Página inicial > Filosofia da Ciência e da Técnica > Habermas (TCI) – racionalidade e racionalização

Técnica e Ciência como Ideologia

Habermas (TCI) – racionalidade e racionalização

A Herbert Marcuse nos seus 70 anos

terça-feira 2 de novembro de 2021

HABERMAS  , Jürgen. A técnica e ciência como “ideologia”. Tr. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, sem data

Max Weber   introduziu o conceito? de «racionalidade?» para definir? a forma? da actividade econômica capitalista, do tráfego social? regido pelo direito? privado? burguês e da dominação burocrática. Racionalização çignifica, em primeiro? lugar, a ampliação das esferas sociais, que ficam submetidas aos critérios da decisão racional. A isto corresponde a industrialização do trabalho? social; com a consequência de que os critérios da acção instrumental penetram também noutros âmbitos da vida? (urbanização das formas de exist?ência, tecnificação do tráfego e da comunicação). Em ambos os casos, trata-se da implantação do tipo? de acção racional relativamente a fins?: aqui, trata-se da organização dos meios e, além, da encolha entre alternativas. Por fim?, a planificação pode conceber-se como uma acção racional dirigida a fins de segundo grau?: visa a instauração, melhoria ou ampliação dos próprios sistemas? de acção racional e dirigida a fins. A «racionalização» progressiva da sociedade? depende da institucionalização do progresso? científico e técnico. Na medida? em que a técnica e a ciência pervadem as esferas institucionais da sociedade e transformam assim as próprias instituições, desmoronam-se as antigas legitimações, A secularização e o «desencantamento» das cosmovisões orientadoras [45] da acção, da tradição cultural? no seu conjunto, é o reverso de uma «racionalidade» crescente da acção social.

Herbert Marcuse   tomou como ponto? de partida estas análises para demonstrar? que o conceito formal? da racionalidade, que Max Weber   extraiu da acção racional do empresário capitalista e do trabalhador industrial, da pessoa? jurídica abstracta e do funcionário moderno?, e que associou a critérios da ciência e da técnica, tem implicações determinadas com conteúdo próprio. Marcuse   está convencido de que, naquilo que Max Weber   chamou «racionalização», não se implanta a «racionalidade» como tal, mas, em nome? da racionalidade, uma forma determinada de dominação política oculta. Porque a racionalidade deste tipo só se refere à correcta eleição entre? estratégias, à adequada? utilização de tecnologias e à pertinente instauração de sistemas (em situações dadas para fins estabelecidos), èla subtrai o entrelaçamento social global de interesses? em que se elegem estratégias, se utilizam tecnologias e se instauram sistemas, a uma reflexão e reconstrução racionais. Essa racionalidade estende-se, além disso, apenas às situações de emprego possível da técnica e exige, por isso, um tipo de acção que implica dominação quer ‘ sobre a natureza? ou sobre a sociedade. A acção racional dirigida a fins é, segundo a sua própria estrutura?, exercício de controles. Por conseguinte, a «racionalização» das relações vitais segundo critérios desta racionalidade equivale à institucionalização de uma dominação que, enquanto política, se torna irreconhecível: a razão técnica de um sistema social de acção racional dirigida a fins não abandona o seu conteúdo político. Na sua crítica a Max Weber  , Marcuse   chega a esta conclusão: «O conceito de razão técnica é talvez também em si mesmo? ideologia?. Não só a sua aplicação, mas já a própria técnica é dominação metódica, científica, calculada e calculante (sobre a natureza e sobre o homem?). [46] Determinados fins e interesses da dominação não são outorgados à técnica apenas «posteriormente» e a partir de fora? — inserem-se já na própria construção do aparelho técnico; a técnica é, em cada caso, um projecto? histórico-social; nele se projecta o que uma sociedade e os interesses nela dominantes? pensam fazer? com os homens e com as coisas?. Um tal fim de dominação é «material?» e, neste sentido?, pertence à própria forma da razão técnica» [1].

Já em 1956, num contexto inteiramente diverso, Marcuse   chamara a atenção para o peculiar fenômeno de que, nas sociedades capitalistas industriais avançadas, a dominação tende a perder o seu carácter explorador e opressor e a tornar-se «racional», sem que por isso se desvaneça a dominação política: «A dominação está ainda apenas condicionada pela capacidade? de e pelo interesse em manter o aparelho no seu conjunto e em o alargar» [2]. A racionalidade da dominação mede-se pela manutenção de um sistema que pode permitir-se converter em fundamento? da sua legitimação o incremento das forças produtivas associado ao progresso técnico-científico, embora, por outro lado, o estado? das forças produtivas represente precisamente também o potencial, pelo qual medidas «as renúncias e as incomodidades impostas aos indivíduos estas surgem cada vez? mais como desnecessárias e irracionais» [3]. Marcuse   pretende reconhecer a repressão objectivamente supérflua na «sujeição intensificada dos indivíduos ao imenso aparelho de produção e de distribuição, na desprivatização do tempo? livre, na quase indiferenciável fusão do trabalho social produtivo? e destrutivo». Mas, paradoxalmente, esta repressão pode desvanecer-se da consciência da população, porque a legitimação da dominação assumiu um novo carácter: a saber?, a referência «à crescente produtividade e ao [47] crescente domínio .da natureza, que também proporcionam aos indivíduos uma vida mais confortável».


Ver online : Técnica e Ciência como Ideologia


[1«Industrialisierung und Kapitalismus im Werk Max Webers» in Kultur und Gesellschaft, II, Francoforte, 1965.

[2«Trieblehre und Freiheit», in Freud in der Gegenwart, Frankf. Beit. z.”Soz., Vol. VI, 1957.

[3Ibid., p. 403.