Página inicial > Modernidade > LusoSofia > Beneval de Oliveira (1916-1988) > Beneval de Oliveira: Desvelamento do Ser através da Hermenêutica

A Fenomenologia no Brasil

Beneval de Oliveira: Desvelamento do Ser através da Hermenêutica

Temática do Existencialismo Brasileiro

terça-feira 5 de outubro de 2021, por Cardoso de Castro

A Fenomenologia no Brasil, Beneval de Oliveira  , Pallas, 1983


O presente trabalho tem como objetivo enfocar a temática do existencialismo brasileiro. Neste sentido, procuramos pesquisar as origens dessa temática, a partir de uma reinterpretação da filosofia grega, dando ênfase, sobretudo, à ontologia de Martin Heidegger  , justamente por ter esse filósofo despertado maior atenção que os demais filósofos existencialistas entre os nossos estudiosos da matéria.

De outro lado, procuramos analisar a frio, o pensamento de nossos pesquisadores, sem nos deixar levar por inclinações de ordem preferencial.


Hermenêutica, segundo Carneiro Leão  , referindo-se ao verbo hermeneuen significa transmitir, trazer mensagens, Ho hermenéus, o mensageiro, pode ser posto em referência com Hermes, o mensageiro dos deuses. Ele traz e transmite a mensagem do destino que trama as vicissitudes da história dos homens. Nem toda interpretação é uma hermenêutica. Somente aquela que descer até a dinâmica do destino que estrutura a história [1]

Paul Ricoeur   que introduziu, entre nós, vários trabalhos sobre hermenêutica através de livros e ensaios, aludindo às duas maneiras de fundar a hermenêutica na fenomenologia, assevera que a “via curta” de tal ontologia da compreensão, à maneira de Heidegger   é por demais simplista, já que não se adapta a uma epistemologia da interpretação. E chega mesmo a criticar Husserl   que partindo de um universo platonizante em busca de uma epistemologia mas ou menos idealista da consciência puramente interpretativa, acabou abrindo na Krisis, uma brecha para o Lebenswelt, isto é, para o mundo da vida, que vai acabar na ontologia da compreensão heideggeriana. Ricoeur   embora reconhecendo a grandiosidade do Dasein, adverte que esta não daria margem para uma demorada interpretação linguística, em suma, tornaria inviável uma metodologia exegética em termos analíticos, semânticos, etc.

A nós pouco importa esta discriminação, pois Ricoeur   reconhece mesmo que “o compreender torna-se um aspecto do “projeto” do Da-sein e de sua abertura ao ser. A questão da verdade não é mais a do método, porém, a da manifestação do ser, para um ser cuja existência consiste na compreensão do ser. [2] E o projeto do Da-sein que não passa de um modo de ser do ente do compreender de um modo do ser, estaria para ser elevado à categoria de uma epistemologia que no plano da linguagem daria todas as chaves possíveis para se chegar a indicações precisas, a resultados mais ou menos necessários para a elucidação da problemática existencial.

Não deixa de, ser interessante a tese de Ricoeur   e seus projetos analíticos e linguísticos no campo da exegese, capazes de uma formulação de conceitos intelectivos e fixistas.

Mas isto seria tirar a legítima beleza que inspira a ontologia da compreensão heideggeriana, já amplamente enriquecida semanticamente, através das línguas grega e alemã, pois ninguém pode contestar a riqueza destas duas línguas, na plenitude de seus significantes e significados.

A rigor, como já se tem dito, a filosofia existencial de Heidegger  , cuja essência é a existência, é desvelante, com seu brilho próprio, do ser que ilumina o ente. Ora este ente iluminado pelo Ser, não permanece isolado no mundo, ele não é um ser com outro, ou com outros, é um ente que convive com uma pluralidade de entes na base de uma liberdade que é por si mesmo ontológica.

Ora, é exatamente pela palavra, pela linguagem que o ente se comunica com o outro, formando aí o seu mundo intersubjetivo, de intercomunicação, de convivência social, de historicidade, enfim.

Como diz Vicente Ferreira da Silva   [3] “a palavra é o elemento de mediação que nos põe numa realidade revelada e intelegível, numa órbita de possibilidades humanas. Negando e transcendendo a fermentação incoerente dos existentes nos quadros simbólicos de um sistema de significados, o homem ingressa na dimensão histórica, pois a superação humana do sensível, segundo Grassi  , dá-se na palavra. E Heidegger   já observava que a palavra não constituía, propriamente, uma faculdade para o homem, pois ele já mora no ser, o homem existe na verdade do ser que abriga a palavra.

