Página inicial > Medievo - Renascença > Mestre Eckhart (1260-1327) > Ancelet-Hustache (S1:74-76) – Eckhart - Sermão 5b

Maître Eckhart Sermons 1-30

Ancelet-Hustache (S1:74-76) – Eckhart - Sermão 5b

Apresentação

quarta-feira 12 de outubro de 2022, por Cardoso de Castro

      

Lemos em 5b: “Esta nobre vontade flui de tal maneira que jamais pode retornar?” Em outras palavras: as obras feitas fora do estado   de graça estão definitivamente perdidas?

      

Este sermão, que comenta o mesmo texto da Escritura que o precedente, apresenta praticamente a mesma estrutura  . Josef Quint acha que pode ser uma reformulação sua com a intenção de remover, ou pelo menos atenuar, algumas das expressões retidas pelos censores.

Como em 5a, o primeiro desenvolvimento trata da nobreza que Cristo   conferiu à natureza humana ao assumi-la. Eckhart   introduz uma imagem que não encontramos no sermão anterior  : a do rei que entrega sua filha ao filho   de um pobre  . A natureza humana que Cristo assumiu sendo comum a todos, devemos amar   todos os homens igualmente e desejar tanto bem quanto a seu amigo íntimo, ao homem   que vive "além-mar".

Eckhart insiste na necessidade   de ser puro de coração  , mas a comparação com o carvão é mais desenvolvida do que em 5a. Ela queima minha mão porque, transformada em fogo  , tem algo dentro dela que minha mão não tem. É esse nada, essa negação do que os bem-aventurados possuem, a contemplação de Deus  , que atormenta as almas no inferno mais do que a vontade própria ou o fogo.

“Ele o enviou ao mundo”. Jogando como em 5a nos dois   significados de “mundum”, Eckhart interpreta esta palavra no sentido de “mundo interior”. A necessidade de desapego   é constantemente encontrada nele. A expressão que ele dá aqui será desenvolvida em outro sermão: é preciso viver   “sem por quê”. Voltaremos mais tarde.

Se realmente este sermão foi reformulado para suavizar os termos que o tornaram suspeito, o revisor deixou alguns temas especificamente eckhartianos:

"... todo o bem que todos os santos possuem, e Maria, Mãe de Deus, e Cristo segundo a sua humanidade, é o meu próprio bem nesta natureza (humana)". “Tão verdadeiramente como em sua natureza simples o Pai naturalmente gera seu Filho, assim verdadeiramente o gera no mais íntimo do espírito, e esse é o mundo interior. Aqui, o fundo de Deus (grunt  ) é o meu fundo (grunt), e meu fundo é o fundo de Deus”.

Para Josef Quint, a questão levantada no final do sermão e que não tem paralelo no 5a, pertence a outro contexto. Relaciona-se com o problema tratado em um sermão ainda não publicado na grande edição e o ocupa inteiramente. Este sermão encontra-se na edição Pfeiffer (XV) e Quint, acreditando ser autêntico, incluiu-o na sua tradução alemã moderna (n. 44): Mortuus erat et revixit, perierat et inventus est... (Lc   15.32). Ilumina nosso texto.

Lemos em 5b: “Esta nobre vontade flui de tal maneira que jamais pode retornar?” Em outras palavras: as obras feitas fora do estado   de graça estão definitivamente perdidas?

Aqui estão alguns pontos-chave do argumento   em Pfeiffer (XV).

Se um homem faz boas obras em estado de pecado   mortal  , não as faz pelo pecado, mas pelas profundezas de seu espírito que é bom por natureza, embora este homem não esteja em estado de graça, e que as obras que ele realiza então não mereçam o céu. O espírito não sofre o dano, pois o fruto   do trabalho  , liberto do trabalho e do tempo, que não têm existência em si, permanece no espírito e não pode ser aniquilado, assim nem o espírito ele mesmo.

Ao realizar estas obras, o homem não perde nem estas obras nem o seu tempo, porque está assim a dar um passo que o aproximará de Deus quando recuperar o estado de graça. "Quando esta vontade se afasta por um momento de si mesma e de toda a criação para se voltar para sua origem primeira, a vontade está em sua natureza reta e livre, e é livre, e neste momento todo o tempo perdido é novamente restabelecido" (5b).

Já em nosso sermão Eckhart não teve medo de se opor: "Os mestres costumam dizer... mas eu digo..." Em Pfeiffer (XV), ele defende sua opinião   com ainda mais vigor, porque é "a verdade verdadeira", mesmo que vá contra todos os mestres que agora vivem. (Ao falar dos vivos, ele quer evitar parecer rebelar-se contra São Tomás que defende uma tese contrária?)

Tauler   experimentou esta passagem de 5b. Ele menciona a opinião de outros mestres e continua: "Mas um grande e nobre mestre diz: “Assim que um homem se volta com as profundezas de seu ser e sua vontade, e leva seu espírito ao espírito de Deus acima do tempo, tudo o que foi perdido é reintegrado neste instante  ”.

Este ponto de vista parece importante para o que tem sido chamado de “ressurreição dos méritos”.

“... se alguém imagina receber   de Deus na interioridade  , a piedade  , a doçura e uma graça particular mais do que perto de seu fogo e no estábulo, você não faz outra coisa senão tomar Deus, enrolá-lo em um casaco em volta da cabeça e empurrá-lo debaixo de um banco”. Já encontramos esta imagem em 5a, mas aqui ela é mais desenvolvida.


Ver online : MESTRE ECKHART – SERMÕES