Página inicial > Arte e Simbolismo > Literatura > Pessoa: ÁTRIO

Fernando Pessoa e a filosofia hermética

Pessoa: ÁTRIO

Org. do espólio de Yvette Centeno

sexta-feira 1º de agosto de 2014, por Cardoso de Castro

Excertos do espólio de Fernando Pessoa   contido no livro «Fernando Pessoa   e a filosofia hermética», org. por Yvette Centeno.

Á trio

Os caminhos do simbolismo, sobretudo desde que se entra na estrada mística ou interpretativa, são cheios de ilusões, de devaneios e de fraudes. O profano a eles não sabe em que fundar-se do que lê nos autores da especialidade, de tal modo se misturam, nas obras de quase todos eles, o sentido certo, a fantasia delirante e a fraude consciente e semiconsciente E isto é extensivo ás próprias personalidades dos mistos e dos epoptas antigos e modernos. É fora de duvida que Cagliostro era um charlatão; mas não é menos fora de duvida que era também, e paralelamente, um alto iniciado. É fora de duvida que Madame Blavatzky era um espirito confuso e fraldoso; mas também é fora de duvida que recebera uma mensagem e uma missão de Superiores Incógnitos. Nos nossos dias ha um exemplo estrondoso da mesma mistura (NOTA: provavelmente tratar-se-ia de Aleister Crowley); não o cito explicitamente por motivos fáceis de compreender

Estas coisas desorientam os profanos, e ainda mais os sinceros que os curiosos. É natural que o individuo, dentro ou fora da O. M., que saiba que o REAA — que nem é e. nem ant. nem ac. — é baseado numa complexa sobreposição de fraudes, incluindo um diploma falsificado, imediatamente conclua que todo o rito é da mesma ordem e do mesmo valor que esses seus títulos. Esta conclusão seria errônea Ha muito de valia no rito, mas o pior é que o elemento fraudulento se introduz na própria substancia da estrutura dos graus e dos rituais, de sorte que só quem tenha conhecimentos superiores aos que o rito inteiro ministra pode, em certo modo, destrinçar o que está certo do que é falso ou errado; e, pela natureza das coisas, os que estão passando através do rito raras vezes terão graus ou conhecimentos que excedam o conteúdo dele e portanto os habilitem a conhecer o caminho.

(Esp. 53B-82)