Página inicial > Medievo - Renascença > Escada Santa II

Escada Santa II

terça-feira 29 de março de 2022

CAPÍTULO II — Da mortificação das paixões e vitória sobre apetites e afetos

AQUELE que ama verdadeiramente a Deus e que verdadeiramente deseja gozar do reino dos Céus; aquele que verdadeiramente se arrepende de seus pecados e que deveras está impressionado com a memória das penas do inferno e do juízo final, e com o temor da morte, — este coisa alguma amará desordenadamente. Não lhe fatigarão os cuidados do dinheiro, nem da fazenda, nem dos pais, nem dos irmãos, nem de qualquer outra coisa mortal e terrena; mas antes, abominando e sacudindo de si todos os cuidados, e aborrecendo com um santo ódio sua mesma carne, despido de tudo, seguro e ligeiro seguirá a Jesus Cristo, com os olhos sempre no Céu, donde, com toda a confiança, esperará o socorro, segundo as palavras do Profeta, que diz: Eu não me turbei, seguindo-te, Pastor meu, e nunca desejei o dia do homem, isto é, o descanso e felicidade que sabem desejar os homens. Grandíssima confusão é, por certo, a daqueles que, depois de sua vocação, isto é, depois de terem sido chamados, não por homens mas por Deus, olvidados disso, se aplicam a outros cuidados que, na hora da última necessidade, não os possam valer: isto, como disse o Senhor, seria voltar a cabeça para traz depois de ter posto a mão a charrua, e, portanto, não ter aptidão para o reino dos Céus; e ele o disse como quem sabe quanto são escorregadios os primeiros princípios da nossa profissão, e quão facilmente voltaremos ao século, se tivermos conversação familiar com pessoas do século. A um mancebo que lhe disse: Dá-me, Senhor, licença para ir enterrar meu pai, ele respondeu: Deixa aos mortos o enterrar seus mortos.

Soem os demônios, depois de havermos deixado o mundo, pôr-nos diante dos olhos alguns homens misericordiosos e esmoleres, que vivem no mundo, fazendo-nos notar as virtudes que eles têm e de que carecemos, e fazendo-nos crer que eles são bem-aventurados e nós outros uns miseráveis pecadores: isto fazem os demônios, muitas vezes, para que, sob a capa desta adúltera e falsa humildade, nos devolvam ao mundo, ou para que, permanecendo em Religião, vivamos desconfiados e desconsolados nela. Há alguns Religiosos que, com soberba e presunção, desprezam, como aquele Fariseu do Evangelho, os homens que vivem no mundo, não se recordando de que está escrito:—Aquele que está em pé, trate de não cair. Outros há que, não por soberba, mas para evitar este despenhadeiro da desconfiança e conceber maior esforço e alegria por se verem livres do mundo, desprezam ou, ao menos, dão pouca estimação aos costumes dos que nele vivem. Mas, todos nós que temos em pouco nossa profissão, lembremo-nos de que o Senhor disse àquele mancebo que havia guardado quase todos os mandamentos: uma coisa te falta; vai e vende teus bens e dá-os aos pobres e faz-te por amor de Deus pobre e necessitado de alheia misericórdia. Por aí se vê que, sobrepujando em virtudes aos que vivem no mundo, nada mais fazemos do que aquilo que é próprio da nossa profissão. Se desejamos correr ligeira e alegremente por este caminho, estimando-o no que ele merece, consideremos atentamente que o Senhor chamou mortos aos homens que no mundo vivem, dizendo a um deles: Deixa aos mortos o enterrar seus mortos. Não foram causa as riquezas para que aquele mancebo rico deixasse de receber o batismo (e claramente se enganam os que pensam que por esta causa lhe mandava o Senhor vender sua fazenda): não era esta a causa, mas sim querer levantá-lo à altura do estado de nossa profissão. E para ser reconhecida a glória dela, deveria bastar este argumento: aqueles que, vivendo no mundo, se exercitam em jejuns, vigílias, trabalhos e outras semelhantes aflições, quando entram na vida monástica, como em uma oficina e escola de virtude, não fazem caso daqueles primeiros exercícios; e, pressupondo-os muitas vezes adúlteros e fingidos, começam com outros novos fundamentos. Vi muitas e diversas plantas de virtudes de homens que viviam no mundo, as quais se regavam com a água lodosa da vanglória, se mondavam com ostentação e aparência de mundo, e se estercavam com o estrume dos louvores humanos; vi que estas plantas, transplantadas para terra deserta, apartadas da vista e companhia dos homens, e privadas do sobredito lavor, logo secaram, porque as árvores criadas com este trato, não sabem dar fruto em terra seca.

