Página inicial > Imaginal > Literatura > Dostoyevsky: AS MULHERES POBRES

OS IRMÃOS KARAMAZOV

Dostoyevsky: AS MULHERES POBRES

Tradução de Natália Nunes e Oscar Mendes

quarta-feira 30 de julho de 2014, por Cardoso de Castro

    

Seleção do texto em « Églises Russes » (org. J. Cantou).

— Moramos na cidade, bátiuchka; somos do campo  , mas moramos na cidade. Vim para ver-te. Ouvimos falai de ti, bátiuchka. Enterrei meu filhinho bem novo, fui rogar a Deus  , estive em três conventos e disseram- me: "Vai lá embaixo também, Nastássiuchka", isto é, vir ter com o senhor, bátiuchka, com o senhor. Vim, estava ontem de noite na igreja e eis-me aqui.

— Por que choras?

— Choro pelo meu filho, bátiuchka; ele estava com três anos, ia fazê- los dentro de três meses. Ê por causa   dele que me atormento. Era o último; Nikítuchka e eu tivemos quatro, mas os meninos não ficam em nossa casa  , bem-amado  , não ficam. Enterrei os três primeiros, não tinha tanto pesar, mas este último, não posso esquecê-lo. É como se tivesse ficado diante de mim, não se vai embora. Estou de alma   ressequida. Contemplo sua roupinha, sua camisinha, suas botinas, e soluço. Exponho tudo quanto restou depois dele, cada coisa, contemplo-as e choro. Digo a Nikítuchka, meu marido: "Ah, meu senhor, deixa-me ir em peregrinação". Ele é cocheiro  , temos de tudo, meu pai, temos de tudo, vivemos por nossa conta, tudo nos pertence, os cavalos e os carros. Mas de que servem agora todos esses bens? Sem mim, meu Nikítuchka deve ter-se posto a beber, decerto, e, já antes, assim que eu me afastava fraquejava ele. Mas agora não penso mais nele, há três meses que abandonei a casa. Esqueci tudo e não quero mais lembrar-me de nada; que farei dele agora? Rompi com ele e com todos. E agora não desejaria ver minha casa e meus bens e preferiria mesmo ter perdido a vista.

— Escuta, mãe — proferiu o stáriets. — Outrora um grande santo avistou no templo   uma mãe que chorava como tu, também por causa de seu filho único que o Senhor havia igualmente chamado a si. "Não sabes", disse-lhe o santo, "como são atrevidas essas criancinhas diante do trono de Deus? Não há mesmo ninguém mais atrevido, no reino dos céus  . ’Senhor. Tu nos deste a vida’, dizem eles a Deus, ’mas apenas vimos o dia. Tu no-la tomaste.’ Pedem e reclamam tão atrevidamente que o Senhor faz deles logo anjos  . Por isso", disse o santo, "rejubila-te e não chores, teu filho acha- se agora na casa do Senhor, no coro dos anjos." Eis o que disse, nos tempos antigos  , o santo à mulher que chorava. Era um grande santo e nada podia dizer-lhe que não ’fosse verdade. Sabe pois, mãe, que teu filho também se acha decerto diante do trono do Senhor, regozija-se, diverte-se e roga a Deus por ti. Podes chorar, mas rejubila-te. A mulher escutava-o, com a face na mão, inclinada. Suspirou profundamente.