Página inicial > Filosofia da Ciência e da Técnica > Graeber (UR) – burocracia

A Utopia das Regras

Graeber (UR) – burocracia

The Iron Law of Liberalism and the Era of Total Bureaucratization

domingo 7 de novembro de 2021

GRAEBER  , David  . The Utopia of Rules. Brookling: Melville   House Publishing, 2015.

tradução

Não gostamos mais de pensar? em burocracia, mas ela informa todos os aspectos de nossa existência?. É como se, enquanto uma civilização? planetária, tivéssemos decidido tapar os ouvidos com as mãos? e começar? a cantarolar sempre que o assunto surgisse. Na medida? em que estamos dispostos a discuti-lo, ainda se encontra nos termos populares nos anos sessenta e início dos anos setenta. Os movimentos sociais dos anos 60 foram, em geral?, de inspiração de esquerda, mas também foram rebeliões contra a burocracia ou, para ser mais preciso, rebeliões contra a mentalidade? burocrática, contra a conformidade destruidora do estados do bem-estar? do pós-guerra?. Diante dos funcionários cinzentos dos regimes capitalistas de estado? e socialistas de estado, os rebeldes dos anos 60 defendiam a expressão? individual? e a convivência espontânea, e contra (“regras e regulamentos, quem precisa deles?”) Todas as formas? de controle social?.

Com o colapso dos antigos estados de bem-estar? social, tudo isso passou a parecer decididamente esquisito. À medida que a linguagem? do individualismo antiburocrático foi adotada, com ferocidade crescente, pela direita, que insiste em "soluções de mercado" para todos os problemas? sociais, a esquerda dominante tem se reduzido cada vez? mais a lutar uma espécie? de ação? de retaguarda patética, tentando salvar os restos do antigo estado de bem-estar: ela concordou com - muitas vezes até mesmo? liderou - tentativas de tornar os esforços do governo? mais "eficientes" por meio? da privatização parcial de serviços e da incorporação de cada vez mais "princípios? de mercado", "incentivos de mercado" e “processos? de responsabilização” baseados na própria estrutura? da burocracia.

O resultado é uma catástrofe? política?. Realmente não há? outra maneira de colocar? isso. O que é apresentado como a solução da esquerda “moderada” para quaisquer problemas sociais - e as soluções da esquerda radical estão, quase em todos os lugares? agora?, descartadas tout court - invariavelmente veio a ser uma fusão? de pesadelo dos piores elementos? da burocracia e os piores elementos do capitalismo. É como se alguém tivesse tentado conscientemente criar a posição? política menos atraente possível?. É um testemunho? do poder remanescente genuíno dos ideais? esquerdistas que alguém sequer considere votar em um partido que promove esse? tipo? de coisa? - porque certamente, se o faz, não é porque realmente pensa que essas são boas políticas, mas porque são as únicas políticas que qualquer pessoa? que se identifica como centro-esquerda tem permissão para estabelecer.

Existe alguma surpresa, então, que toda vez que haja uma crise social, é a direita, e não a esquerda, que se torna o local para a expressão da raiva popular?

A direita, pelo menos, tem uma crítica? à burocracia. Não é muito boa. Mas pelo menos existe. A esquerda não tem nenhum. Como resultado, quando aqueles que se identificam com a esquerda têm algo negativo? a dizer sobre burocracia, geralmente são forçados a adotar uma versão diluída da crítica da direita.

Essa crítica da direita pode ser descartada rapidamente. Ela tem suas origens? no liberalismo? do século XIX. A história? que surgiu nos círculos? da classe? média na Europa após a revolução? francesa foi que o mundo? civilizado estava passando por uma transformação? gradual, desigual, mas inevitável, longe? do domínio? das elites guerreiras, com seus governos autoritários, seus dogmas sacerdotais, e sua estratificação de casta?, para liberdade?, igualdade? e interesse? comercial comercial esclarecido. As classes mercantis na Idade Média minaram a velha ordem? feudal, como cupins mastigando por baixo - cupins, sim, mas do tipo bom. A pompa e o esplendor? dos estados absolutistas que estavam sendo? derrubados foram, de acordo? com a versão liberal da história, os últimos suspiros da antiga ordem, que terminariam quando os estados cedessem lugar aos mercados, fé? religiosa? ao entendimento? científico e fixas ordens e status? de Marquês e Baronesa e similares aos contratos livres entre indivíduos.