Quem tiver perfeito ódio ao mundo, estará livre de tristeza do mundo; mas quem está tocado da afeição das coisas do mundo, não estará de todo livre desta paixão, porém dificilmente deixará de entristecer-se quando se achar privado do que ama. Em todas as coisas temos necessidade de grande temperança e vigilância; mas, sobretudo, nos havemos de extremar em procura desta liberdade e pureza de coração.

Conheci no mundo alguns homens, que, vivendo com muitos cuidados, ocupações, aflições e vigílias do mundo, ainda assim escaparam dos movimentos e ardores da própria carne; entretanto, estes mesmos, entrando nos mosteiros, aí vivendo livres de cuidados, caíram torpe e miseravelmente nestes vícios. Observem-nos muito, olhemo-nos muito para nós mesmos, afim de que não nos aconteça que, pensando caminhar por caminho estreito e dificultoso, caminhemos por caminho largo e espaçoso, e assim vivamos enganados. Estreito caminho é a aflição do ventre, a perseverança nas vigílias, a água por medida, o pão por taxa, o beber a purga saudável das ignomínias e vitupérios, a mortificação de nossas próprias vontades, o sofrimento das ofensas, o menosprezo de nós mesmos, a paciência sem murmuração, o tolerar fortemente as injúrias, e não indignar-se contra os que nos infamam, o não queixar-se dos que nos desconsideram, e o abaixar-se humildemente aos que nos consideram. Bem-aventurados os que por esta via caminham, porque deles é o reino dos céus. Ninguém entra no tálamo celestial para receber a coroa dos grandes santos, se não tiver cumprido a primeira, a segunda, e a terceira maneira de renúncia, convém saber: primeiramente, há de renunciar o que estiver fora de si, como são os pais, parentes, amigos e tudo o mais; em segundo lugar, há de renunciar sua própria vontade; em terceiro lugar, há de acautelar-se contra a vanglória, que muitas vezes sabe acompanhar a obediência, sendo que a este vício mais sujeitos estão os que vivem em companhia do que os que moram em soledade. Sai, disse o Senhor, do meio deles, apartai-vos e não toqueis em coisa suja ou profana. Pois, quem dos homens do mundo fez milagres? Quem ressuscitou os mortos? Quem expeliu os demônios? São estas as insígnias dos verdadeiros monges, as quais o mundo não merece receber, porque, se as merecesse, supérfluos seriam os nossos trabalhos e a solidão de nossas celas.

Quando, depois da nossa renúncia, os demônios incendiam importunamente o nosso coração com a memória de nossos pais e irmãos, então principalmente temos de tomar contra eles as armas da oração e de inflamar nosso coração com a memória do fogo eterno, para com ela apagarmos a chama danosa daquele outro fogo.

Os mancebos que, depois de se haverem dado a deleites e vícios da carne, querem entrar em Religião, procurem excitar-se com toda a atenção e vigilância em honestos trabalhos; e determinem abster-se de todo o gênero de vícios e deleites, afim de que não venham ter piores os fins do que tiveram os princípios. Muitas vezes o porto que costuma ser de salvação, também o é de perigos, como bem o sabem aqueles que navegam por este mar espiritual. E coisa miserável é perderem-se no porto os navios que estiveram salvos em alto mar.