Página inicial > Modernidade > LusoSofia > Ferreira da Silva (TM:117-118) — Hirt des Seins - pastores do (...)

TRANSCENDÊNCIA DO MUNDO

Ferreira da Silva (TM:117-118) — Hirt des Seins - pastores do ser

Os Pastores do Ser

domingo 10 de outubro de 2021, por Cardoso de Castro

[FERREIRA DA SILVA  , Vicente. Transcendência do Mundo. São Paulo: É Realizações, 2010, p. 117-118]

“Os Pastores do Ser”, Diálogo, São Paulo, n. 1, set. 1955, p. 105-106.

Encontramos a expressão “Pastores do Ser” no conhecido ensaio de Heidegger   intitulado Carta sobre o Humanismo, num trecho em que diz não serem os homens os “Senhores do Ser”, mas unicamente seus “Pastores”. O que pretendem significar essas expressões, à primeira vista tão sibilinas, que transparecem uma opção entre o orgulho e a humildade?

Afirmando que nós, homens, somos os pastores de ser e não seus senhores, Heidegger   aponta para o fato de que somos e realizamos na vida um papel consignado e outorgado a nós por uma Potência superior. As possibilidades que vamos realizando através da vida e do tempo, através da História, nos são conferidas por um poder transumano, que é uma autêntica Officina Libertatis. A vocação do homem é, pois, a de apascentar o ente que lhe foi entregue sob custódia, vigiando para que o seu rebanho não se perca nos desvãos da inautenticidade e nos despenhadeiros das formas ilegítimas. Esse jogo que podemos e devemos jogar é um jogo proposto por uma força que independente do nosso arbítrio. Se, pelo contrário, fôssemos senhores do Ser, poderíamos decidir livremente acerca de tudo e de todos, organizando o tipo de nossa concepção do mundo e da vida e concentrando em nós mesmos a densidade total do Ser.

O homem, entretanto, não condensa em si o tesouro do Ser, o eu humano não representando a figura definitiva da História e o seu remate final, como queria Hegel  . Para esse filósofo, o homem seria aquela verdade cobiçada através de todo o processo histórico e, portanto, a gloriosa e derradeira expressão do processo temporal.

Diferente é o clima e a experiência da vida veiculados pelo enunciado heideggeriano de que somos “os pastores do Ser”. Aqui, o Ser é excêntrico e superabundante em relação ao homem, a sua potência morfogenética excedendo de muito o protagonista temporal hominídeo. Antes do homem e depois do homem, outros sonhos e imagens vitais ocuparam e ocuparão o foco histórico e outros mitos, além do mito humanístico, poderão desfilar pela fresta iluminada de presença a tempo. Toda a corte infinita dos deuses e dos homens é, nessa linha de pensamento, surpreendida em seu amanhecer, florescer e sucumbir, em seu destino governado pela força promotora do Ser, desse Ser que excede as possibilidades humanas, que as instituiu um dia, para um dia também as transcender.


Ver online : VICENTE FERREIRA DA SILVA - TRANSCENDÊNCIA DO MUNDO