Página inicial > Filosofia da Ciência e da Técnica > de Castro (SEI): poiesis e instrumentalidade

Da essência da informática

de Castro (SEI): poiesis e instrumentalidade

Técnica e informática a partir do pensamento de M. Heidegger

terça-feira 19 de outubro de 2021, por Cardoso de Castro

      

DE CASTRO  , Murilo Cardoso. Sobre a essência   da informática. Técnica e Informática a partir do pensamento   de M. Heidegger  . Tese (Doutorado em Filosofia) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, p. 189. 2005. (revisado)

      

O deixar-viger concerne à vigência daquilo que, na pro-dução e no pro-duzir, chega a aparecer   e apresentar-se. A pro-dução conduz do encobrimento para o desencobrimento. Só se dá no sentido próprio   de uma pro-dução, enquanto e na medida em que alguma coisa encoberta chega ao des-encobrir  -se. Este chegar repousa e oscila no processo que chamamos de desencobrimento. Para tal, os gregos possuíam a palavra aletheia. Os romanos a traduziram por veritas. Nós dizemos "verdade" e a entendemos geralmente como o correto de uma representação. (Heidegger, 1954/2002, pág. 16)

Produção, no sentido grego de poiesis  , refere-se à confecção artesanal, ao levar a aparecer artisticamente, e refere-se também ao surgir   e elevar-se   por si mesmo   da physis  ; onde “o vigente physei tem em si mesmo o eclodir da produção“, que falta à produção artística.

Assim, algo encoberto   chega ao des-encoberto na produção, no processo do desencobrimento, da aletheia. Desencobrimento funda produção, que por sua vez recolhe em si, atravessa e rege os quatro modos   de deixar-viger a causalidade, à qual pertencem meio e fim, ou seja, instrumentalidade.

Chega-se à instrumentalidade de novo, e, por conseguinte, à técnica, que assim é uma forma de desencobrimento, de re-velação da verdade. O termo técnica, em sua origem   grega, diz mais do que o fazer na habilidade   artesanal, refere-se também ao fazer na grande arte e nas belas-artes. "A techne   pertence à pro-dução, a poiesis, é, portanto, algo poético” (ibid, pág. 17).


Ver online : O que é informática e sua essência. Pensando a "questão da informática" com M. Heidegger


HEIDEGGER, Martin. Ensaios e Conferências. Trad. Emmanuel Carneiro Leão, Gilvan Fogel e Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes, 1954/2002