PhiloSophia

PHILO = Apreço + SOPHIA = Compreensão

Version imprimable de cet article Version imprimable

Accueil > Arte e Simbolismo > Século XX > Gustav Meyrink (1868-1932) > Meyrink : SENDAS — VIDA E MORTE

O GOLEM

Meyrink : SENDAS — VIDA E MORTE

Trad. de Agatha M. Auersperg

mardi 29 juillet 2014

Excertos da tradução em português de Agatha M. Auersperg

O que me deixava completamente desnorteado era a impossibilidade? que eu? estava sentindo de me admirar dos acontecimentos.

Hillel adivinhou meu pensamento?, porque sorriu enquanto me ajudava a me levantar da maca. Apontou para uma poltrona e disse :

— De fato?, não? há nada? de extraordinário?. Somente os sortilégios — os kichouph — despertam o medo nos corações dos homens. A vida? perturba e queima como um? cilício, mas os raios luminosos do mundo? espiritual são quentes e suaves.

Fiquei calado, pois não sabia o que responder. Parecia também que ele não estava esperando resposta alguma. Sentou em frente a mim e continuou serenamente :

— Um espelho de prata — se ele tivesse a capacidade? de sentir alguma coisa? — sofreria somente na hora do polimento. Mas depois de ficar liso e brilhante, ele reflete todas as imagens sem sentir dor? e nem emoção?.

Continuou suavemente : — Feliz o homem? que pode dizer : eu fui polido.

Pareceu refletir um instante? e logo ouvi que murmurava uma sentença? em hebraico : — Lischouosecho Kiwisi Adoschem. (Confio em sua ajuda, ó Eterno) — Sua voz voltou clara e ouvi que dizia :

— Tu vieste a mim num sono profundo? e eu te despertei. No salmo de Davi está escrito :

"Então eu falei para mim mesmo? : aqui eu começo? : foi a direita de Yahveh que conseguiu esta mudança?."

Quando os homens se levantam do leito, pensam ter? abandonado o sono e não sabem que são vítimas de seus próprios sentidos, tornando-se presas a um sono muito mais profundo daquele do qual acabam de despertar. Só existe um verdadeiro? despertar e é deste que tu te aproximas agora?. Se falares disso aos homens eles te dirão que estiveste doente. Por isso seria inútil e cruel falar? com eles.

Eles passam como uma torrente. . .

E parecem adormecidos.

Como uma erva que logo murchará.. .

Que será arrancada ao anoitecer e secará.

— Quem era o homem estranho que foi me visitar em meu quarto e que me deu o livro "Ibbur" ? Quando eu o vi, eu estava desperto ou estava sonhando ? Eu estava querendo perguntar isso a Hillel, mas ele respondeu antes mesmo que eu pudesse formular? meu pensamento com palavras :

— Digas a ti mesmo que o homem que te visitou e que tu chamas de Golem significa o despertar da morte? por meio? da mais íntima vida espiritual. Aqui na terra? as coisas? são simplesmente símbolos? eternos cobertos de pó.

Todas as formas que vês, tu as imaginaste com os olhos. Tudo que está concretizado numa forma?, antes era somente espírito?.

Estava percebendo que ideias? que antes pareciam firmes em meu cérebro estavam se desprendendo e navegando sem rumo, como navios sem leme sobre um mar infinito?.


Voir en ligne : Literatura