O surgimento de burocracias modernas? sempre foi um problema para essa história, porque ela realmente não se encaixava. Em princípio, todos esses funcionários cheios de funções? em seus cargos, com suas elaboradas cadeias de comando, deveriam ter sido meras ressacas feudais, que logo seguiriam o caminho? dos exércitos e oficiais que todo mundo esperava que gradualmente se tornassem desnecessário também. É preciso apenas abrir um romance russo do final do século XIX: todos os descendentes de velhas famílias aristocráticas - de fato?, quase todos os que estavam nesses livros - foram transformados em oficiais militares ou funcionários públicos (ninguém de qualquer notoriedade parece fazer? outra coisa), e as hierarquias militar e civil pareciam ter fileiras, títulos e sensibilidades quase idênticas. Mas havia um problema óbvio. Se os burocratas eram apenas remanescentes, por que em todos os lugares - não apenas em remansos como a Rússia, mas em sociedades industriais em expansão como a Inglaterra e a Alemanha - todos os anos pareciam trazer mais e mais deles?

Seguiu-se o estágio dois? do argumento?, que era?, em essência?, que a burocracia representa uma falha inerente ao projeto? democrático. 9 Seu maior expoente foi Ludwig von Mises, um aristocrata austríaco exilado, cujo livro Burocracia de 1944 argumentou que, por definição?, os sistemas? governamentais de administração nunca poderiam organizar informações com algo semelhante à eficiência? dos mecanismos impessoais de precificação de mercado. No entanto, estender o voto aos perdedores do jogo? econômico? levaria inevitavelmente a pedidos de intervenção do governo, enquadrados como esquemas de mentais de alto nível para tentar resolver problemas sociais por meios administrativos. Von Mises estava disposto a admitir que muitos dos que adotavam tais soluções eram inteiramente bem-intencionados; no entanto, seus esforços só poderiam piorar as coisas?. De fato, ele achava que eles acabariam destruindo a base política da própria democracia, uma vez que os administradores de programas sociais formariam inevitavelmente blocos de poder muito mais influentes do que os políticos eleitos para administrar o governo e apoiariam reformas cada vez mais radicais. Von Mises argumentou que, como resultado, os estados de bem-estar social que emergiam em lugares como França ou Inglaterra, sem falar? na Dinamarca ou Suécia, levariam, dentro de uma ou duas gerações, inevitavelmente ao fascismo.

Nesta visão?, a ascensão? da burocracia foi o exemplo? definitivo de boas intenções? que parecem malucas. Ronald Reagan provavelmente fez a implantação popular mais eficaz dessa linha de pensamento? com sua famosa alegação de que "as nove palavras? mais aterradoras do idioma? inglês são: ’eu sou? do governo e estou aqui para ajudar’".

O problema com tudo isso é que ele tem muito pouca relação? com o que realmente aconteceu. Antes de tudo, historicamente, os mercados simplesmente não emergiram como algum domínio autônomo de liberdade, independente? e oposto às autoridades estatais. Exatamente o oposto é o caso. Historicamente, os mercados geralmente são um efeito? colateral das operações do governo, especialmente operações militares, ou foram criados diretamente pela política do governo. Isso é verdade? pelo menos desde a invenção? da cunhagem, que foi criada e promulgada como um meio de provisionar soldados; durante a maior parte? da história da Eurásia, as pessoas comuns usaram acordos informais de crédito e dinheiro físico, ouro?, prata, bronze e o tipo de mercado impessoal? que tornaram possíveis permaneceu principalmente um complemento? à mobilização de legiões, saque de cidades, extração? de tributo e eliminação de pilhagem. Modernos sistemas bancários centrais foram igualmente criados para financiar guerras. Portanto, há um problema inicial com a história convencional. Há outro ainda mais dramático?. Embora a ideia? de que o mercado seja de alguma forma contrário e independente do governo tenha sido usada pelo menos desde o século XIX para justificar políticas econômicas laissez-faire destinadas a atenuar o papel? do governo, estas políticas nunca têm esse efeito. O liberalismo inglês, por exemplo, não levou a uma redução? da burocracia estatal, mas exatamente o oposto: uma variedade infinita? de balconistas, registradores, inspetores, notários e policiais que fizeram possível o sonho? liberal de um mundo de livre contrato entre indivíduos autônomos. Verificou-se que a manutenção de uma economia de livre mercado exigia mil vezes mais papelada do que uma monarquia absolutista ao estilo? de Louis XIV.

