded on the relation of Cause and Effect. By means of that relation alone we can go beyond the evidence of our memory and senses. If you were to ask a man, why he believes any matter of fact, which is absent; for instance, that his friend is in the country, or in FRANCE; he would give you a reason; and this reason would be some other fact; as a letter received from him, or the knowledge of his former resolutions and promises. A man, finding a watch or any other machine in a desert island, would conclude, that there had once been men in that island. All our reasonings concerning fact are of the same nature. And here it is constantly supposed, that there is a connexion between the present fact and that which is inferred from it. Were there nothing to bind them together, the inference would be entirely precarious. The hearing of an articulate voice and rational discourse in the dark assures us of the presence of some person: Why? because these are the effects of the human make and fabric, and closely connected with it. If we anatomize all the other? reasonings of this nature, we shall find, that they are founded on the relation of cause and effect, and that this relation is either near or remote, direct or collateral. Heat and light are collateral effects of fire, and the one effect may justly be inferred from the other.

If we would satisfy ourselves, therefore, concerning the nature of that evidence, which assures us of matters of fact, we must enquire how we arrive at the knowledge of cause and effect.

I shall venture to affirm, as a general proposition, which admits of no exception, that the knowledge of this relation is not, in any instance, attained by reasonings a priori; but arises entirely from experience, when we find, that any particular objects are constantly conjoined with each other. Let an object be presented to a man of ever so strong natural reason and abilities; if that object be entirely new to him, he will not be able, by the most accurate examination of its sensible qualities, to discover any of its causes or effects. ADAM  , though his rational faculties be supposed, at the very first, entirely perfect, could not have inferred from the fluidity, and transparency of water?, that it would suffocate him, or from the light and warmth of fire, that it would consume him. No object ever discovers, by the qualities which appear to the senses, either the causes which produced it, or the effects which will arise from it; nor can our reason, unassisted by experience, ever draw any inference concerning real existence and matter of fact.

This proposition, that causes and effects are discoverable, not by reason, but by experience, will readily be admitted with regard to such objects, as we remember to have once been altogether unknown? to us; since we must be conscious? of the utter inability, which we then lay under, of foretelling, what would arise from them. Present two smooth pieces of marble to a man, who has no tincture of natural philosophy; he will never discover, that they will adhere together, in such a manner as to require great force to separate them in a direct line, while they make so small a resistance to a lateral pressure. Such events, as bear little analogy to the common course of nature, are also readily confessed to be known only by experience; nor does any man imagine that the explosion of gunpowder, or the attraction of a loadstone, could ever be discovered by arguments a priori. In like manner, when an effect is supposed to depend upon an intricate machinery or secret structure of parts, we make no difficulty in attributing all our knowledge of it to experience. Who will assert, that he can give the ultimate reason, why milk or bread is proper nourishment for a man, not for a lion or a tiger?

But the same truth may not appear, at first sight, to have the same evidence with regard to events, which have become familiar? to us from our first appearance in the world, which bear a close analogy to the whole course of nature, and which are supposed to depend on the simple qualities of objects, without any secret structure of parts. We are apt? to imagine, that we could discover these effects by the mere operation of our reason, without experience. We fancy, that were we brought, on a sudden, into this world, we could at first have inferred, that one Billiard-ball would communicate motion to another upon impulse; and that we needed not to have waited for the event, in order? to pronounce with certainty concerning it. Such is the influence of custom, that, where it is strongest, it not only covers our natural ignorance, but even conceals itself, and seems not to take place?, merely because it is found in the highest degree.

But to convince us, that all the laws of nature, and all the operations of bodies without exception, are known only by experience, the following reflections may, perhaps, suffice. Were any object presented to us, and were we required to pronounce concerning the effect, which will result from it, without consulting past observation; after what manner, I beseech you, must the mind proceed in this operation? It must invent or imagine some event, which it ascribes to the object as its effect; and it is plain that this invention must be entirely arbitrary. The mind can never possibly find the effect in the supposed cause, by the most accurate scrutiny and examination. For the effect is totally different from the cause, and consequently can never be discovered in it. Motion in the second Billiard-ball is a quite distinct event from motion in the first; nor is there anything in the one to suggest the smallest hint of the other. A stone or piece of metal raised into the air, and left without any support?, immediately falls: But to consider the matter a priori, is there anything we discover in this situation, which can beget the idea? of a downward, rather than an upward, or any other motion, in the stone or metal?

