Página inicial > Antiguidade > Evangelho de Tomé - Logion 107

Evangelho de Tomé - Logion 107

terça-feira 29 de março de 2022

      

Jesus   disse: O Reino é semelhante a um pastor que tinha cem ovelhas. Uma delas, a mais gorda, se perdeu. Ele, abandonou às noventa e nove e buscou a única até encontrá-la. Quando havia passado   a aflição  , disse à ovelha: Te amo mais que as noventa e nove. Roberto Pla  


EVANGELHO DE JESUS: Ovelha Perdida
Hermenêutica Roberto Pla Versão em signo   oculto da Ovelha Perdida - PARÁBOLA DA OVELHA PERDIDA.

A ovelha, como imagem da alma  , essencializada ou não, é o símbolo universal   utilizado na Escritura para designar ao homem   como membro de uma espécie tendente à dispersão, por débil e desvalida, quando vive sem pastor, mas que Deus   prevê reunir   na unidade   no final dos tempos como rebanho próprio   de seu redil (Pastor e Ovelhas).

A mais antiga figura da alma enquanto ovelha necessitada de pastar nos pastos de Deus foi acompanhada de Caim   e Abel - Abel, pastor de ovelhas.

  • Tornou a dar à luz a um filho   - a seu irmão Abel. Abel foi pastor de ovelhas, e Caim foi lavrador da terra  . (Gen 4,2)

Seguiram-se todos os patriarcas de Israel  , que desde Abraão até Moisés “apaziguaram” ovelhas.

Na tradição   testamentária do profetismo aparece a convicção   de que o único bom pastor é Deus. Este é o tempo   das queixas acerca da obra feita pelos chamados “pastores de Israel”, os quais, segundo se diz, “se apaziguam a si mesmos”: Is 53,6; Jer 23,1-3.

Os textos dos profetas dedicados a propor a substituição dos pastores humanos pelo Senhor, como pasto direto, único e divino  , são muito claros e é evidente   que se postula neles a supressão de tais pastores como intermediários, forçosamente defeituosos, entre o homem e Deus, naquelas matérias que se referem à consumação   religiosa da ovelhas: Ez 34,10.

Na revelação neotestamentária reivindica Jesus para si, enquanto Cristo manifesto   e Cristo oculto   - oculto ao mesmo tempo, não somente ser ele o bom pastor da eleição feita por Deus, o pastor que conhece as ovelhas, mas que revela ser ele, além do mais, a porta das ovelhas, a porta que as ovelhas conhecem.

O Cristo manifesto é o pastor verdadeiro e o Cristo oculto é a porta que cada ovelha tem em si mesma, no meio dela. O Cristo oculto é, com efeito, a porta que cada ovelha há de transpor para tomar em propriedade a Vida que o Filho do homem lhe dá por desígnio do Pai com o que “ele é uno”. (Pastor e Ovelhas)

O bom pastor a seguir até ser de seu redil, é o Cristo oculto, interior  , que comparece como porta, o pastor que cada ovelha há de descobrir e reconhecer   como seu si mesmo   desde a eternidade. Este reconhecimento é o único signo que livra da ansiedade de crer ou não crer; o reconhecimento que salva desse abismo   que abriram os pastores externos entre o ser do homem e o Deus que o espera misericordioso sob o dintel para dizer-lhe: “Eu sou   tu”.

As ovelhas da parábola são todas as ovelhas, todas as almas desta grande geração humana. Ao dizer que são cem, que é um número   de perfeição, o que se diz delas é que seu número é perfeito posto que são todas, embora não se diga que elas são perfeitas, pois caso fossem não estariam neste trânsito da geração humana.

Andam dispersas as ovelhas, apartadas umas das outras; seus corpos, por impenetráveis as separam por toda superfície da terra. Algumas ovelhas, arriscam errantes pelos montes e altas colinas, e outras, mais débeis, ou mais enfermas, ou mais feridas, pastam no deserto  , sem que ninguém se ocupe do rebanho, nem saia em sua busca.