Esse aparente? paradoxo? - que as políticas governamentais que pretendem reduzir a interferência do governo na economia acabe produzindo mais regulamentações, mais burocratas e mais policiais - pode ser observado? com tanta regularidade? que acho que temos justificativa em tratá-la como uma lei? sociológica? geral. Proponho chamá-lo de "a lei de ferro do liberalismo":

A Lei de Ferro do Liberalismo afirma que qualquer reforma de mercado, qualquer iniciativa do governo que pretenda reduzir a burocracia e promover forças de mercado terá o efeito final de aumentar o número? total de regulamentações, a quantidade? total de papelada e o número total de burocratas que o governo emprega.

original

[...] We no longer like to think about bureaucracy, yet it informs every aspect of our existence. It’s as if, as a planetary civilization, we have decided to clap our hands over our ears and start humming whenever the topic comes up. Insofar as we are even willing? to discuss it, it’s still in the terms popular in the sixties and early seventies. The social movements of the sixties were, on the whole, left-wing in inspiration, but they were also rebellions against bureaucracy, or, to put it more accurately, rebellions against the bureaucratic mindset, against the soul-destroying conformity of the postwar welfare states. In the face of the gray functionaries of both state-capitalist and state-socialist? regimes, sixties rebels stood for individual expression and spontaneous conviviality, and against (“rules and regulations, who needs them?”) every form of social control.

With the collapse of the old welfare states, all this has come to seem decidedly quaint. As the language of antibureaucratic individualism has been adopted, with increasing ferocity, by the Right, which insists on “market solutions” to every social problem, the mainstream Left has increasingly reduced itself to fighting a kind of pathetic rearguard action, trying to salvage remnants of the old welfare state: it has acquiesced with—often even spearheaded—attempts to make government efforts more “efficient” through the partial privatization of services and the incorporation of ever-more “market principles,” “market incentives,” and market-based “accountability processes” into the structure of the bureaucracy itself.

The result is a political catastrophe. There?’s really no other way to put it. What is presented as the “moderate” Left solution to any social problems—and radical left solutions are, almost everywhere? now, ruled out tout court—has invariably come to be some nightmare fusion of the worst elements of bureaucracy and the worst elements of capitalism. It’s as if someone had consciously tried to create the least appealing possible political position. It is a testimony to the genuine lingering power of leftist ideals that anyone would even consider voting for a party that promoted this sort of thing—because surely, if they do, it’s not because they actually think these are good policies, but because these are the only policies anyone who identifies themselves as left-of-center is allowed to set forth.

Is there any wonder?, then, that every time there is a social crisis, it is the Right, rather than the Left, which becomes the venue for the expression of popular anger?

The Right, at least, has a critique of bureaucracy. It’s not a very good one. But at least it exists. The Left has none. As a result, when those who identify with the Left do have anything negative to say about bureaucracy, they are usually forced to adopt a watered-down version of the right-wing critique.7

This right-wing critique can be disposed of fairly quickly. It has its origins in nineteenth-century liberalism.8 The story? that emerged in middle-class circles in Europe in the wake of the French revolution was that the civilized world was experiencing a gradual, uneven, but inevitable transformation away from the rule of warrior elites, with their authoritarian governments, their priestly dogmas, and their caste-like stratification, to one of liberty, equality, and enlightened commercial self-interest. The mercantile classes in the Middle Ages undermined the old feudal order like termites munching from below—termites, yes, but the good? kind. The pomp and splendor of the absolutist states that were being overthrown were, according to the liberal version of history, the last gasps of the old order, which would end as states gave way to markets, religious faith to scientific understanding?, and fixed orders and statuses of Marquis and Baronesses and the like to free contracts between individuals.

