Página inicial > Filosofia da Ciência e da Técnica > Latour (RCMDF) – fato e fetiche

Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches

Latour (RCMDF) – fato e fetiche

quarta-feira 27 de outubro de 2021

LATOUR  , Bruno. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches. Tr. Sandra Moreira. São Paulo: EDUSC, 2002, p. 45-47

Desde que começamos a avaliar a prática, percebemos que o ator comum?, moderno? ou não, pronuncia exatamente as mesmas palavras? dos negros da Costa e dos adeptos do candomblé, na companhia dos quais iniciei esta pequena reflexão?. O ator comum afirma, diretamente, aquilo que é a evidência? mesmo?, a saber?, que ele é ligeiramente superado por aquilo que construiu. "Somos manipulados por forças que nos superam", ele poderia dizer, cansado de ser sacudido de todos os lados e de ser acusado de ingenuidade?. "Pouco importa se as chamamos divindades?, genes, neurônios, economias, sociedades ou emoções. Nós nos enganamos talvez sobre a palavra? que designaria tais forças, mas não sobre o fato? que elas são mais importantes do que nós." O ator comum poderia continuar a dizer, ao contrário, "temos razão? em dizer que fabricamos nossos fetiches?, já que estamos na origem? dessas forças diversas das quais vocês querem nos privar, nos fazendo de marionetes manipuladas pelas forças do mercado, da evolução?, da sociedade? ou do intelecto?. Talvez nos enganemos sobre o nome? a ser dado? à nossa liberdade?, mas não sobre o fato que agimos de acordo? com outros, que os chamemos divindades ou aliens. O que fabricamos jamais possui ou perde sua autonomia?".

A palavra "fetiche" e a palavra "fato" possuem a mesma etimologia ambígua - ambígua para os portugueses como para os filósofos? das ciências?. Mas cada uma das palavras insiste simetricamente sobre a nuance inversa da outra. A palavra "fato" parece remeter à realidade? exterior?, a palavra "fetiche" às crenças? absurdas [45] do sujeito?. Todas as duas? dissimulam, na profundeza de suas raízes latinas, o trabalho? intenso de construção que permite a verdade? dos fatos como a dos espíritos. É esta verdade que precisamos distinguir?, sem acreditar, nem nas elucubrações de um sujeito psicológico? saturado de devaneios, nem na existência? exterior de objetos? frios e a-históricos? que cairiam nos laboratórios como do céu?. Sem acreditar, tampouco, na crença ingênua. Ao juntar? as duas fontes etimológicas, chamaremos fe(i)tiche a firme certeza? que permite à prática passar à ação?, sem jamais acreditar na diferença? entre construção e compilação, imanência? e transcendência?. [1]

Tão logo começamos assim a considerar a prática, sem mais nos preocuparmos em escolher? entre construção e verdade, todas as atividades? humanas, e não somente aquelas dos adeptos do candomblé ou dos cientistas de laboratório, começam a falar? sobre o mesmo passe, sobre o mesmo fe(i)tiche. Os romancistas não dizem também que são "levados por seus personagens?"? Nós os acusamos, é verdade, de má fé?, submetendo-os primeiramente à questão?: "Vocês fabricam seus livros? Vocês são fabricados por eles?" E eles respondem, obstinadamente, como os negros e como Pasteur, através de uma de suas admiráveis fórmulas, cujo sentido? corre sempre o risco? de ser perdido: "Somos os fios de nossas obras?". E que não venham nos dizer que eles estão se valendo da dialética?, e que o sujeito, ao se autoposicionar no objeto, revela a si próprio, alienando-se através dele, pois os artistas, ao zombarem do sujeito assim como do objeto, passam justamente entre os dois, sem tocar?, em nenhum momento?, nem o sujeito, senhor de seus pensamentos, nem o objeto alienante. [2] Todos aqueles que se sentaram na frente de um teclado de computador, sabem que tais romancistas tinham consciência? do que pensavam sobre aquilo que estavam escrevendo, mas que não se pode, por isso, confundi-los em um jogo? de linguagem? ou imaginar que um Zeitgeist lhes diria o que escrever à sua própria revelia, pela excelente razão que esses manipuladores de segunda categoria? não teriam maior controle sobre tal Zeitgeist do que o autor possui sobre o texto?. Experiência? banal, tornada incompreensível pela dupla suspeita da crítica? e remetida, por esta razão, ao meio?-silêncio? da "simples? prática".


Ver online : Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches


[1Seria necessário acrescentar aqui o artefato - em um sentido emprestado do inglês - e que designa, nos laboratórios, um parasita, tomado erroneamente como um novo ser - como quando Tintin (a despeito das leis da ótica!) tomou uma aranha que passeava sobre o telescópio do observatório por uma estrela que ameaçava a Terra. Ao contrário do fato, o artefato surpreende, porque descobrimos ali a ação humana quando não esperávamos por isso. A palavra assegura, portanto, a transição entre a surpresa dos fatos e a dos fetiches. Não há mais razão para abdicar da palavra "fetiche" como da palavra "fato", sob o pretexto de que os modernos teriam acreditado na crença e quiseram desacreditar os fatos para ater-se aos fetiches. Na verdade, ninguém nunca acreditou nos fetiches, e cada um preocupou-se, astuciosamente, com os fatos. As duas palavras continuam, portanto, intactas. Como a diferença entre os fonemas "fé" e "fait" nem sempre é audível, poderíamos preferir "factiche", entretanto menos elegante (factish, em inglês).

[2Cada pintor poderia dizer que sua tela é "acheiropoeitos" (não feita pela mão do homem), entretanto, ele não espera ingenuamente, vê-la cair do céu inteiramente pronta.