Página inicial > Filosofia da Ciência e da Técnica > de Castro (SEI): dar-se e propor-se da informática

Da essência da informática

de Castro (SEI): dar-se e propor-se da informática

Técnica e informática a partir do pensamento de M. Heidegger

terça-feira 19 de outubro de 2021, por Cardoso de Castro

      

DE CASTRO  , Murilo Cardoso. Sobre a essência   da informática. Técnica e Informática a partir do pensamento   de M. Heidegger  . Tese (Doutorado em Filosofia) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, p. 189. 2005. (revisado)

      

O dar-se e propor-se da informática caracteriza-se exatamente por um conjunto   de dis-posições e dis-positivos que garantem o “dis-por do dis-ponível” enquanto informação, representação da razão   e da memória humanas, para sua exploração. Mas o que está sendo posto em dis-ponibilidade para exploração, pela tecnologia da informação? O próprio   homem  . Sua razão e sua memória passam por dis-posições e dis-positivos que os tratam e processam como informação; armazenam como informação para exploração; e, transmitem e disseminam como informação.

Por outro lado, a produção no dar-se e propor-se da informática não conduz do encobrimento para o desencobrimento. Pelo “deixar-viger” resultante do predomínio das causas material, formal e final na articulação dos modos   de responder e dever   na tecnologia da informação, fica predeterminada a vigência que chega a aparecer   e apresentar-se, nesta produção. Nada chega a “des-encobrir-se” em uma produção regida pela tecnologia da informação, onde o que é “possível” está nela programado, segundo circuitos lógicos, algoritmos e estruturas de dados. Do resultado dessa produção só se pode aferir o correto da produção, mas jamais “abrir ao chegar do des-encobrir-se”.


Ver online : O que é informática e sua essência. Pensando a "questão da informática" com M. Heidegger


HEIDEGGER, Martin. Ensaios e Conferências. Trad. Emmanuel Carneiro Leão, Gilvan Fogel e Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 1954/2002