Página inicial > Oriente > Extremo Oriente > Tao - Dao > Despeux (Tai Chi Chuan) – As representações do Taiji

Taiji Quan : Art martial

Despeux (Tai Chi Chuan) – As representações do Taiji

2. LES REPRÉSENTATIONS DU TAIJI

sexta-feira 2 de setembro de 2022, por Cardoso de Castro

    

Excertos traduzidos do livro «Taiji   Quan : Art martial - Technique de longue vie» de Catherine Despeux  

    

A mais antiga representação que se conhece provém de um texto do século VIII: Shangfang dadong zhenyuan miaojing tu: primeiramente uma «representação da espontaneidade e da vacuidade», em seguida um «desenho do caos   maravilhoso e da Via» formada de círculos concêntricos indo do sopro primordial ao Taiji  , Yin-Yang  , Cinco   Elementos   e oito Trigramas  ; e a terceira representação, o «desenho do céu anterior   do Taiji». Este último teria sido proveniente de célebres alquimistas chineses anteriores a esta obra, que trata do comportamento   do sábio   tao  ísta para alcançar a longevidade e realizar o Tao, se conformando aos sopros e à revolução do universo  . Trata-se portanto de uma alquimia   interior, práticas psicofisiológicas que se desenvolveram sob a dinastia dos Tang, para se alcançar a longevidade.

Pensa-se que este diagrama do Taiji possa ser uma representação do corpo humano, na medida que os cinco elementos podem ser considerados como as cinco vísceras. no texto se lê: «As dez   mil coisas tem o Taiji, os dois   princípios primários», etc., e continua, «o homem   se apoia sobre o sopro da unidade   original e verdadeira do céu e da terra   para crescer e se realizar; entretendo-o longamente e observando-o no homem, então as substâncias do céu e da terra se manifestam». Embora não represente propriamente o corpo, este «mapa» do Taiji é no entanto um modelo da evolução dos sopros no universo, mas também no corpo.

A representação do Taiji de Zhou Dunyi é mais metafísica   ainda: seu segundo círculo  , formado de semi-círculos negros e brancos, simbolizam o Yin-Yang na representação anterior, é aqui formado de semi-círculos imbricados e não mais alternados, traduzindo melhor o fato que os elementos do Yin-Yang não são de natureza totalmente distinta e separada, mas sempre estão mesclados, juntos. Fala-se de uma influência budista neste diagrama, o que parece ser possível, posto que Zhou Dunyi trabalhou com o mestre Chan   da escola de Caodong, onde circulava um «diagrama das cinco posições» (wou-wei tu).

O desenho de Zhou Dunyi foi retomado e comentado frequentemente. Huang Zongyan da dinastia Qing comenta o aspecto alquímico do que se trata: : as três fases principais, que são «fundir a essência   e transformá-la em sopro, fundir o sopro e transformá-lo em energia espiritual, fundir a energia espiritual e fazê-la retornar à vacuidade» e ainda «os cinco sopros (das cinco vísceras) retornam à origem». Ele afirma ainda: «o desenho deve ser lido de baixo para cima para ser claro; a inversão, é o procedimento de realização   do cinábrio», ou seja, uma alquimia da pluralidade à unidade, da troca do fogo   e da água, estabelecendo uma ordem inversa dos cinco elementos para reconduzi-los ao Yin-Yang e à unidade suprema.

Nos diagramas e seus comentários não se elabora o processo de evolução do Taiji para os oito Trigramas, sendo isto tratado na representação do Taiji atribuída a Shao Yong, ilustrando uma frase do I Ching  : «O Taiji engendra os dois princípios primários, os dois princípios primários engendram os quatro princípios secundários; os quatro princípios secundários engendram os oito Trigramas». O Taiji aqui aparece como um círculo vazio  .

Outras representações do Taiji sob a dinastia Song e Yuan, constituídas por um círculo com um ponto no meio, ou melhor, um círculo dividido em partes iguais ou desiguais, negras e brancas, ou ainda dois círculos imbricados.

Na dinastia Ming surge uma representação cuja particularidade é de ser espiralada, adotada por Lai Zhide, eminente comentador do I Ching, e autor de uma obra com muitas representações do Taiji, adotadas por Chan Pisan em sua obra sobre o Tai Chi Chuan  . Esta representação se lê de baixo para cima e se compõe do Sem Pilar (Wuji), do Taiji, de uma figura de quatro estágios representando os dois princípios primários (pureza   do céu e estabilidade da terra), os quatro princípios secundários (céu, lua  , sol, terra), os oito Trigramas, e os Cinco Elementos; por fim, no topo, os oito trigramas dispostos segundo a orientação de Fu Xi dita do céu anterior.

Todas as representações de Lai Zhide são espiraladas, e são as únicas retomadas por Chen Pisan, que também adota representações espiraladas de Hetu («Mapa do Rio»), espécie de diagrama mágico, repartição dos números do espaço. Lai Zhide não é o primeiro a adotar a representação espiralada, no livro de alquimia interior de Lu Qianxu, encontram-se duas representações espiraladas do Taiji em relação com a fórmula do cinábrio: «o desenho do Taiji não dividido» e o desenho do Yin-Yang misturados", com estes elementos espiralados.

Notemos que a representação espiralada põe em relevo o dinamismo do Taiji e a interação   do Yin-Yang, enquanto anteriormente se enfatizava o Taiji como unidade suprema composta de duas partes. Atualmente a forma mais popular identifica o Yin-Yang cada qual com um cor, negro e branco, ou vermelho e negro, ou vermelho e branco; tendo um ponto em cada parte com a cor do outro elemento, para enfatizar que no sei de um princípio reside o outro e vice-versa; os perímetros das partes representativas de cada princípio são iguais ao perímetro de todo o círculo.

Em todas as representações a dominante é o círculo, sugestivo de uma unidade perfeita, sem começo nem fim, e fechada sobre ela mesma. As representações espiraladas tem o valor   de destacar o movimento   incessante do Yin-Yang, enquanto uma unidade; movimento este do centro para a periferia e inversamente.

<img src=«../IMG/wiki/Taiji03.png» }


Ver online : Catherine Despeux