Página inicial > Arte e Simbolismo > Literatura > Pessoa: ÁTRIO

Fernando Pessoa e a filosofia hermética

Pessoa: ÁTRIO

Org. do espólio de Yvette Centeno

sexta-feira 1º de agosto de 2014, por Cardoso de Castro

Excertos do espólio de Fernando Pessoa   contido no livro «Fernando Pessoa   e a filosofia hermética», org. por Yvette Centeno.

Á trio

No ultimo e excelso sentido, a Loja é o arcano ou arca da Verdade. O Mestre e os Dois que estão com ele no governo da Loja são o símbolo das Três Verdades fundamentais ou cabalísticas. Os dois que, com estes três, formam os Cinco que completam a Loja, são símbolo dos Dois princípios externos ou de Relação, per meio dos quais a Verdade não é Erro. E os outros dois, per meio dos quais a Loja fica perfeita, são os símbolos dos Dois últimos princípios, per meio dos quais a Verdade pode descer ao nosso conhecimento, se nós soubermos subir a ela

Os três princípios que formam a Loja são: (1) Jehovah não é Deus, (2) Adam não é Homem, (3) Eva nunca existiu. Os dois princípios que completam a Loja são: (4) No principio foi (ou era) o Verbo, (5) E o Verbo se tornou Carne. Os dois últimos princípios, pelos quais a Loja se torna perfeita, são: (6) O que está em cima é como o que está em baixo, e (7) Quando o discípulo está pronto, o Mestre está pronto também.

(6) De Deus nascemos, em Jesus morremos, pelo Spirito Sancto ressurgimos, (7) Bendito seja Deus nosso Senhor, que nos deu o Verbo.

Assim, em seu intimo e verdadeiro sentido, exposto entre nevoas para que se perca quem não sente o caminho, se descobre a verdade da F  .M., como um Magno Mistério Cristão

1 ou, Em Deus somos entrados, em Jesus passados, pelo Spirito Sancto erguidos.

Na FM não estão, é certo, tão patentes os mistérios sagrados como no Rito Latino, nem ha grau ou ordem nela que atinja a altura em que está o Pontífice Romano. Mas assim como a Rocha de Pedro é um dos Símbolos da Verdade, assim o é a Maré de Paulo — outro modo, devidamente entendido da Scylla e da Charybdes, a rocha e o redemoinho, entre os quais singra a Realidade material, na velha simbologia pagã.

(Esp. 53B-84)