Diz, ainda, Ferreira da Silva   que “acompanhando a concepção meramente instrumental e técnica do pensamento, a palavra também foi estudada como um meio de domínio e de controle do Ente. A relação entre a linguagem e as coisas patenteou-se como uma relação intramundana entre duas classes de Entes. Com isto se dissimulou o acontecimento original da palavra, que permite que o Ente reine e se manifeste. A palavra - instrumento não realiza, entretanto, a possibilidade íntima do dizer. A interpretação falaciosa da essência da linguagem é atribuída por Heidegger   ao predomínio da metafísica da subjetividade que determinou e continua a determinar todas as nossas categorias filosóficas. [4] E citando Heidegger  : “A decadência dá linguagem não é o fundamento, mas sem uma das consequências do fato de que a palavra, sob o domínio da metafísica da subjetividade, foi continuamente arrancada ao seu elemento. Costumamos representar a essência da linguagem como uma circunstância simbólica, intencionalmente dirigida para um mundo de significados objetivos. A linguagem seria um dos, expedientes inventados pelo eu para comunicar e assegurar seus conteúdos mentados. Heidegger   entende que devemos pensar a palavra sob um ponto de vista inteiramente novo e revolucionário. Quando, entretanto, a verdade do ser tornar-se pensável pelo pensamento, a reflexão sobre a essência da palavra terá adquirido uma nova importância. Poderemos compreender, então, prossegue Ferreira da Silva   de que modo a palavra possa constituir a morada do ser, e de que modo pode o homem, ek-xistindo, habitar essa morada. Nesta concepção, o homem passa a ser interior à palavra, instituído em sua configuração histórica particular pela abertura projetante do dizer poético. No Holzwege, encontramos esta afirmação: “Quando a palavra nomeia pela primeira vez o Ente, este nomear traz o Ente à linguagem e à manifestação. E através da linguagem, do edifício invisível da palavra, que estamos expostos ao Ente revelado; a palavra é pois o jato de luz que franqueia um mundo à humanidade histórica. A linguagem assim compreendida é essencialmente poesia, isto é, palavra que nomeia os entes naquilo que eles são” [5]

Tão importante para Heidegger   é a palavra que ele mesmo no seu Holzwege, traduzido para o francês Chémins qui ne mènent nulle part, estuda com rara beleza, a significação da palavra como horizonte do ser, esta palavra que, entretanto, expõe ininterruptamente o homem ao risco, isto é, o ser libera o ente ao risco. E é esta liberação que projeta o ente, abandonando-o na aventura de ser no mundo.

Hölderlin   e Rilke são dois poetas prediletos de Heidegger   que foram apreciados para a explicitação de sua temática que leva o homem inapelavelmente ao abandono. O homem, como ser, traz dentro de si a vontade que tem um caráter de autocomando, mas que imbuindo-se de caráter imperativo pode conduzi-lo a situações perigosas que são capazes de complicar-lhe a existência. Neste ponto, Heidegger   diz que o homem é mais arriscado, isto é, é mais levado ao risco que os demais animais em face do caráter totalitário do querer. Entende que ele se condena ao desabrigo por imposição de seu próprio querer. Neste caso, ele só se abriga no seu interior, isto é, dentro de si próprio. Conforme os casos, tem de velar seus intentos e seus propósitos para sobreviver, sobretudo, num mundo ultracompetitivo, como o que estamos vivendo. O ser então tem de ser o guia do ente como tal.

A palavra constitui sempre um risco e o dizer é daquele que mais se arrisca, pois todo ente é um arriscado para o ser.

Compreende-se, agora, em toda linha, a amplitude e a profundeza da ontologia da compreensão em Heidegger   cujo ser tem evidente a sua delimitação, como ser e vir-a-ser, como Ser e Aparência, como Ser e Pensar, como Ser e Dever Ser, conforme se lê na “Introdução à Metafísica”, na correta tradução de Emanuel Carneiro Leão   para “Tempo Brasileiro”.

E foi sentindo a profunda significação da temática do desvelamento do ser pela palavra e da compreensão em Heidegger   que o. conhecido psiquiatra e psicanalista Ludwig Binswanger   introduziu a filosofia existencial heideggeriana na Psicanálise freudiana em seu conhecido trabalho “Introduction à l’Analyse Existencielle”, [6] mostrando como a palavra ou o modo de ser do ente intramundano pode ser utilizada com sucesso pelos analistas na terapia psicanalítica, evidentemente, pelo desocultar das coisas que estão ocultas na mente.


