Página inicial > Medievo - Renascença > Stethatos Capítulos Gnósticos 61-70

Stethatos Capítulos Gnósticos 61-70

terça-feira 29 de março de 2022

Contribuição e tradução de Antonio Carneiro

Philocalie des Pères Neptiques, Nicétas Stéthatos, Abbaye de Bellefontaine, 1982, 183 p., ISBN 2.85589.954.0, tradução francesa da 4a. edição grega de Atenas, 1976, sob a responsabilidade de P. Boris BOBRINSKOY e do Grupo de Tradução da Philocalie - PHILOCALIE, este fascículo 4 foi revisto por R.P.Lucien REGNAULT, OSB, monge de Solesmes, introdução e tradução de Jacques Touraille - Jacques TOURAILLE.

61. Se então a instrução do Senhor abre os ouvidos de todo homem que o reverencia, e lhe acrescenta até mesmo um ouvido para entender e lhe dá uma língua de discípulo para conhecer quando é preciso dizer uma palavra (Is. 50,4-5), quem outro faz recuar os prudentes e os sábios deste mundo e torna louca suas sabedorias (Is. 44,25)? Quem outro confirma as palavras de seus servidores? Quem outro, senão ele mesmo que faz coisas novas e maravilhosas por sua glória, que traça no coração deserto e seco o caminho da humildade e da doçura, que faz jorrar, na reflexão árida e sem água, rios de sabedoria inefável, para regar sua raça eleita, o povo que ele guarda a fim de contar suas virtudes (1 Pedro 2,9). Pois ele caminha diante daqueles que o amam e o reverenciam, aplaina as montanhas das paixões, quebra as portas de bronze da ignorância, abre as portas do conhecimento, e lhes revela na treva seus tesouros escondidos e invisíveis, para que saibam que é ele mesmo o Senhor Deus que os chama por seu nome: Israel (Is 45, 1-3).

62. Quem é aquele que agita o mar das paixões (vide Mt XIV, 22-33 ) e pára as ondas?. É o Senhor das Potestades (vide: capítulo VIII 4 e capítulo XI 1 em Hierarquia Celeste. Libera aqueles que amam o perigo do pecado. Transforma em calma a tempestade dos pensamentos, coloca suas palavras nas bocas deles (Jer 1,9) e os cobre da sombra de suas mãos sob a qual estendeu o céu e fundou o mar. Ele mesmo dá àqueles que o reverenciaram uma língua de discípulo (Is 50,4), e um ouvido inteligente, para escutar sua voz do alto e para anunciar os mandamentos à casa de Jacó, à Igreja dos fiéis. Mas, naqueles que não tem olhos para ver os raios do Sol da justiça, nem ouvido para escutar as maravilhas da glória de Deus, o destino da ignorância é a obscuridade, e a esperança é vã como as palavras. Nenhum desses aí diz o que é justo. Não existe neles julgamento de verdade. Eles se confiam em vanglórias. E o que dizem é vazio. Concebem a inveja, e fazem nascer a difamação. Seus ouvidos são incircuncisos, e não podem escutar. É porque a palavra do conhecimento de Deus lhes torna uma reprimenda, e eles não querem escutá-la.

63. Que sabedoria tem nesses que são invejosos dos seus próximos? “Como diz Jeremias (8,8-9), os malevolentes podem dizer: Somos sábios, e : A lei do Senhor está conosco, se então se consomem de inveja diante daqueles que recebem a graça do Espírito pela sabedoria e o conhecimento de Deus? Mas, o falso conhecimento dos escribas e dos sábios deste mundo foi vão. Perderam o caminho da verdadeira ciência.” É porque os sábios decaídos da sabedoria do Consolador (vide Paracleto - parakletos ) ficaram confundidos ao ver isso crescer nos filhos dos pecadores, e tiveram medo do poder de suas palavras. Ficaram presos nas redes de seus pensamentos, e a partir deste momento rejeitaram a verdadeira sabedoria e o conhecimento do Senhor.

64. Porque esses homens foram consumidos pela inveja em direção àqueles que se enriqueceram pela graça do Espírito, aqueles que receberam a língua de fogo ( Pentecostes ) como pluma de um escriba alerta (Sal 45,2), enquanto que eles mesmos abandonaram a fonte da sabedoria de Deus ? Pois se tinham seguido o caminho de Deus, permaneceriam para sempre na paz da impassibilidade. Teriam aprendido onde está a razão, onde está a força, onde está a “inteligência”, onde está o conhecimento dos seres, onde está a longevidade, onde está a vida, onde está a luz dos olhos, onde estão a sabedoria e a paz (Baruc 3,14). Teriam aprendidos quem achou o lugar da sabedoria e quem penetra em seus tesouros. Teriam aprendido como Deus por seu profeta dá suas ordens aos iniciados de sua palavra quando diz: “Que o profeta que recebeu em um sonho uma revelação conta o que viu no sonho. E que aquele que escutou minha palavra proclama minha palavra com toda a verdade (Jer 23,28).” E ainda: “Escreve para ti em um livro todas as palavras que te disse (Jer 36,2)”. Desde então, nunca teriam sido consumidos pela inveja em direção à tais homens.

65. Se um Etíope pode mudar sua pele e um leopardo suas pintas (Jer 13,23), os malevolentes, também, poderão dizer e projetar o bem sempre pensando no mal. Enganam sob a mentira seus próximos, pois avançam com astúcia (Jer 9,4) e representam para seus amigos. Não dizem a verdade. Pois suas línguas não sabem mais falar senão uma linguagem vã e falsa (Jer 9,5). Compreendes então, que pelo conhecimento e pela palavra de Deus que estão em ti és invejado e desprezado por eles. Reza assiduamente e diz como Jeremias: “Senhor, lembra-te de mim, visita-me, guarda-me desses homens perversos que me perseguem. Em tua paciência, querendo muito tempo me provar, não me rejeite. Saiba que sou o opróbrio (vide: Heb: 11,26; 13,13) daqueles que rejeitam teu conhecimento. Os consume em sua inveja. E a palavra de teu conhecimento fará o regozijo e a alegria de meu coração. Pois nunca me sentei na assembleia daqueles que se escarnecem de teu conhecimento. Porém, estou confiado à tua mão. Estou sentado na solidão, pois suas invejas me encheram de amargor. Entenderás, o sei bem, uma vez que fazes voltar de sua via o desviado.” “Eu te restabelecerei entre meus amigos. Estarás diante minha face. Se daquele que é indigno fazes sair o que é nobre, serás como minha boca. Livrar-te-ei da mão dos malvados que te ultrajaram, disse o Senhor Deus de Israel (Jer 15,15-21).”


Ver online : Philokalia