And as the first imagination? or invention of a particular effect, in all natural operations, is arbitrary, where we consult not experience; so must we also esteem the supposed tie or connexion between the cause and effect, which binds them together, and renders it impossible, that any other effect could result from the operation of that cause. When I see, for instance, a Billiard-ball moving in a straight line towards another; even suppose motion in the second ball should by accident? be suggested to me, as the result of their contact or impulse; may I not conceive, that a hundred different events might as well follow from that cause? May not both these balls remain at absolute rest? May not the first ball return in a straight line, or leap off from the second in any line or direction? All these suppositions are consistent and conceivable. Why then should we give the preference? to one, which is no more consistent or conceivable than the rest? All our reasonings a priori will never be able to show us any foundation for this preference.

In a word, then, every effect is a distinct event from its cause. It could not, therefore, be discovered in the cause, and the first invention or conception of it, a priori, must be entirely arbitrary. And even after it is suggested, the conjunction of it with the cause must appear equally arbitrary; since there are always many other effects, which, to reason, must seem fully as consistent and natural. In vain, therefore, should we pretend to determine any single event, or infer any cause or effect, without the assistance of observation and experience.

Hence we may discover the reason, why no philosopher, who is rational and modest, has ever pretended to assign the ultimate cause of any natural operation, or to show distinctly the action of that power, which produces any single effect in the universe. It is confessed, that the utmost effort of human reason is, to reduce the principles, productive? of natural phenomena?, to a greater simplicity, and to resolve the many? particular effects into a few general causes, by means of reasonings from analogy, experience, and observation. But as to the causes of these general causes, we should in vain attempt their discovery; nor shall we ever be able to satisfy ourselves, by any particular explication? of them. These ultimate springs and principles are totally shut up from human curiosity and enquiry. Elasticity, gravity, cohesion of parts, communication of motion by impulse; these are probably the ultimate causes and principles which we shall ever discover in nature; and we may esteem ourselves sufficiently happy, if, by accurate enquiry and reasoning, we can trace up the particular phenomena to, or near to, these general principles. The most perfect philosophy of the natural kind only staves off our ignorance a little longer: As perhaps the most perfect philosophy of the moral or metaphysical kind serves only to discover larger portions of it. Thus the observation of human blindness and weakness is the result of all philosophy, and meets us, at every turn, in spite of our endeavours to elude or avoid it.

Nor is geometry, when taken into the assistance of natural philosophy, ever able to remedy this defect, or lead us into the knowledge of ultimate causes, by all that accuracy of reasoning, for which it is so justly celebrated. Every part of mixed mathematics16 proceeds upon the supposition, that certain laws are established by nature in her operations; and abstract reasonings are employed, either to assist experience in the discovery of these laws, or to determine their influence in particular instances, where it depends upon any precise degree of distance and quantity. Thus, it is a law of motion, discovered by experience, that the moment or force of any body in motion is in the compound ratio or proportion of its solid contents and its velocity; and consequently, that a small force may remove the greatest obstacle or raise the greatest weight, if, by any contrivance or machinery, we can increase the velocity of that force, so as to make? it an overmatch for its antagonist. Geometry assists us in the application of this law, by giving us the just? dimensions of all the parts and figures, which can enter into any species? of machine; but still the discovery of the law itself is owing merely to experience, and all the abstract reasonings in the world could never lead us one step towards the knowledge of it. When we reason a priori, and consider merely any object or cause, as it appears to the mind, independent of all observation, it never could suggest to us the notion of any distinct object, such as its effect; much less, show us the inseparable and inviolable connection between them. A man must be very sagacious, who could discover by reasoning, that crystal is the effect of heat, and ice of cold, without being previously acquainted with the operation of these qualities.


Ver online : AN ENQUIRY CONCERNING HUMAN UNDERSTANDING