Página inicial > Filosofia da Ciência e da Técnica > Patapievici (EEM:26-27) – Gerald Holton e as dimensões de uma teoria (...)

O Experimento e o Espírito Matemático

Patapievici (EEM:26-27) – Gerald Holton e as dimensões de uma teoria científica

Apresentação da obra

quinta-feira 28 de outubro de 2021

BLAGA  , Lucian. O experimento e o espírito matemático. Tr. Cristina Nicoleta Manescu. Apresentação de Horia-Roman Patapievici. São Paulo: É Realizações, 2014, p.

Semelhante? é a situação da relação de Blaga   com Gerald Holton  . Holton   passou a ser famoso na filosofia? da ciência pela “análise temática das teorias? científicas”. [1] Este tipo? de análise lógico-histórica, que Blaga   também praticou em seus estudos dedicados à ciência, se baseia na ideia? de que qualquer teoria científica pode ser analisada em três dimensões, que são irredutíveis uma à outra e que concorrem de modo? específico a cada uma para a configuração estrutural da teoria. Holton   distinguiu entre uma dimensão “lógica”, uma dimensão “empírica” e uma dimensão “temática” das teorias científicas. Conhecidas e já extensamente analisadas haviam sido, até Holton  , as primeiras duas? dimensões, as únicas que a filosofia da ciência levara em consideração até então. A originalidade? de Holton   é a de ter? identificado e descrito a dimensão “temática”, construindo um modelo? de análise epistemológica que denominou, com uma fórmula feliz?, “the thematic? imagination? in Science?”. [2] Sem a precisão terminológica de Holton   e sem poder? ser facilmente enquadrado na tradição disciplinar em que são escritas as contribuições deste, Blaga   distinguia também ele, de modo sistemático, já desde 1934, entre três dimensões de qualquer teoria científica: a dimensão empírica, a dimensão teorética e a dimensão que ele denominava “ressonância atitudinal”. [3] As análises de Blaga   quanto à “carga teorética” das observações, assim como estas são construídas pelo experimento? [261] matematizado, permanecem exemplares [4] – e realizadas sem defeito antes do tempo? em que, no mundo? anglo-saxão, este tipo de análise começou a ser feito sistematicamente. [5] Blaga   viu como nenhum outro, em seu tempo, que são mudos os fatos? sem teorias; que os instrumentos modernos? de investigação científica são a “resultante congelada” de alguns experimentos, o que significa que uma observação científica implica, de fato, todos os experimentos; e que a novidade dos experimentos modernos consta no fato de que não são um simples? alargamento da experiência direta, mas representam uma modalidade de fazer?, através delas, a experiência de um domínio de exist?ência que, até elas, tinha sido apenas das teorias inventadas pelo homem?, e nunca do homem natural? pura e simplesmente. [6]


Ver online : O Experimento e o Espírito Matemático


[1Gerald Holton, Thematic Origins of Scientific Thought, Kepler to Einstein. Cambridge, Mass., and London, Harvard University Press, 1973.

[2Gerald Holton, “On the Thematic Analysis of Science” [1964] (representa o capítulo I do volume citado mais acima: Thematic Origins of Scientific Thought, p. 47-68); igualmente “On the Role of Themata in Scientific Thought” [1975]. ln: The Scientific Imagination, p. 3-24.

[3Lucian Blaga, Censura Transcendenta [1934]. In: Opere, vol. 8, as explicações dele estão a p. 443 ss. Este tipo de tratamento reencontra-se, implicita ou explicitamente, em todos os seus estudos dedicados à ciência.

[4Ver a discussão quanto à interpretação de fotografias feitas em câmara de vapores d água, neste volume, no capítulo “Experimento e Teoria”, p. 199: “O experimento e a teoria determinam um ao outro. [...] “a ‘teoria’ participa mesmo, [...] na identificação dos fatos experimentais (p. 207)”. As fontes de Blaga, neste aspecto, são dadas no texto: Louis Pasteur, Henri Poincaré e Heinrich Hertz, para a orientação geral, e Pierre Duhem, para a análise técnica (citada por Blaga segundo E. Meyerson, Du Cheminement de la Pensée, 1931; a análise de Duhem foi feita em 1906, no estudo clássico La Theorie Physique: Son Object, Sa Structure).

[5Embora Pierre Duhem (em 1906) possa ser considerado o autor da tese da “carga” teorética das observações, das percepções ou dos fatos, a tese ganhou popularidade na filosofia da ciência depois das obras de Norwood Russell Hanson, Patterns of Discovery. An lnquiry into the Conceptual Foundations of Science. Cambridge, Cambridge University Press, 1958: “There is a sense, then, in which seeing is a ‘theory-laden’ undertaking” [Há um sentido, então, em que a visão é um empreendimento de ‘carga de teoria’ (N. T.)] (p. 19; igualmente, p. 54 ss; 59; 62 etc.)

[6Opere, vol. 8, p. 701; 704; 705.