Página inicial > Filosofia da Ciência e da Técnica > Kastrup: a consciência não é produto de uma evolução

Kastrup: a consciência não é produto de uma evolução

terça-feira 26 de outubro de 2021, por Cardoso de Castro

Tradução do início do artigo Consciousness Cannot Have Evolved

A esmagadoramente validada teoria da evolução nos diz que as funções desempenhadas por nossos órgãos surgiram de aumentos associados à adequação à sobrevivência. Por exemplo, a bile produzida pelo fígado e a insulina produzida pelo pâncreas nos ajudam a absorver nutrientes e, assim, sobreviver. Na medida em que é produzida pelo cérebro, nossa consciência fenomenal - ou seja, nossa capacidade de experimentar subjetivamente o mundo e a nós mesmos - não é uma exceção: ela também deve nos dar alguma vantagem de sobrevivência, caso contrário a seleção natural não a teria ajustado em nosso genoma. Em outras palavras, nossa senciência - na medida em que é produzida pelo cérebro - deve desempenhar uma função benéfica; caso contrário, seríamos zumbis inconscientes.

Um problema disso é que, sob as premissas do materialismo, a consciência fenomenal não pode - por definição - ter uma função. De acordo com o materialismo, todas as entidades são definidas e exaustivamente caracterizadas em termos puramente quantitativos. Por exemplo, partículas subatômicas elementares são exaustivamente caracterizadas em termos de, por exemplo, valores de massa, carga e rotação. Da mesma forma, o comportamento de campos abstratos é totalmente definido em termos de quantidades, como frequências e amplitudes de oscilação. Partículas e campos, por si só, têm propriedades quantitativas, mas não possuem qualidades intrínsecas, como cor ou sabor. Somente nossas percepções deles - ou assim prega o argumento materialista - são acompanhadas por qualidades de alguma forma geradas por nosso cérebro.

O materialismo postula que as quantidades que caracterizam as entidades físicas são as que lhes permitem ser causalmente eficazes; isto é, produzir efeitos. Por exemplo, são os valores de carga de prótons e elétrons que produzem o efeito de sua atração mútua. Nos reatores de fissão nuclear, é o valor da massa dos nêutrons que produz o efeito da divisão dos átomos. E assim por diante. Todas as cadeias de causa e efeito na natureza devem ser descritíveis puramente em termos de quantidades. O que quer que não seja uma quantidade não pode fazer parte de nossos modelos físicos e, portanto, na medida em que se presume que esses modelos sejam causalmente fechados, não pode produzir efeitos. De acordo com o materialismo, todas as funções dependem de quantidades.

No entanto, nossa consciência fenomenal é eminentemente qualitativa, não quantitativa. Há algo que sente como ver a cor vermelha, que não é capturada apenas pela observação da frequência da luz vermelha. Se disséssemos a Helen Keller [famosa ativista cega e surda] que o vermelho é uma oscilação de aproximadamente 4,3*1014 ciclos por segundo, ela ainda não saberia como é ver o vermelho. Analogamente, como é ouvir uma sonata de Vivaldi não pode ser transmitida a uma pessoa nascida surda, mesmo se mostrarmos à pessoa o espectro de energia completo da sonata. As experiências são qualidades sentidas - que filósofos e neurocientistas chamam de ’qualia’ - não totalmente descritíveis por quantidades abstratas.

Mas, como discutido acima, as qualidades não têm função no materialismo, pois modelos físicos definidos quantitativamente devem ser causalmente fechados; isto é, suficientes para explicar todos os fenômenos naturais. Como tal, não deve fazer diferença para a aptidão de sobrevivência de um organismo se o processamento de dados em seu cérebro é acompanhado por experiência ou não: seja qual for o caso, o processamento produzirá os mesmos efeitos; o organismo se comportará exatamente da mesma maneira e terá exatamente a mesma chance de sobreviver e se reproduzir. Qualia são, na melhor das hipóteses, extras supérfluos.

Portanto, sob premissas materialistas, a consciência fenomenal não pode ter sido favorecida pela seleção natural. De fato, não deveria existir; todos deveríamos ser zumbis inconscientes, tratando de nossos afazeres exatamente da mesma maneira que realmente fazemos, mas sem uma vida interior que os acompanhe. Se a evolução é verdadeira - e temos todos os motivos para acreditar que é o caso -, nossa própria senciência contradiz o materialismo.