Página inicial > Medievo - Renascença > Maximo Centurias Teologia I Virtudes

Maximo Centurias Teologia I Virtudes

terça-feira 29 de março de 2022

    

Tradução em grande parte feita a partir da versão francesa da Philokalia  , mas eventualmente utilizada a versão inglesa.
Primeira Centúria
Virtudes e Vícios  
23. O hipócrita, enquanto passa desapercebido, permanece calmo. Busca a glória   se esforçando em ser justo. Mas quando foi pego pelo fato, profere palavras mortais  . Parece assim cobrir sua própria cupidez pelas injúrias que dirige aos outros. A palavra de Deus   o comparou a uma raça   de víbora, por causa   de sua hipocrisia, e lhe ordenou produzir frutos dignos de arrependimento. Quer dizer transformar em modalidades aparentes a disposição   oculta de seu coração  .

24. Alguns dizem que é selvagem todo animal  , vivendo no ar, sobre a terra   e no mar, que não é julgado puro pela Lei, mesmo se, por seus costumes, parece estar aprisionado. A palavra de Deus dá assim a todo homem   um nome de animal, que corresponde à própria paixão de cada um.

25. Aquele que simula a amizade   para fazer mal a seus vizinhos é um lobo que esconde sua própria maldade sob uma pele de cordeiro. Quando descobriu neles uma conduta pura ou palavra pura, praticada ou dita com simplicidade segundo o Cristo  , ele dela se ampara e a destrói. Espalhando milhares de condenações, ele critica às palavras e às condutas de seus irmãos, como espião da liberdade que tem em Cristo.

26. Aquele que, por malícia  , imita ao silêncio  , estende uma armadilha a seu próximo. Se fracassa, parte, ajuntando sofrimento   a sua própria paixão. Mas aquele que se cala para prestar serviço faz crescer a amizade, e parte com alegria   pois recebeu a iluminação   que liberta das trevas.

27. Aquele que, em uma assembléia, interrompe bruscamente a leitura de um discurso, não escapou à vanglória  : é doente. Tomado pela vaidade, avança inúmeras proposições, como tantas vias e voltas, pois pode romper o encadeamento daquilo que é falado.

28. O sábio   que ensina e é ensinado, quer aprender   e ensinar as únicas coisas que são úteis. Aquele que só é sábio em aparência, quando interroga e é interrogado, só leva adiante coisas supérfluas.

29. Um homem que participa na graça   dos bens de Deus deve transmiti-las abundantemente a outros. Pois é dito: «Recebeis gratuitamente, dais gratuitamente». Aquele que esconde o dom acusa o senhor de ser duro  . Ele poupa a sarx   - carne por refutar a virtude. Mas aquele que vende a verdade aos echthros   - inimigos é em seguida condenado por ter amado a kenodoxia - vanglória, e se perde não suportando a vergonha  .

30. Aqueles a quem assusta o agon - combate contra as paixões e que temem a agressão dos echthros - inimigos, devem se silenciar, quer dizer não empreender a refutação dos echthros - inimigos para sustentar   a virtude, mas, pela euche   - oração, se entregar a Deus na cura   de epimeleia   - vigilância sobre eles mesmos. É a eles que é dito no Exodo: «O Senhor combaterá por vós. Vós, silenciai-vos». Mas aqueles que, depois da desaparição de seus perseguidores, buscam a principio os modos   das virtudes a fim de aprender com gratidão  , só tem uma coisa a fazer: guardar aberta o ouvido de sua nous - inteligência  . É a eles que é dito: «Escuta, Israel  ». Enfim, àquele que, para se purificar, busca ardentemente o conhecimento (gnosis) divino convém a plerophoria   - certeza que dá a piedade  . É a ele que será dito: «Porque me chamas?», Logo, àquele para o qual o silêncio foi ordenado pelo phobos   - temor, é bom e necessário de fugir   para Deus. Aquele ao qual foi prescrito entender deve estar pronto a obedecer os mandamentos. Enfim, convém que aquele a quem o conhecimento (gnosis) chama sem cessar em suplicando, para se liberado do mal e dar graças de ter parte no bem.

31. Jamais uma alma   não pode se voltar para o conhecimento (gnosis) de Deus se Deus ele mesmo, descendo até ela, não a toca e não a conduz para em sua direção  . Pois a nous - inteligência humana não poderia se elevar até perceber alguma iluminação divina se Deus ele mesmo não a atraísse para o alto, tanto quanto é possível à nous - inteligência humana de ser arrebatada, e não a iluminasse dos esplendores divinos.

32. Aquele que imita os discípulos do Senhor não recusa, por causa dos Fariseus  , caminhar durante o sabá nos campos de trigo   e arrancar as espigas. Mas, tornado impassível após o conhecimento (gnosis) prático, recolhe as razões das criaturas, nutrindo-se com piedade da ciência divina dos seres.

33. Aquele que é apenas fiel seguindo o Evangelho, transporta pela praxis   - ação a montanha   de seu mal. Afasta-se da errança das coisas submissas à sensação   sua primeira inclinação   para elas. Aquele que pode ser discípulo e que recebe das mãos do Verbo fragmentos dos pães do conhecimento (gnosis), nutre milhares de homens: pela praxis - ação mostra a potência multiplicada do Verbo. Mas aquele que é capaz de ser apóstolo, cura toda doença e toda enfermidade, e cassa os demônios. Quer dizer que põe em fuga a energia das paixões, que trata os doentes, que, por elpis   - esperança, conduz ao estado   de piedade àqueles que não estavam privados, e que conforta pela palavra do Juízo   àqueles que sofriam na negligência. Pois, exortado a andar sobre as serprentes e os escorpiões, abole o começo e o fim do pecado.

34. O apóstolo e o discípulo são fiéis, em todos os casos. O discípulo não é sempre apóstolo, mas é sempre fiel. Aquele que é somente fiel não é nem discípulo nem apóstolo. No entanto, por sua conduta e sua theoria   - contemplação, o terceiro pode chegar à ordem   e à dignidade   do segundo, e o segundo pode chegar à ordem e à dignidade do primeiro.


Ver online : Philokalia