BIBLIOGRAFIA

  • 01) BINSWANGER, Ludwig - Discours, parcours, et Freud - Éditións Gallimard - Paris - 1970. Ensaios que entrelaçam uma série de discursos acerca da aplicação do Da-sein heideggeriano na Psicanálise.
  • 02) BINSWANGER, Ludwig - Introduction a L’Analyse Existencielle - Les Éditions de Minuit - Paris - 1971. Novos ensaios do autor da Daseinanalyse, estudando as relações existentes entre sonho e vigília, delírio e razão, afecções psicossomáticas e modos de ação psiquiátricas e psicoterapêuticas.
  • 03) BORNHEIM, Gerd A. - Dialética, Teoria, Praxis - Editora Globo - Editora da Universidade de São Paulo - Ensaio crítico da fundamentação ontológica da dialética. O autor faz uma crítica do problema da finitude em Heidegger, sobretudo, na questão da praxis.
  • 04) CARNEIRO Leão, Emanuel - Aprendendo a pensar - Vozes - Coletânea de artigos tendo como base o sentido existencial da vida.
  • 05) DUFRENNE, Mikel - Estética e Filosofia. Persepctiva - São Paulo. Estudo da estética fenomenológica com um capítulo destinado ao estudo do poeta grego Pindaro, através do livro de Jacqueline Duchemin Pindare poeta et prophète.
  • 06) DILTHEY, W. - Escritos Reunidos - E. Weniger, 1944 Leipzig - Embora sendo considerado um filósofo da vida, Dilthey pode figurar como um historiador da existência humana. Sua posição de filósofo histórico está bem definida neste trabalho.
  • 07) FERREIRA DA SILVA, Vicente - Obras Completas vol. 1. Edição da R.B.F. São Paulo, Coletânea de artigos de filosofia, dentre os quais se destacam os que estudam a filosofia existencial de M. Heidegger.
  • 08) GURWITCH, Georges - Las Tendências Atuales de La Filosofia Alemana - Aguilar Editores - Madrid. 1928. Estudos filosóficos em torno de Husserl, Sheler, Lask, Hartman e Heidegger, fazendo clara exposição dos temas da filosofia contemporânea.
  • 09) HEIDEGGER, Martin - L’Étre et le Temps - Gallimard - 1964 - Estudo da primeira obra de Martin Heidegger em que são expostos os principies básicos da sua filosofia do sentido do ser.
  • 10) HEIDEGGER, Martin - Chemins qui ne ménent nulle pari - alemão Holswege - Gallimard, Paris. Estudo de vários temas de filosofia existencial de Heidegger, incluindo “A origem da obra de arte” e a Palavra de Anaximandro.
  • 11) HEIDEGGER, Martin - Que é Metafísica. Duas Cidades. São Paulo, 1969. Textos de Heidegger desenvolvendo temas relacionados com a ontologia do prof. de Friburg.
  • 12) HEIDEGGER, Martin - Introdução à Metafísica. Tempo Brasileiro. Tradução de Emanuel Carneiro Leão. Livro básico para a compreensão do problema do esquecimento do Ser. Porque o ser e não apenas, o Nada?
  • 13) HEIDEGGER, Martin - Ensaios I. II e III Gallimard - Novos Artigos em torno da temática heideggeriana sobre finitude, temporalidade, a caverna de Platão, etc.
  • 14) LÉVINAS, Eminanuel - En Découvrant L’Existence avec Husserl et Heidegger - Vrin - Paris, 1974 - Conferências e Estudos em torno da fenomenologia de Husserl e Heidegger.
  • 15) RICOEUR, Paul - O Conflito das Interpretações Imago Editora, 1978 - Seu objetivo central consiste em enfrentar os grandes desafios do pensamento contemporâneo. Trata-se de assumir filosoficamente a tensão dos conflitos que nos envolvem no plano do pensamento.
  • 16) STEIN, Ernildo - Em busca de uma ontologia da Finitude. Este trabalho é parte de um Curso de Metafísica instituído pelo autor na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 1969. Pub. na Revista Brasileira de Filosofia.

[1NA: Carneiro Leão, E. - Op. cit. p. 195.

[2NA: Ricoeur, Paul - O Conflito das Interpretações. IMAGO Ed. p. 12.

[3NA: Ferreira da Silva, Vicente - Obras Completas IBF. S. Paulo, p. 121.

[4NA: Ibid. p. 262.

[5NA: Ibid. p. 262.

[6NA: Binswanger, Ludwig - Introduction à L’Analyse Existencielle, Editions de Minuit, Paris.