The emergence? of modern bureaucracies was always something of a problem for this story because it didn’t really fit. In principle, all these stuffy functionaries in their offices, with their elaborate chains of command, should have been mere feudal holdovers, soon to go the way of the armies and officer corps? that everyone was expecting to gradually become unnecessary as well. One need only flip open a Russian novel from the late nineteenth century: all the scions of old aristocratic families—in fact, almost everyone in those books—had been transformed into either military officers or civil servants (no one of any notice seems to do anything else), and the military and civil hierarchies seemed to have nearly identical ranks, titles, and sensibilities. But there was an obvious problem. If bureaucrats were just holdovers, why was it that everywhere—not just in backwaters like Russia but in booming industrial societies like England and Germany—every year seemed to bring more and more of them?

There followed stage two of the argument, which was, in its essence, that bureaucracy represents an inherent flaw in the democratic project.9 Its greatest exponent was Ludwig von Mises, an exiled Austrian aristocrat, whose 1944 book Bureaucracy argued that by definition, systems of government administration could never organize information with anything like the efficiency of impersonal market pricing mechanisms. However, extending the vote to the losers of the economic game would inevitably lead to calls for government intervention, framed as high-minded schemes for trying to solve social problems through administrative means. Von Mises was willing to admit that many of those who embraced such solutions were entirely well-meaning?; however, their efforts could only make matters worse. In fact, he felt they would ultimately end up destroying the political basis of democracy itself, since the administrators of social programs would inevitably form power-blocs far more influential than the politicians elected to run the government, and support? ever-more radical reforms. Von Mises argued that as a result, the social welfare states then emerging in places like France or England, let alone Denmark or Sweden, would, within a generation or two, inevitably lead to fascism.

In this view, the rise of bureaucracy was the ultimate example of good intentions run amok. Ronald Reagan probably made the most effective popular deployment of this line of thought with his famous claim that, “the nine most terrifying words in the English language are, ‘I’m from the government and I’m here to help.’ ”

The problem with all this is that it bears very little relation to what actually happened. First? of all, historically, markets simply did not emerge as some autonomous domain of freedom independent of, and opposed to, state authorities. Exactly the opposite is the case. Historically, markets are generally either a side effect of government operations, especially military operations, or were directly created by government policy. This has been true at least since the invention of coinage, which was first created and promulgated as a means of provisioning soldiers; for most of Eurasian history, ordinary people used informal credit arrangements and physical money, gold, silver, bronze, and the kind of impersonal markets they made possible remained mainly an adjunct to the mobilization of legions, sacking of cities, extraction of tribute, and disposing of loot. Modern central banking systems were likewise first created to finance wars. So there’s one initial problem with the conventional history. There’s another even more dramatic one. While the idea? that the market is somehow opposed to and independent of government has been used at least at least since the nineteenth century to justify laissez faire economic policies designed to lessen the role of government, they never actually have that effect. English liberalism, for instance, did not lead to a reduction of state bureaucracy, but the exact opposite: an endlessly ballooning array of legal clerks, registrars, inspectors, notaries, and police officials who made the liberal dream of a world of free contract between autonomous individuals possible. It turned out that maintaining a free market economy required a thousand times more paperwork than a Louis XIV-style absolutist monarchy.

This apparent paradox—that government policies intending to reduce government interference in the economy actually end up producing more regulations, more bureaucrats, and more police—can be observed so regularly that I think we are justified in treating it as a general sociological law. I propose to call it “the iron law of liberalism”:

The Iron Law of Liberalism states that any market reform, any government initiative intended to reduce red tape and promote market forces will have the ultimate effect of increasing the total number of regulations, the total amount of paperwork, and the total number of bureaucrats the government employs.


Ver online : The Utopia of Rules: On Technology, Stupidity, and the Secret Joys of Bureaucracy