Página inicial > Medievo - Renascença > Isaac Sirio Tratados Misticos 10

Isaac Sirio Tratados Misticos 10

terça-feira 29 de março de 2022

Traduzidos para o inglês por A. J. Wensinck, publicada em 1923; versão para português de Izabel Carneiro

TM9<=>TM11

X — DAS PALAVRAS DAS ESCRITURAS SENDO FALADAS COMO SE FOSSEM PARA PACIENTES COM MODERAÇÃO PARA QUE NÃO ABANDONEM TOTALMENTE O DEUS VIVO. MAS ISSO NÃO DEVE SER TOMADO POR NÓS COMO UMA RAZÃO PARA MAIOR LIBERDADE EM RELAÇÃO AO PECADO

O incentivo que nossos Padres nos dão em seus escritos e a ajuda referente ao arrependimento que está nos escritos dos Profetas e dos Apóstolos, não devem ser tomados por nós como uma razão para desconsiderarmos as ameaças dos atos divinos de julgamento, nem o castigo que Deus decretou firmemente contra a transgressão dos limites, que não devem ser transpassados pela boca de Seus santos e por meio de todos os tipos de leis  , a fim de erradicar os pecados. Como se a esperança do arrependimento pudesse ser motivo para nos despirmos do sentimento de medo, a fim de pecarmos mais livremente e sem temor. Essas (ameaças) são confirmadas pelos selos da palavra de Deus, em todas as escrituras de nossa salvação, e pelos decretos (divinos) fixados contra eles, (ameaçando) todos os tipos de terror. Alguns destes, Ele tem revelado parcialmente para muitas ou para poucas (pessoas), por meio de punições que Ele fez recair sobre elas, a fim de mostrar que Ele odiava o pecado. Ou por que então se afogaram no Dilúvio as gerações na época de Noé? Não foi por causa da vileza da lascívia, porque eles tinham violado a beleza das filhas de Caim? [Gen 6 - Gn 6, 2] (vide S. Agostinho, Cidade de Deus, livro XV, Cap. XXIII). Naquele tempo, não havia amor ao dinheiro, nem adoração de ídolos, nem feitiçaria, nem guerras travadas (por homens) uns contra os outros.

Ou ainda, por que foram as cinco cidades dos sodomitas queimadas para sempre? Não era porque eles tinham dado lugar à luxúria carnal, que havia tomado posse deles de livre vontade, consistindo em todos os tipos de impurezas? Não foi por causa da fornicação de um homem que, em Israel - a nação primogênita de Deus- caíram, em um instante, vinte e cinco mil pela praga? Por que então foi Sansão rejeitado por Deus; Sansão, o homem de força, o nazareno desde o ventre, o santificado a Deus, cujo nascimento foi anunciado por um anjo como o de João Batista - João, filho de Zacarias [Lc 1, 11-25], através de cuja mão — infundida por Deus em seu corpo - feriu mil homens com a queixada de um jumento e tornou-se um salvador e um juiz para Israel? Não foi porque ele tornou impuros e contaminou seus membros consagrados por meio de relações sexuais com uma prostituta que o Senhor o abandonou e o entregou nas mãos de seus inimigos? David  , o coração de Deus, por cuja excelência a promessa feita aos Padres justos foi realizada em sua descendência, da qual brotou Cristo, o Salvador do mundo inteiro — não foi por adultério com uma mulher e pela fraqueza de um momento que, num relance do olho, ele recebeu uma seta em sua alma e forjou o mal contra si mesmo, de dentro de sua própria casa; pois o filho que estava por sair dos seus costados iria persegui-lo? E isso aconteceu, embora ele tivesse demonstrado arrependimento e o Senhor lhe dissesse: também Eu perdoo o teu pecado, você não morrerá; e ele chorou um rio de lágrimas de modo que umedeceu sua cama durante a noite.

Retorno ao que estava dizendo antes: por que então a aflição e a destruição atingiram a casa de Eli, o sacerdote, o velho homem justo, um sacerdote e um juiz de Israel durante quarenta anos? Não foi por causa de Pinhás e Hofni seus filhos que trataram as mulheres com desprezo quando elas foram rezar no tabernáculo - embora ele mesmo não tenha pecado, pelo menos não deliberadamente, mas apenas na medida em que ficou em silêncio e os repreendeu somente com palavras, sem mostrar fervor contra a fornicação de seus filhos, de modo que o julgamento do Senhor vingou-se sobre eles [1Sm 2, 22-25]?

E para que ninguém pense que o Senhor mostra seu zelo apenas contra aqueles que são pecadores ao longo de suas vidas, Ele também o exibe contra esse pecado audacioso odiado por Ele, no caso daqueles que estão próximos Dele, Seus sacerdotes e juízes e os chefes do povo e contra aqueles homens que estavam consagrados a Ele e por cujas mãos Ele tinha feito coisas maravilhosas, os quais, no entanto, quando violaram as leis   que Ele havia estabelecido, Ele não poupou. Como está escrito em Ezequiel, onde Ele diz ao homem a quem Ele ordena ferir o povo de Jerusalém com uma espada escondida: comece diante do meu altar e não poupe nem o velho, nem o menino, nem o jovem; para mostrar que eram as pessoas próximas a Ele, aquelas que andaram no medo e na castidade diante d´Ele e que executaram a Sua vontade. Os santos do Senhor e aqueles próximos a Ele fazem boas obras e têm um coração puro. Mas, quando eles rejeitam os caminhos da vontade do Senhor, Ele também os rejeita e os afasta de Si e tira deles a Sua graça.

E por que, então, o julgamento do Altíssimo feriu Baltazar pelo sinal da palma da mão? Não foi porque ele se comportara com insolência contra os vasos sagrados que ele havia tirado de Jerusalém e nos quais ele bebia com suas concubinas [Dn 5, 2-4]? Da mesma forma, o julgamento do Altíssimo vai de repente ferir quem, em sua insolente depravação, utiliza para fins mundanos os membros que foram antes reservados para a santidade do Senhor; assim como Baltazar foi ferido, pois se comportava insolentemente contra os vasos sagrados arrebatados do santuário do Senhor.

Portanto, não devemos fazer uso da convicção no arrependimento e nas palavras de comiseração das Escrituras, como um motivo para negligenciar as palavras e as ameaças do Senhor e desdenhá-Lo por meio de más ações, desprezando, assim, também os membros que outrora oferecemos como oblação para o ministério de Seus santuários e para o Seu serviço.

Em verdade, somos os santificados do Senhor e os nazarenos que se abstiveram de mulheres, como Elias, Eliseu e os profetas e os outros nazarenos santificados e virgens consagradas, por cujas mãos coisas esplêndidas e surpreendentes foram feitas, e que falaram com Deus face a face; e como aqueles que viveram depois, João o casto e Simeão o santo e outros pregadores do Novo Testamento que se consagraram ao Senhor e Dele receberam segredos místicos, alguns de Sua própria boca, outros por revelação. E, assim, eles se tornaram mediadores entre Deus e a humanidade e os receptáculos de Suas revelações e os pregadores do Reino para os habitantes do mundo.


Ver online : Philokalia