Por vezes acontece, sem que se possa saber porque motivo, que alguma destas ovelhas buscando sendas verdadeiras, se encontra perdida, descarriada, porque não conhece o redil ao qual quer voltar. Estas ovelhas sofrem fome e sede de justiça, e em consciência   “buscam”. E essa é a mais formosa e eficaz maneira de pedir o retorno ao Pai.

São estas ovelhas que recebem a “presença  ” do Espírito   “que nelas está” e que logo se revela como morador eterno de seu santuário. A descida da unção   que se derrama sobre a ovelha é o procedimento que emprega o Espírito   para buscar e encontrar ao final à ovelha, perdida primeiro e descarriada depois.

Graças ao alimento   que recebe do Pai, a ovelha resulta ser agora a mais gorda e robusta, a que o pastor guarda   e pastoreia com justiça. Diz o evangelista que o bom pastor se põe logo a ovelha sobre os ombros, tal como dizem que tomou Jesus a cruz, para conduzi-la até o monte da Vida.

Talvez queira significar com isso Lucas que ao ser a mais gorda, lhe havia chegado a esta ovelha a hora do sacrifício. Mas o sacrifício de uma alma consiste em morrer   ao mundo, todos os dias um pouco, para que se dissipe tudo o que nela é mundo até restar convertida em essência. Estas são as bodas sagradas da alma, que se entendem como morte, mas são prim[ícia da ressurreição   em espírito.

Segundo a exegese   oculta, a alma convertida em espírito por essencialização de si mesma, é a alma que “fez do dois   um”, que dizer, a que alcançou a Unidade. Por isso diz o logion que esta ovelha consumada é “única” (só), pois ainda que sejam muitas as ovelhas perdidas e encontradas, sempre são “uma” na unidade do Pai.

No entanto, por outro lado, à esquerda, onde estão os que ainda não encontraram a unidade, restam os “cabritos” que o pastor separa das ovelhas “únicas”. Ali restarão, entretanto, as ovelhs (cabritos) que não se encontraram perdidas, nem descarriadas, porque jamais imaginaram, enquanto pastavam nos montes ou no deserto, que uma mansão bendita as esperava quando retornaram. Dessas ovelhas se diz que são as “noventa e nove”, as imperfeitas ainda, pois não alcançaram a perfeição de ser “únicas”.

Termina o logion esta parábola quando o pastor confessa seu amor incomparável pela ovelhas que se fez “um”. Mateus explica a vontade do Pai que tenham Vida eterna todas as almas que nasceram “de acima” (Nascer do Alto) e se fizeram “pequeninas” (elakistos)., recém-nascidas ao Espírito, para entrar no Reino.

Quanto a Lucas, sublinha ao final da parábola o gozo que se produz no Reino do Pai pelo retorno de uma alma que se viu a si mesma perdida e logo descarriada no imenso oceano da alma, como antecipação   de seu caminho de conversão.

Bem distinta desta ovelha convertida, são aquelas noventa e nove que tal como aqueles pecadores que se acercavam a Jesus para ouvi-lo sem pensar   que eles eram pecadores, ainda não davam por chegada a hora de sentir-se perdidos e ter necessidade   de conversão.

Aquelas ovelhas, as noventa e nove, ainda não são do redil verdadeiro; mas serão conduzidas e escutarão a voz, e se unirão ao mesmo rebanho, porque em verdade   só é possível um rebanho e um pastor.

Isso é o que apontou Jesus em seu Discurso sobre a obra do Filho, no quarto evangelho: A ovelha “única”, que alcançou a perfeição, sairá de seu sepulcro terrenal para uma ressurreição de Vida, e as noventa e nove, as imperfeitas, sairão, quando ouçam a voz do pastor, “para uma ressurreição de juízo  ”, quer dizer, para um banho de fogo   eterno, purificador, com consistência de sal, até alcançar a perfeição, a qual é o juízo.

Quando chegue a hora da conversão, não há que esquecer que o bom pastor é o que se encontra “em meio” das ovelhas dispersas, o Deus que espera misericordioso sob o dintel da porta de cada um, porque ele é a porta.

ET107 Exegeses - OUTRAS INTERPRETAÇÕES


Ver online : Evangelho de Tomé