Página inicial > Antiguidade > Batismo de Jesus (Mt 3,13-17; Mc 1,9-11)

EVANGELHO DE JESUS

Batismo de Jesus (Mt 3,13-17; Mc 1,9-11)

quinta-feira 25 de agosto de 2022, por Cardoso de Castro

    

Mt 3:13-17; Mc 1:9-11

    

Mt 3,13-17

mt  .3.13 τοτε [THEN] παραγινεται ο [COMES] ιησους [JESUS  ] απο της [FROM] γαλιλαιας [GALILEE] επι [TO] τον [THE] ιορδανην [JORDAN] προς τον [TO] ιωαννην του [JOHN,] βαπτισθηναι [TO BE BAPTIZED] υπ [BY] αυτου [HIM.]

mt.3.14 ο δε ιωαννης [BUT JOHN] διεκωλυεν [WAS HINDERING] αυτον [HIM,] λεγων [SAYING,] εγω [I] χρειαν [NEED] εχω [HAVE] υπο [BY] σου [THEE] βαπτισθηναι [TO BE BAPTIZED,] και [AND] συ [THOU] ερχη [COMEST] προς [TO] με [ME?]

mt.3.15 αποκριθεις [ANSWERING] δε ο [BUT] ιησους [JESUS] ειπεν [SAID] προς [TO] αυτον [HIM,] αφες [SUFFER «IT»] αρτι [NOW;] ουτως γαρ [FOR THUS] πρεπον [BECOMING] εστιν [IT IS] ημιν [TO US] πληρωσαι [TO FULFIL] πασαν [ALL] δικαιοσυνην [RIGHTEOUSNESS.] τοτε [THEN] αφιησιν [HE SUFFERS] αυτον [HIM.]

mt.3.16 και [AND] βαπτισθεις ο [HAVING BEEN BAPTIZED] ιησους [JESUS] ανεβη [WENT UP] ευθυς [IMMEDIATELY] απο [FROM] του [THE] υδατος [WATER   :] και [AND] ιδου [BEHOLD,] ανεωχθησαν [WERE OPENED] αυτω [TO HIM] οι [THE] ουρανοι [HEAVENS,] και [AND] ειδεν [HE SAW] το [THE] πνευμα του [SPIRIT  ] θεου [OF GOD  ] καταβαινον [DESCENDING] ωσει [AS] περιστεραν [A DOVE,] και [AND] ερχομενον [COMING] επ [UPON] αυτον [HIM :]

mt.3.17 και [AND] ιδου [LO,] φωνη [A VOICE] εκ [OUT] των [OF THE] ουρανων [HEAVENS,] λεγουσα [SAYING,] ουτος [THIS] εστιν ο [IS] υιος μου [MY SON] ο [THE] αγαπητος [BELOVED,] εν [IN] ω [WHOM I] ευδοκησα [HAVE FOUND DELIGHT.]

Mc 1,9-11

mk  .1.9 και [AND] εγενετο [IT CAME TO PASS] εν [IN] εκειναις ταις [THOSE] ημεραις [DAYS «THAT»] ηλθεν [CAME] ιησους [JESUS] απο [FROM] ναζαρετ της [NAZARETH] γαλιλαιας [OF GALILEE,] και [AND] εβαπτισθη [WAS BAPTIZED] υπο [BY] ιωαννου [JOHN] εις [IN] τον [THE] ιορδανην [JORDAN.]

mk.1.10 και [AND] ευθεως [IMMEDIATELY] αναβαινων [GOING UP] απο [FROM] του [THE] υδατος [WATER,] ειδεν [HE SAW] σχιζομενους [PARTING ASUNDER] τους [THE] ουρανους [HEAVENS,] και [AND] το [THE] πνευμα [SPIRIT] ωσει [AS] περιστεραν [A DOVE] καταβαινον [DESCENDING] επ [UPON] αυτον [HIM.]

mk.1.11 και [AND] φωνη [A VOICE] εγενετο [CAME] εκ [OUT OF] των [THE] ουρανων [HEAVENS,] συ [THOU] ει ο [ART] υιος μου [MY SON] ο [THE] αγαπητος [BELOVED,] εν [IN] ω [WHOM] ευδοκησα [I HAVE FOUND DELIGHT.]


Roberto Pla  

É importante observar   que Jesus e João Batista só se “encontram”, segundo o testemunho dos evangelistas Mateus e Marcos, no momento do batismo   de Jesus. Como já apontamos, com este acontecimento   se descreve a primeira ocasião na qual as águas psíquicas de João se abrem e o “eleito   de Deus” se faz presente   a sua consciência  . Só desde essa vertente oculta   há que se entender a declaração de João: “Eu não o conhecia, mas vim batizar com água para que ele seja manifestado” (Jo 1,31).

  • Dada a estreita relação existente entre Isabel e Maria e que deu motivo à Visitação, não se pode aceitar   em seu sentido “manifesto  ” que João Batista não conhecia a Jesus; mas o quarto evangelho segue nisto a vertente oculta.

Nada se diz no quarto evangelho a respeito de que Jesus fosse batizado com água, senão que João viu ao Espírito Santo “manter-se” sobre ele (sobre o eleito de Deus), pois, disse, “esse é o que batiza no Espírito Santo”.

