Página inicial > Modernidade > Hegel (PM:§454) – um homem culto e suas intuições

Hegel’s Philosophy of Mind

Hegel (PM:§454) – um homem culto e suas intuições

segunda-feira 1º de novembro de 2021, por Cardoso de Castro

WALLACE, W. & MILLER, A.V.. Hegel’s Philosophy of Mind. Revised by Michael Inwood). Oxford: Claredon Press, 2007, §454

Quanto mais cultivado um homem é, mais ele vive não em intuição imediata, mas em todas as suas intuições, ao mesmo tempo em lembranças; de modo que ele pouco vê do que é completamente novo, mas, pelo contrário, o conteúdo substancial da maior parte do que é novo é algo que já lhe é familiar. Da mesma forma, um homem culto se contenta em sua maior parte com suas imagens e raramente sente a necessidade de intuição imediata. A multidão inquisitiva, por outro lado, está sempre correndo para onde há algo para se espantar.


Segundo Vicente Ferreira da Silva   (Transcendência do Mundo): "com essa observação o filósofo procura aludir à servidão da consciência às coisas, à intuição imediata, quando o homem ainda não desenvolveu em si mesmo as suas possibilidades próprias de pensamento e de imaginação. Eis por que Hegel   acredita que ’quanto mais culto é o homem, menos vive na esfera da intuição imediata’".


Ver online : Hegel’s Philosophy of Mind