No terceiro evangelho se consigna que Jesus recebeu o batismo, sem explicar se foi de água ou de batismo de Espírito; mas a descida do Espírito Santo sobre ele e a proclamação do Filho   amado   não pertence ao processo do primeiro batismo, senão ao segundo. A voz do céu se dirige a Jesus: “Tu és meu Filho”, e não a um suposto interlocutor (João Batista), como ocorre no evangelho de Mateus: “Este é meu Filho amado”. Não há dúvida de que João não esteve presente segundo Lucas   no batismo de Jesus, o qual está explicado, pois o evangelista acabava de dizer que João havia sido encarcerado.

  • Mas o tetrarca Herodes, sendo repreendido por ele João Batista por causa   de Herodias, mulher   de seu irmão, e por todas as maldades que havia feito, acrescentou a todas elas ainda esta, a de encerrar João no cárcere. Quando todo o povo fora batizado, tendo sido Jesus também batizado, e estando ele a orar, o céu se abriu; e o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como uma pomba; e ouviu-se do céu esta voz: Tu és o meu Filho amado; em ti me comprazo. (Lc 3:19-22)

Só Marcos e Mateus consignam o batismo de água de Jesus administrado por João Batista, batismo que sobrepassa a João por efeito da descida do Espírito de Deus, e a proclamação do Filho amado alcançará em seu sentido, ao segundo batismo.

Em Mateus se apresenta o batismo de água em seguida a um forcejo entre João e Jesus; um forcejo que se dá por estabelecido quando Jesus afirma: “Convém que assim cumpramos toda justiça”. Tal “justiça” consiste provavelmente no cumprimento do plano completo da Boa Nova, mas não coincide com o puro sentido da exegese   oculta.

  • Que isto mesmo o entenderam outros testemunhos, o prova não somente a posição   tomada por Lucas e João, senão também, aquele que segundo São Jerônimo   se consigna no evangelho chamado “dos hebreus”, quando Jesus diz: “Que pecados cometi para que tenha que ir e ser batizado?”.

No relato batismal sinóptico de Marcos e Mateus confluem, em sua natural direção   oposta, a assunção desde a água (da alma  ) e a descida do Espírito. Ambos movimentos respondem a um processo simultâneo que está de acordo com o que explica a exegese oculta. Pela ascensão   desde a água, vem a consumação   da obra de purificação da alma. Só então, na nova transparência da água clarificada, é possível contemplar a luz   própria da região superior. Mateus e Marcos explicam isto dizendo: “Viu que os céus (os estratos superiores da alma) se abriam”.

O que desce então desde aquela luz da região superior do Espírito, não é outra coisa que a chuva de conhecimento que vem nas línguas de fogo   que batizam; e se os evangelistas dizem que tal chuva chegava na “forma de pomba”, empregam com isto uma metáfora pela qual querem referir-se à “presença  ”, pousada dede então na alma, quer dizer, a permanência da luz do Filho do homem   sobre a consciência que a contempla desde então.

Convém esclarecer bem isto: quando a alma recebe a chuva de conhecimento que a envia o Espírito, enfoca sua atenção   com o propósito deliberado de entender a mensagem que a leva aquela chuva sutil   que se derrama sobre ela.

A caída constante de tal chuva, que absorve a alma e que a impulsiona à integração gradual com Espírito, é denominada na linguagem testamentária a “presença”, a qual se constitui em um processo imperativo da alma. A contemplação ininterrupta da “presença”, a tomada de consciência de que Deus está presente sempre em todo fazer ou pensar  , é o único instrumento com que conta a alma para acrescentar as medidas próprias do sagrado  , até realizar por fim, diretamente, a “vinda” do Filho do homem.

Na tradução rabínica, a «presença» recebeu o nome de Shekinah e se descreve tão vinculada ao Espírito (de Deus), como a pomba, sua herdeira neotestamentária, o está ao Espírito (Santo).

O evangelista Lucas formula com muita precisão a ação que corresponde ao Espírito e à pomba (Shekinah = presença), na profecia   do anjo   à Maria (a qual é aqui explicada, em versão oculta, como a donzela — alma — purificada): “O Espírito Santo virá sobre ti e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra”.

  • O poder do Altíssimo vai sobre Maria, a alma virginal, e também ao mesmo tempo, sobre “o que há de nascer”, posto que também Jesus diz, em cumprimento da profecia, rememorando Isaías 61, 1: “O Espírito do Senhor sobre mim  , porque me ungiu” (Lc 4, 18-19).

A “sombra” é o mesmo que a nuvem teofânica da glória   de Deus; é um “filtro” da luz que, pouco a pouco, quando a contemplação se fixa, insistente, paciente, tenaz, amorosa, se dilui e então, toda disfunção entre a luz e a alma cessa por completo. Uma vez desaparecida a “sombra” projetada pela nuvem, o que era tido por dois   (alma e espírito, obscuridade e luz), cessa por completo.

A pomba traz a mensagem da luz e a faz presente; com suas asas em voo  , projeta a sombra; quando se “mantém” sobre a alma, que é como a viu João Batista segundo o quarto evangelho, propicia o processo de unidade   que corresponde aos frutos da “presença”. Quando ao final, remonta o voo, não deixa traço no ar com suas patas. Então cessa, segundo queria Jesus, a dualidade suposta pelos “muitos” e se resolve na unidade real dos poucos. Este é o cumprimento do mistério pelo qual Jesus deu sua vida. Por isto se recomenda a todos no evangelho: “Sejam simples (unos) como as pombas”.


Ver online : Evangelhos